domingo, 1 de junho de 2014

Liderança bicéfala só no Vaticano

Diz Sócrates, o teólogo (no comentário que faz na RTP):

"Liderança bicéfala só no Vaticano, que tem dois Papas. Só que um está à frente da Igreja e o outro recolhido em oração".

21 comentários:

Anónimo disse...

Confesso que gostei da expressão teólogo. O parolo do Sócrates se tivesse um pouco de vergonha nem aparecia nos ecrãs. Depois poe-se a falar de Bento XVI . Nem se dignou ir a Fátima quando ele cá veio. Um hipócrita ao quadrado. É das coisas mais arrepiantes que vejo: ele a comentar a política nacional e o "desabafos" do Soares".

Anónimo disse...

O homem até pode ter cometido e comete muitos erros, sem dúvida, mas ao lado daqueles que não tiveram a coragem de se suspender a eles próprios, como comentaristas da tv durante o último período eleitoral, em horário nobre, não arredando pé, numa prestação vergonhosa à isenção que deveriam ter, num servilismo arrepiante, àqueles que transformaram, durante todos estes anos, a política nacional num debate quase exclusivamente em torno do carácter de Sócrates, que venha o diabo e escolha! E parece que por aqui os “pesadelos” também se repetem, pelos vistos! Se Sócrates, que terminou por ser usado nesta crise actual como uma cortina de fumo, para servir como justificação a uma agenda ideológica que colocou a nossa pobre nação de rastos e com fome, se ele não tivesse tido a oportunidade de se ter defendido em público, no espaço dos mídia em pé de igualdade como os outros, muitas mentiras que circularam como verdade não teriam vindo ao de cima! Um desafio: se são gente de coragem, que toda essa turma de comentaristas avençados saídos das madraças partidárias, aceite sem condições, o contraditório em directo e no momento, incluindo Sócrates! Pois, chama-lhe demagogias! Os “papagaios” das madraças, que cantam em gaiolas douradas oferecidas pelas tvs privadas, (os donos destas até são uns desconhecidos!) perdiam rapidamente o pio!

Anónimo disse...

Era para ter começado o comentário anterior assim, mas saltei! Vai a tempo, nem que seja só para acordar dos pesadelos o Anónimo 11:46 da manhã:

Alguém escreveu:

“Ainda anda por aí muita gente a ter pesadelos com Sócrates debaixo da cama, mas mesmo depois de terem colocado o colchão no chão, não resultou, pois passaram a sonhar com ele no teto.”!

Anónimo disse...

Focalizando-me agora no post!

Caro Jorge, de facto, existem ali dois papas, ou trata-se de alguma inverdade?! Um, possuí, dizem as teologias, a infalibilidade total para decidir e agir sobre outros iguais, como um deus, o outro, que até continua sendo Papa, não percebo onde arrumaram a infalibilidade dele, não se fala mais do assunto! Agora não compreendo, é o que anda a fazer aquele secretário particular, o Georg Gänswein, de um lado para o outro, logo ele, que como saberá, foi nomeado bispo e arcebispo e ainda por cima foi promovido a chefe da Casa Pontifícia!

Anónimo disse...

Vir para aqui defender Sócrates depois do estado em que ele deixou o país só pode ser gozo.

Jorge Pires Ferreira disse...

para o das 1:50.
Há um Bispo de Roma e um Bispo de Roma emérito (ou bispo emérito de Roma, como outros preferem). O mesmo se passa em muitas, milhares?, de dioceses - e não se trata de liderança bicéfala. O Papa infalível? Toda a gente é infalível quando diz a verdade.

Anónimo disse...

A ver vamos onde fica no meio desse seu "desvio" o(s) Papa(s), ó Jorge, pois parece-me que o tema que transcreveu aqui do “teólogo” Sócrates, refere-se a dois papas e não dois Bispos! Quando se fala de “papas”, estamos a falar de poderes diferentes dos bispos! E a “Igreja” que refere Sócrates, na realidade, não se resume ao espaço do Vaticano, sobretudo quando se aborda o tema “poder”!

