quinta-feira, 12 de junho de 2014

O conservador liberal

Anda para aí uma polémica sobre a atribuição de um prémio da Católica a Alexandre Soares dos Santos.

O Instituto de Estudos Políticos (IEP), da Universidade Católica Portuguesa, vai atribuir o Prémio Fé e Liberdade a Alexandre Soares dos Santos, anterior presidente do conselho de administração do grupo Jerónimo Martins. A distinção vai ser entregue a 24 de junho, durante o Fórum Político do Estoril, que reúne dezenas de oradores nacionais e estrangeiros sob o tema “Reavaliando a 3.ª vaga de democratização”, por ocasião dos 40 anos do 25 de abril (1974) e os 25 anos da queda do Muro de Berlim (1989). Elísio Alexandre Soares dos Santos (1934), que já foi considerado a pessoa mais rica em Portugal, vai ser apresentado por Manuel Braga da Cruz, anterior reitor da Universidade Católica.
A polémica tem a ver com a oposição de certos setores da Igreja e da cultura. Notícia do DN aqui.

Bento Domingues é um dos que está contra. Mas já houve uma altura em que concordou com o "Sr. Pingo Doce". Ler aqui.

Dizia na altura o "conservador liberal" (hummm, uma posição em que economico-eclesialmente me revejo):
Por que é que a Igreja é tão lenta a reformar-se? São coisas que discuto como bispo D. Manuel Clemente. Por que é que não se devem admitir mulheres padres? Por que é que não se há-de admitir o casamento? Por que é que a Cúria Romana é constituída por uns tipos que têm 80 anos, que não sabem nada de nada da vida, que estão ali fechados? (…)

Ler aqui.

Alexandre Soares dos Santos a puxar pela economia nacional

16 comentários:

Miguel disse...

Realmente, nem sei porque é que ainda nos inquietamos e ficamos perplexos com mais esta novela tristemente católica! Afinal, que mal há, uma instituição católica, cujo ensino raia os limites (se é que existem limites para estas almas!), dos ultra liberalismos reaccionários já sobejamente conhecidos! Que mal há então, esta vir agora reconhecer publicamente, a fé e as virtudes tão santas e defensoras da liberdade, emanadas desta figura santamente liberal, que, imaginem, anda tão preocupada com o bem e o futuro do seu próprio povo e nação, ao ponto de pagar o seus impostos, derivdos dos lucros colhidos no solo da sua pátria, na vizinha Holanda, de braço dado com uma longa lista de outros grupos portugueses do grande capital e afins, tudo gente muito católica e liberalmente santa! Parece que um deles até escreveu um livro recentemente, o homem deu-lhe agora um tal impulso orante, que até faz inveja ao cartuxo mais piedoso! Bem pode chorar e berrar o comendador do Funchal, para ver se consegue resolver o assunto do “calote”, porque pelo andar da carruagem, o pecadozinho já foi blindado pelas legalidades doutrinais forjadas nessas madraças teológicas, por uma dessas indulgências católicas que estão em saldo, para que tais orações do convertido da última hora, com os calos apertados, cheguem sem mais percalços aos céus! Resumindo, não tardará muito, vão fazer também santo, Soares dos Santos!

Jorge Pires Ferreira disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Jorge Pires Ferreira disse...

Miguel, não sou defensor da deslocalização da sede para evitar impostos - era o que faltava. Mas lembro-me de dizerem que, estando na Holanda, evitava a dupla taxação relativamente a um investimento da Colômbia. O problema é Portugal não ser suficientemente liberal para estabelecer acordos que não prejudiquem os investimentos - coisa que, a partir desse episódio, foi muito falada para ser de imediato esquecida. De resto, os impostos continuam a ser pagos em Portugal - assegura a Jerónimo Martins.

Anónimo disse...

Tudo o que frei Bento crtica é do melhor que existe. Os comunas nunca conseguem ver a realidade e a verdade.

Anónimo disse...

O parvalhão de frei Bento assina um documento que critica "Uma forma de enriquecimento baseada nos ganhos do capital e sua acumulação". Tadinho; parece não saber como é que a sua ordem se mantem e lhe permite viver aburguesadamente como ele vive.

Miguel disse...

Ò anónimo das 6:09 da tarde, isso não se faz! Eu até já sabia dos outros “bufos do regime” de turno, essa raça adapta-se com facilidade aos dias maus, basta-lhes mudar a língua viperina e dar-lhe um desses toques de elixir para esconder o hálito de víboras, e aí estão eles ao ataque, feitos judas! Agora não conhecia eu, era sobre a existência dos “bufos dos conventos e afins”! Lá diz o povo: “zangam-se as comadres, descobrem-se as verdades!”

