terça-feira, 3 de setembro de 2013

Tarcisio Bertone era um yes-man. Mas podia não ser?

Com a saída de D. Bertone da chefia da Secretaria de Estado, ouve-se dizer que ele era um “yes-man”. Marco Politi escreve no "Il Fatto Quotidiano": “O Papa Ratzinger conhecia os seus limites, mas, sentindo-o em total sintonia com os seus próprios desejos e sabendo que ele nunca assumiria uma posição de crítica contra ele (dos papéis do Wikileaks, vem à tona que a diplomacia vaticana considerava Bertone como um "yes-man" ao extremo do pontífice), sempre quis defendê-lo” (lido aqui).

Mas a questão é: na Igreja católica pode haver inferiores na hierarquia ordenada que não sejam “yes-men”? Só conheço duas respostas e ambas começam por n. Não e nunca. Isto não é uma crítica. É o reconhecimento de aspetos constitutivos de um sacramento que se chama precisamente "ordem".

3 comentários:

Anónimo disse...

Por vezes esquecemo-nos que a Igreja não é um governo nem uma empresa, mas que o serviço ministerial procura (ou deveria procurar, acima de tudo e antes de tudo) a docilidade ao Espírito. Por vezes, desclassificamos a essência da identidade do que nos faz cristãos como «naïve», loucura, ou ilusão. Mas se não somos isso, não somos nada mais nem nada menos do que todos, e, então, nada somos. Porque ou somos sal ou, enquanto cristãos, servimos apenas para deitar fora.
PVG

maria disse...

infelizmente assim é. e quando não é é o cabo dos trabalhos. mas não é comum das instituições manterem a todo o custo o status quo?

Fernando disse...

Não, não é assim. Fala quem não sabe. Pode-se sempre dizer "não" quando há motivos de consciÊncia bem fundamentados. Fi-lo diversas vezes na minha vida e nunca -- nunca -- fui prejudicado por isso. Se alguém prejudicou alguém por ter ouvido um "não", esse é que não sabe o que é o sacramento da "ordem".

Para quando a primeira cardeal?

É inovação do Papa a nomeação de cardeal de um bispo auxiliar? O Papa Francisco disse no domingo que vai fazer cinco novos cardeais. Um de...