terça-feira, 3 de setembro de 2013

As indulgências, outra vez


No JN de hoje. Nunca percebo esta teologia das indulgências (repito-me, eu sei), mesmo que digam que a notícia não está bem feita, que omite isto e aquilo, que o documento diz mais não sei o quê, ou que a indulgência só vale para quem fizer mais uma série de coisas (a confissão entre elas). Neste último caso, a indulgência será inútil, o que está a montante é o que interessa. A indulgência será só uma declaração. É o que é. Resquícios medievais e renascentistas que teimam em não desaparecer. E razão terá o P.e Mário da Lixa. É marketing. Do foleiro.

5 comentários:

Anónimo disse...


Grande homem, o Padre Mário. Teve a coragem ao denunciar publicamente a idolatria e o comércio religioso que grassam em Fátima. Uma autêntica Babilónia. Igreja Católica, por onde andas tu... que veredas trilhas...

Euro2cent disse...

Eu, só de ver o ódio que os protestantes babam às indulgencias há quinhentos anos, fico a favor das mesmas.

Posso não perceber muito bem o alcance, mas se aquelas bestas são contra, eu sou a favor.

Nem que seja para os chatear, que bem merecem.

Anónimo disse...

Sim, estas questões são um pouco ultrapassadas, mas vir com o Mário da Lixa. Tenham dó por favor! Cromos compram-se nas papelarias.

Jorge Pires Ferreira disse...

Caro Euro2cent,

pois em mim, sempre que ouço falar de indulgências, cresce a admiração pelos protestantes. Tantos séculos passados e parece-me que não aprendemos as devidas lições. Neste ponto ele tinham razão.

maria disse...

de acordo.

Os dois maiores erros da história de Portugal

António Rendas, reitor da Universidade Nova (de partida) e durante dez anos reitor dos reitores portugueses, diz que "expulsar os judeu...