Anónimo disse...

Aprenda meu caro, aprenda. Frei Bento é absolutamente insuportável como confrade: arrogante, despótico, hipócrita, petulante, etc. Um verdadeiro inferno para quem tem que viver com ele. Já o tinha dito neste blog.

Miguel disse...

Caro Jorge, essa questão de pagar ou não pagar impostos em Portugal ou na Holanda, é uma questão secundária no tema levantado pelo DN no contexto dessa carta. O que está aqui verdadeiramente em causa, é muito mais profundo e revela contornos muito graves, sobretudo, quando há um envolvimento de uma instituição católica, a UCP, que vai contra tudo aquilo que é a doutrina social da Igreja! Deixemo-nos de inocências, todos sabemos muito bem, que há uma incompatibilidade total da Doutrina Social da Igreja com o liberalismo capitalista! São campos completamente irreconciliáveis, como o são o factor lucro e a moral!

Convenhamos, a UCP não é propriamente uma dessas escolas de catequese, onde se podem cometer, ou dizer as maiores barbaridades, sem que tal acarrete, danos colaterais assim tão graves, para o catequista mal formado ou a comunidade! Agora a católica, meu caro, a referência máxima, o topo dos topos de ensino na Igreja portuguesa! Afinal, que mensagem e valores, está a UCP a passar para o exterior, com este “prémio” a Soares Martins?

Serão os de uma ética que não hesita, escudada pelo seu grande poder económico, em exercer pressões sobre o próprio governo, nessa chantagem que ameaçou o abandono do país, se este não baixasse os impostos, mas que depois, pactua, numa cumplicidade vergonhosa, com as leis desse mesmo país, que lhe permite, montar estruturas com a dimensão que todos conhecemos, (com vantagens fiscais), e servir-se de um povo a quem se pagam salários miseráveis, e logo, quando se trata do tema fiscal, toca a fazer as malas e a zarpar para montar a sede em espaços fiscais mais vantajosos! Eles lá vão dizendo que uma parte dos impostos, é paga na Holanda, e a outra é paga em Portugal, só que não completam a meia verdade com a outra parte que deixa antever a grande mentira, e o tremendo egoísmo desta gente! É que não esqueçamos, que a outra parte da holding na Holanda, pertence também à família Soares! A conclusão final é óbvia!

António Marujo disse...

Não costumo entrar nestes debates, desta vez faço-o porque fui um dos que assinou a carta a protestar pelo facto de um instituto da Universidade Católica ter decidido atribui um prémio ao sr. Alexandre Soares dos Santos. Digo apenas o seguinte:
- quem quiser e tiver paciência para tal, pode ver uma entrevista-debate aqui:
https://www.youtube.com/watch?v=3-mODd2Lahw

no programa, aquele sr. defende, entre outras coisas, que tudo (empresas, bancos, serviços públicos) deveria funcionar sete dias por semana, trabalhando as pessoas cinco dias; gostava de compreender como é que os casais poderiam fazer para poder ter dois dias de folga por semana; e como é que a Igreja Católica ou as suas instituições vêem esta regressão de deixar de haver um dia de descanso semanal universal...

outra ideia do sr. Soares dos Santos (nisso acompanhado por esse guru do neoliberalismo à portuguesa que é o sr. Medina Carreira) é a crítica aos tribunais e, em concreto, ao Tribunal Constitucional; para estes senhores, o primado da lei e a separação de poderes (coisas básicas da democracia) são com certeza uma grande maçada...

Para que fique claro: não está em causa a boa vontade da pessoa ou a sua generosidade. Está em causa que um prémio da Universidade Católica deveria privilegiar outros critérios, numa altura em que o Papa diz o que diz e já depois de Bento XVI ter escrito que é preciso que o sistema financeiro seja completamente repensado.

Duas notas à margem: 1) para o comentário do António Jorge: eu também gostava de poder pagar os meus impostos na Holanda, fosse para não ter dupla tributação, fosse para escolher onde administram melhor o meu dinheiro;
2) para os comentários anónimos e insultuosos (o "parvalhão" e o "despótico, hipócrita, petulante"; é profundamente lamentável que uma pessoa se refugie no insulto em fez de debater ideias; e se é alguém que se assume como cristão, pior ainda.
António Marujo

António Marujo disse...

em vez de debater ideias - queria eu dizer no último parágrafo.

Jorge Pires Ferreira disse...

Miguel, está a dar-me uma novidade ao dizer que

"há uma incompatibilidade total da Doutrina Social da Igreja com o liberalismo capitalista! São campos completamente irreconciliáveis, como o são o factor lucro e a moral!"

