quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

Não temer os confrontos internos

É bom não esquecermos as confrontações que Paulo teve por causa disso mesmo [divulgação da Boa Nova] com os apóstolos, e as dificuldades que tiveram que superar, nos seus começos, a mensagem de Jesus e a própria Igreja. Comparados com tudo isto, os confrontos que se seguiram ao Vaticano II não passam de dificuldades envoltas numa luz suave. À coragem que, naquele tempo, tiveram os apóstolos se deve o florescimento e a difusão da Igreja. É dessa coragem que hoje precisamos. Não podemos retroceder perante as dificuldades; temos é de avançar e de permanecer em diálogo com toda a gente.

Carlo Maria Martini, "Colóquios nocturnos em Jerusalém", pág. 147.

2 comentários:

Rui Almeida disse...

Comprei e ando a ler este livro, por causa dos excertos q tem vindo aqui a publicar. Estou a gostar muito do desassombro aliado à lucidez (q não são novidade para mim) do Cardeal Martini.
Mas não consigo alhear-me da falta de cuidado da edição. Gralhas, lapsos de tradução, ausência total de revisão. Infelizmente as editoras católicas entre nós ainda têm esta mancha entranhada na maior parte dos casos. E, obviamente, nota-se mais quando são obras com maior interesse.

HD disse...

Onde posso encontrar este livro?

HDias

Semana dos Seminários

Parece que se dizem agnósticos (ou o mais conhecido deles). Mas a simbologia católica (sim, mais católica do que simplesmente protestante ou...