terça-feira, 17 de abril de 2012

17 de abril de 1521. Lutero comparece na Dieta de Worms, mas não se arrepende


Lutero na Dieta de Worms, gravura da pintura de Anton von Werner (1843-1915), atualmente na Staatsgalerie de Stuttgart (fonte: Wikipédia)



Lutero foi convocado para a Dieta de Worms, que estava a decorrer desde 28 de janeiro de 1521 (até 25 de maio) e comparece no dia 16 de abril. Nesse dia, perguntam-lhe se repudia os seus livros e os erros que contêm. Lutero pede um tempo para pensar e responde no dia seguinte:
"Que se me convençam mediante testemunho das Escrituras e claros argumentos da razão, porque não acredito nem no Papa nem nos concílios, já que está provado amiúde que estão errados, contradizendo-se a si mesmos - pelos textos da Sagrada Escritura que citei, estou submetido a minha consciência e unido à palavra de Deus. Por isto, não posso nem quero retratar-me de nada, porque fazer algo contra a consciência não é seguro nem saudável.(…) Não posso fazer outra coisa, esta é a minha posição. Que Deus me ajude!"
A Dieta de Worms, convocada por Carlos V, foi a última oportunidade para Lutero se reconciliar com Roma, depois de ter queimado a bula “Exsurge Domine”, de Leão X (a bula é de 15 de junho de 1510; a queima foi a 10 dezembro desse ano) e da excomunhão a 3 de janeiro de 1521 (bula "Decet Romanum Pontificem").

2 comentários:

Anónimo disse...

É irónico ver como Lutero, errado em tanto (como lhe foi demonstrado), acusou a Igreja de estar errada (que até estava em algumas coisas). Fechou os ouvidos à verdade. Triste. Um pouco mais de humildade, de ambos os lados, teria solucionado tudo.

Fernando d'Costa

Alexandre Carvalho disse...

E a FSSPX se arrependeu? datas coincidentes?

Chegou a resposta positiva dos Lefebvrianos

http://www.salvemaliturgia.com/2012/04/chegou-resposta-positiva-dos.html?utm_source=feedburner&utm_medium=feed&utm_campaign=Feed%3A+salvem+%28Salvem+a+Liturgia%21%29

Lucas 15, a esquerda e a direita

Tem piada o artigo de Inês Teotónio Pereira, "A esquerda que queremos ser", no DN de ontem. "Somos [os da direita] aquele i...