sexta-feira, 13 de abril de 2012

O verdadeiro cálice de Jesus. Mais um



O arcebispo de Valência foi a Jerusalém entregar uma cópia do Santo Cálice da Última Ceia do Senhor (na imagem). Li aqui.

É sempre muito engraçado este folclore à volta de objetos lendários que de certeza não são nada do que anunciam ser. A seriedade, a celebração, a comitiva, o orgulho, o vidro de proteção… E ninguém se ri pelo meio?

Se Indiana Jones e Dan Brown soubessem que o Graal estava em Valência, como ficava empobrecida a nossa cultura pop...

Ainda que estes objetos falsos possam ser um meio de promoção de fins cristãos, como o apreço pela Eucaristia, os fins não justificam os meios. Prefiro pensar que em matéria de relíquias, todos podemos ter uma que pertenceu a Jesus: a pedra que ele não teve para reclinar a cabeça (na realidade, já houve um medieval a gloriar-se de a possuir).

4 comentários:

Anónimo disse...

Pois é. O humor ao redor destas relíquias é lendário. Apenas um exemplo que conheci, se bem me lembro, no "O Nome da Rosa" de Eco: a Catedral de Colónia tem o crânio de João Baptista quando este tinha 12 anos de idade. Mas há mais: a metade da coluna onde Jesus foi flagelado, e que está em Roma, tem metade do diâmetro da outra metade que está, se bem me lembro, em Jerusalém.

Fernando d'Costa

Anónimo disse...

À igreja católica o que não faltam é mentiras ridículas... INFELIZMENTE!

Fernando Martins disse...

Mas como é que este arcebispo tem tempo para estas coisas? Porquê perder tempo com crendices ridículas?

Fernando Martins

Anónimo disse...

O mais ridículo e triste, é que há muito boa gente que vai nessa conversa. Gente que se vê nas igrejas a benzer-se com o pó das imagens expostas, gente que enche garrafas com água benta para levar para casa... Enfim, muitos ainda estão na Idade Média.

Os dois maiores erros da história de Portugal

António Rendas, reitor da Universidade Nova (de partida) e durante dez anos reitor dos reitores portugueses, diz que "expulsar os judeu...