Anónimo disse...

3:30 da tarde, primeiro um esclarecimento que julgo necessário: não sou hóspede, e muito menos discípulo de nenhuma dessas madraças partidárias! As minhas escolhas sempre foram dirigidas a pessoas e não a cores políticas! Só respondi antes, (abomino a politica) porque não quero, com o meu silêncio, ser cúmplice da maldade humana! Agora feito o esclarecimento vamos ao seu comentário!

Meu caro, não estou a “defender” ninguém, mas apenas a ser coerente, essa coerência que é algo com que alguns parecem ter muita dificuldade em conviver, e como se isso não basta-se, não hesitam em aproveitar-se de um espaço e de um post para lançar insultos e denegrir pessoas ausentes! Note que o tema lançado era uma frase atribuída a Sócrates sobre Papas e poder, e não a pessoa de Sócrates, que aqui foi alvo de um ataque ad hominem ignóbil!

1º O Anónimo das 11:46 da manhã, parece-me que ainda não percebeu (ou não quer perceber) que o 1º ministro de então, Sócrates, era ministro de uma nação que defende o princípio da separação entre Estado e confissões religiosas, consagrado na sua Constituição!

2º O Anónimo das 11:46 da manhã, não sabe (ou não quer saber), que Fátima, pelo seu simbolismo religioso, é um espaço católico por excelência, não é um terreno neutro na questão levantada! A razão nuclear da presença do Papa ali, prende-se com o seu estatuto como chefe da Igreja, e não como chefe de um estado!

Mais coerência que aquela que teve Sócrates! Incoerente e “hipócrita” seria, se ele actua-se de outra forma!

Sobre a sua questão: “do estado em que ele deixou o país”! Julgo que é inútil entramos por esse caminho, e muito menos num espaço destes! Sobram números e abundam exemplos oficiais, (não é tiros demagógicos como alguns gostam de fazer para lançar fumaça nos momentos convenientes!), FACTOS, isso é que conta, para perceber com honestidade quem é quem, e o que fez e deixou no País de ontem e de hoje na verdade crua dos factos! A partir daqui, podemos partir então para as comparações! Mas como disse, não é o lugar indicado para o fazer! Passe bem!

Anónimo disse...

" uma nação que defende o princípio da separação entre Estado e confissões religiosas, consagrado na sua Constituição".
Tem a certeza que a nação defende mesmo esse princípio ó 6:04 da tarde?
Então, por favor, explique lá a Concordata e os chorudos benefícios que através dela o Estado concede a UMA SÓ Igreja!!!

Anónimo disse...

Anónimo da7:44, lamento profundamente, e “ dou a mão à palmatória” nas minhas “imprecisões”, que como deve ter percebido, não foram deliberadas! Realmente, que posso eu dizer-lhe, quando a Constituição não é respeitada nestes e outros temas, por aqueles que a deveria fazer respeitar e cumprir! Também não são melhores e não estão inocentes, aqueles que a conhecendo, (alguns desses até se definem e intitulam-se a si próprios como guardiões da moral e da verdade!), mas que não deixam de aproveitar-se da sua posição e poder, para impor a sua vontade, ainda que defendo-se depois, com os outros, que eles é que lhes concederam tais privilégios, (que violam princípios básicos da lei-mãe da nação), numa espécie de quem sacode o capote! Mas eles não os negam nem os questionam, e recebem-nos de bom grado, (como se o ladrão que fica na porta não fosse tão ladrão como o que entra na casa a roubar!) Enfim… aqui fica a minha correcção e a vergonha que sinto por este “cancro” continuar a corroer e a matar cada vez mais a Igreja, onde também faço o meu caminho, e onde luto pela verdade junto a tantos outros! Cumpts.

Anónimo disse...

Não retiro uma vírgula. Sócrates o teólogo - hipocrisia pura. Ainda bem que saiu do poder. Onde estaríamos nós...

Anónimo disse...

Não retiro uma vírgula. Sócrates o teólogo - hipocrisia pura. Ainda bem que saiu do poder. Onde estaríamos nós...

Anónimo disse...