Não sei se há liberalismos (económicos) que não sejam capitalistas (na China há capitalismo de Estado), mas dizer que lucro e moral são irreconciliáveis... Trabalha para quê? Para aquecer?

Tudo depende de como se considera o lucro. Se for objetivo único, com certeza que não. Mas se for um dos objetivos (dispenso-me de falar dos outros, incluindo o aquecer), claro que se reconcilia com a ética cristã. Mais, para a DSI o lucro é também a condição de sustentabilidade da empresa. Digamos que está para a empresa como a respiração para o corpo humano. Se conhecer alguém que viva sem respirar... Mas não me parece que esse seja o objetivo de uma vida.

Por outro lado, aqui há tempos, em Roma, houve um curso de DSI muito credenciado. Quando perguntaram aos formadores onde melhor se vivia a DSI nas empresas, responderam: Na Alemanha e... nos Estados Unidos.

Miguel disse...

Jorge, pode existir ainda alguma dúvida, sobre as “bondades” do capitalismo selvagem que encontra a sua expressão máxima na via ultra liberalista?! Será que o Papa Francisco anda mesmo a delirar quando fala do tema!

É claro que o trabalho dignifica o ser humano, mas pode alguma vez a ética reconciliar-se com a exploração, os ritmos alucinantes e escravizantes, que secam tudo à sua volta, fazendo do trabalhador uma peça descartável! E as empresas, que nessas deslocalizações, se transformaram em nómadas fugitivas, vagueando ao sabor dos interesses do capital e do lucro nessas engenharias manhosas que fintam o fisco, e que até vão “respirando”, e engordando felizes, enquanto rapinam e sufocam até ao tutano, as sociedades mais fragilizadas, e por isso dispostas a trabalhar horas a mais, em troca de um “prato de arroz” … Olhe que para comer esse “prato de arroz” não precisa de viajar para a Ásia. Ele serve-se mesmo ali no seu bairro com sabores a salários de miséria!

Das “credenciais” e dos “formadores”, … lol…. essas credenciais devem estar tão cotizadas na praça da DSI, como está o outro escrivão mor dos reinos das cruzadas liberais o nosso beato César das Neves, douta figura e mestre fiel, das oficinas da numismática engraxadora do capital liberal! Se for com tais credenciais, não vale o preço de bilhete de avião para Roma, por aqui faz-se mais barato, ainda por cima, se esse curso da DSI for patrocinado por um desses santos liberais benfeitores! Alemanha e Estados Unidos! Esta santa gente ensandeceu de vez!

Miguel disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Miguel disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Miguel disse...

De facto, relendo algumas dessas encíclicas sobre a DSI, (este post pelo menos teve esse lado positivo a título pessoal!), vamo-nos dando conta das fragilidades da DSI, povoada aqui e acolá, de “pequenins” “brechas”, a “convidar” à tentação da manipulação dessas escolas que ensinam e defendem o sistema económico liberal! Não sei não, caro Jorge, se será algum exagero, afirmar, que a própria Igreja acaba por entrar em contradições, ao tentar estar de bem com os dois “lados”, embora seja notória na DSI, a insistência do “primado do homem sobre todas as coisas….” (rematando de forma esclarecedora!) “E tudo aquilo que está contido no conceito de « capital », num sentido restrito do termo, é somente um conjunto de coisas.” LABOREM EXERCENS, 12

Enfim… também não sei porque é que nos espantamos com tais “contradições…! Depois de tanta promiscuidade, que persiste e resiste no tempo, entre esses sistemas e a Igreja, tudo o resto passa a ser “feijões”! E eles lá vão insistindo e pregando: “Ninguém pode servir a dois senhores…” Mt 6,24…

Bom, como dizia o venerável PAPA LEÃO XIII, resignemo-nos em paz e na confiança que nos inspira a madre santa:

“O primeiro princípio a pôr em evidência é que o homem deve aceitar com paciência a sua condição: é impossível que na sociedade civil todos sejam elevados ao mesmo nível. É, sem dúvida, isto o que desejam os Socialistas; mas contra a natureza todos os esforços são vãos.” RERUM NOVARUM 9.

E pensava eu, ter nascido sem nada a cobrir o corpo, nem sequer um nome, como todo o ser humano meu companheiro na raça humana, como manda a santa natureza!

Miguel disse...

...contra a natureza dos "chicos espertos"... pois, "numa terra de cegos, quem tem olho é rei"...

Para quando a primeira cardeal?

É inovação do Papa a nomeação de cardeal de um bispo auxiliar? O Papa Francisco disse no domingo que vai fazer cinco novos cardeais. Um de...