quinta-feira, 4 de abril de 2013

Tradição e mudança


O meu papel - se é que existe - consistirá sem dúvida em ser testemunha da Tradição no meio da mudança; sendo a Tradição completamente outra coisa que uma afirmação mecânica e repetitiva do passado: ela é presença ativa de um princípio a toda a sua história.

Yves Congar

1 comentário:

Anónimo disse...

Tradição e mudança são uma temática bem interessante. Pessoalmente, longe de me considerar um tradicionalista empedernido, nunca assisti por ex a nenhuma missa tridentina (nunca calhou), fico no entanto chocado quando por exemplo caíram em cima de Bento XVI, só por liberar essa possibilidade (descobri há tempos numa entrevista a L. Boff q ele próprio teria alguma nostalgia de alguns aspectos litúrgicos do passado). Acontece-me quando estou ao pé de um extremo me tornar defensor do outro e vice versa. A minha maior proximidade ao conservadorismo, talvez por uma questão sentimental (nunca tive más experiências e nunca estive mt perto dos mais radicais) não me impede de assumir a necessidade de alguma desistalacao e desligamento de coisas secundárias, que no limite e no exagero levam claramente ao descentramento do essencial e a algum farisaismo. Claramente o Papa Francisco, sem apresentar alterações substânciais, mas num registo diferente e com muito amor e muito jeito vem obrigar a que muitos de nós façamos desde já um esforço nesse sentido e eu acho que apenas uma pequeníssima minoria se vai manter inabalável na sua fortaleza. Será interessante verificar o que se vai passar...
Saudações
Jacome

Lucas 15, a esquerda e a direita

Tem piada o artigo de Inês Teotónio Pereira, "A esquerda que queremos ser", no DN de ontem. "Somos [os da direita] aquele i...