terça-feira, 7 de novembro de 2017

O fervor religioso da Web Summit

João Miguel Tavares, no Público de hoje, diz que a Web Summit desperta

“fervor religioso”.

E que os bilhetes são caros e alguns mesmo muito caros, talvez porque quanto mais caro for o bilhete,

“mais perto o feliz proprietário poderá estar do seu herói tecnológico – quem sabe até tocar-lhe no manto, à espera de um milagre digital”.

Diz ainda que

“a Web Summit é a Igreja Universal do Reino da Tecnologia, e Cosgrave o seu pastor”.

E, for fim, que



“a Web Summit vende sonhos mas não faz milagres”.

Se calhar, no seu texto falou mais de religião do que  o apresentador da plataforma digital ‘Click to Pray’, criada pelo Apostolado de Oração em Portugal e que hoje também está na Web Summit.

Uma explicação. Aquela referência ao manto tem a ver com a mulher que sofria de hemorragias e pensa "Se ao menos eu tocar na roupa de Jesus, ficarei boa". No meio da multidão, ela consegue, de facto, tocar em Jesus. E fica curada. Jesus sentiu um poder a sair dele, vira-se para a multidão e pergunta:
- Quem é que me tirou o wi-fi?
Marcos 5,25-30

Sem comentários:

"Custa-me tanto olhar para os padres..."

Penso que em Portugal não temos bem a noção da catástrofe que é a pedofilia, não só para as pessoas que a sofreram, mas também para a Igreja...