terça-feira, 22 de janeiro de 2013

Que significado tem ser feliz sem os outros?

Para estarmos seguros de não ter falhado a nossa vida, bastam três coisas: em primeiro lugar, ver de que sofrem os outros; depois, porque sofrem os outros, e após tal olhar corajoso, saber ouvir o silêncio. O silêncio que pode fazer nascer em nós o pensamento: que significado tem ser feliz sem os outros?

Abbé Pierre em 1987. Este padre morreu faz hoje seis anos.

3 comentários:

Peter disse...

Amigo Jorge, nenhum, e só pode ter algum significado para aqueles que não sendo felizes por uma qualquer outra razão que ainda não consegui perceber totalmente, impedem os outros de o ser, nem que para isso tenham que esgrimir todas as armas da intolerância e do orgulho, mesmo até aquele que tem a ver com o espiritual! Não existe pior espírito nem terreno mais fértil para impedir o caminho para a felicidade total, como aquele que impede debaixo muitas vezes de uma capa de bondades, que o terreno da busca de Deus seja novamente arado pelo outro que caminha como homem ou mulher que é tão humano e falível como o outro, lado a lado na Fé, para usufruir no coração de novas colheitas, tudo porque alguém julgou e decidiu que sobre Deus e as coisas da espiritualidade já não há mais nada a acrescentar nem a aprofundar porque as verdades já estão todas ditas, esclarecidas e definidas! Por alguma razão somos, os cristãos, tão acusados de parecer tão pouco redimidos e alegres! E depois andamos a organizar e a decretar semanas de orações pelas vocações etc..etc… como se os jovens de hoje não tivessem olhos para ver e razão para discernir .. e andam por ai tanta gente a dizer que à crise de vocações… pudera, quem deseja ser infeliz! Quem deseja que lhe aprisionem a liberdade de pensar por si e de viver sem espartilhamentos a vida do Evangelho total! Mudem as coisas e vivam o Evangelho genuíno e logo verão se há ou não há vocações e gente disposta a dar a sua vida.. até lá vamos definhando nos lamentos de um povo que pede e mendiga a um Pai que nos quer dar tudo, até o seu próprio Filho…! Bem dizia o saudoso Mahatma Gandhi:


““Não conheço ninguém que tenha feito mais para a humanidade do que Jesus. De fato, não há nada de errado no cristianismo. O problema são vocês, cristãos. Vocês nem começaram a viver segundo os seus próprios ensinos.”


Felizmente que ainda há muita gente dentro e fora da Igreja que vive e tenta viver como Jesus viveu, mas esses quase sempre estão escondidos, porque quem ama, não anda por ai nos palcos da vida a passear-se, a sua morada é o silêncio de Deus…!

Anónimo disse...

Que alegria pode haver com os outros quando a minha fé, que ou é comunitária ou não é fé, não é a deles? Ai. Ups. É melhor apagar isto antes que me acusem de ser intolerante e querer queimar hereges.

Peter disse...

Caro Anónimo 10:53AM – a Fé é sempre fruto de uma escolha e uma decisão individual, posso estar-viver-caminhar em grupo e nem sequer ter algum “pedaço” que seja de Fé! E é na partilha das experiências e caminhos pessoais com Deus que se desenrolam a partir desse dom da Fé que vou recebendo d’Ele, (não é o homem ou a Comunidade que me dão a Fé.. quando muito, podem apontar-me horizontes e abrir pontes…), é que faço caminho com outros que também buscam e recebem esse dom da Fé! È unidos (unidade não é uniformidade), nessa busca que fazemos ACONTECER Comunidade, que é também dom de Deus, não acontece só por causa da vontade dos homens nem de algum programa eclesial ou outro! Pobre de nós se o dom da Fé estivesse dependente de programas, de lugares, da temperatura dos altos e baixos espirituais conformes à média comunitária estabelecida!


Por outro lado, recorde o que aconteceu com os Discípulos no seu caminho de Fé! Será que eles viveram ou tiveram a mesma visão sobre o que era Fé! Mesmo até já no fim da caminhada com o Mestre encontramo-los ainda a um “nível tão elementar” da caminhada da Fé ao pedir a Jesus para lhes mostrar o Pai.. imagine-se! E quantas vezes eles entraram em desacordo sobres aspectos da Fé e às vezes até com alguma “violência” chegando ao ponto de se separarem! Acha que só porque isso aconteceu deixou de acontecer Comunidade, ou eles deixaram de viver a Fé! E já viu algum “pastor” a dar a comida a cada ovelha… ele está ali para guiar, orientar e indicar onde há melhor alimento, mas depois deixa que sejam as ovelhas a alimentar-se por elas próprias…! O Caro acha mesmo que é isso que se tem feito nas Comunidades cristãs…! Por fim, (lamento mas não tenho o dom de sintetizar… alguns dizem que é por causa do “espelho…)…já o disse aqui que a minha Fé não é algo abstracto ou individual… se o fosse não estaria aqui agora a falar consigo nem com ninguém, e nem visitaria estes espaços cristãos, viveria isolado na minha “individualidade” como sou aqui tantas vezes acusado…!


Eu bem tento mas o meu coração não consegue entender embora o deseje fortemente: se os discípulos conseguiram amar-se e viver juntos nas suas diferenças, por que raio nos custa tanto caminhar juntos construindo Comunidade com as nossas diferenças e experiências pessoais que são também dom de Deus! Porque teimamos em matar a alegria dos outros e a nossa própria alegria que é CRISTO CONNOSCO… e que nos pede apenas a razão do Amor e não alguma espécie de inventários morais ou doutrinais que não paramos de executar, como quem anda a tentar convencê-Lo que somos mesmo bons cristãos..! Haja Graça e Misericórdia…!

Para quando a primeira cardeal?

É inovação do Papa a nomeação de cardeal de um bispo auxiliar? O Papa Francisco disse no domingo que vai fazer cinco novos cardeais. Um de...