quinta-feira, 19 de abril de 2012

Golpe de Estado do pagão

Há uma incredulidade que acompanha toda a fé. Uma vez chamei a isso «o golpe de Estado do pagão que levo dentro de mim»: esse momento em que «alguém» se te impõe, dizendo dentro de ti: comporto-me assim porque me dá na real gana e estou-me nas tintas para todas as considerações crentes ou morais contra. Sem apelo possível, nem de considerações racionais nem religiosas. É aquela de «creio em Deus, mas só até aqui, não mais».


González Faus

Sem comentários:

Os dois maiores erros da história de Portugal

António Rendas, reitor da Universidade Nova (de partida) e durante dez anos reitor dos reitores portugueses, diz que "expulsar os judeu...