Não retiro uma vírgula. Sócrates o teólogo - hipocrisia pura. Ainda bem que saiu do poder. Onde estaríamos nós...

Anónimo disse...

Constato, com algum espanto, que tendes em muito boa conta os teólogos! Saído de quem saiu, e sobretudo de quem o repete até à exaustão aqui,(3x, tal designação é até um “elogio” à pessoa visada! E julgava eu estar a ser muto duro para as gentes que enveredam pelos carreirismos espirituais!

Reportando-me às hipocrisias e aos hipócritas, custa-me voltar atrás na minha palavra, mas a verdade assim o exige! Vamos então aos factos, (é só um cheirinho e uma fatia do “bolo”, para não ter que encher isto com analgésicos!), vamos à dureza dos factos, assim eles não darão espaço a demagogias, com eles esclareceremos um pouco sobre “Onde estaríamos nós...” ou, melhor dizendo, onde realmente estamos nós agora:

"Nos últimos 30 anos, a despesa pública aumentou de 29% para 45% do PIB. Um aumento do peso do Estado na economia de 16,3 pontos percentuais, dos quais 12,1 p.p. (75%) aconteceram em governos liderados pelo PSD e apenas 4,2 em governos PS."
Manuel Caldeira Cabral. em
www.jornaldenegocios.pt/opiniao/detalhe/afinal_quem_aumentou_a_despesa_puacuteblica.html

“Sendo o PSD o partido à direita, esperaríamos que o crescimento do Estado fosse mais moderado quando está no poder. Mas os dados revelam uma realidade surpreendente. Quando o PSD está no poder, o mostro cresce em média 0,35% por ano, enquanto quando é o PS no poder a despesa cresce apenas 0,25% por ano.”
Ricardo Reis em www1.ionline.pt/conteudo/15524-o-consumo-publico-em-portugal-um-olhar-1985

Anónimo disse...

Correcção:

O último link, por alguma “razão”, (estratégias!), não se dirige ao conteúdo indicado que escreveu Ricardo Reis, deixo pois este novo link:

http://www.sedes.pt/blog/?p=1334

Ricardo Reis: Professor of Economics (Columbia University), Research Associate (National Bureau of Economic Research), Research Fellow (Centre for Economic Policy Research).

(http://www.columbia.edu/~rr2572/)

Anónimo disse...

Anónimo das 7:44 da tarde, a concordata entre o estado português e o estado do Vaticano, não concede benefícios á igreja católica, apenas é uma forma do estado português ressarcir a igreja católica pelos bens espoliados. Na revolução liberal e a 1ª republica por exemplo, o estado português roubou e destruiu muitos bens da igreja católica. Portanto afirmar que o estado concede benefícios á igreja católica é uma INVERDADE, ademais a igreja católica é que beneficia o estado ao prestar serviços ás comunidades ajudando a suprimir as suas necessidades básicas, fazendo aquilo que é uma obrigação social do estado. Neste tempo de crise que está a ser mau para muitas pessoas as obras sociais da igreja têm dado um excelente contributo, doutra forma a situação de muita gente seria pior!

José Pinto

Anónimo disse...

Não Há 2 Papas! Existem sim 2 bispos de Roma, um dos quais é bispo emérito (Bento XVI). Ser papa não é um sacramento, ser papa é uma função inerente ao Bispo de Roma. Um bispo é sempre bispo, pois foi ordenado (sacramento da ordem), um padre é sempre padre, mesmo que deixe de exercer o ministério (para casar por exemplo), porque foi ordenado. Um papa não é sempre papa, pois não é ordenado papa. Repetindo o papado é um cargo (não um sacramento) atribuído ao bispo eleito de Roma.

José pinto

Anónimo disse...

José Pinto, não me espanta os clichés já gastos e reducionistas que nos apresentou! A sua incapacidade crítica e de reflexão é deveras confrangedora, e denuncia facilmente a sua entrega acrítica a uma corrente religiosa, única e oficial! Como se a igreja que diz ter sido espoliada por um determinado poder do momento, o que de facto é uma verdade histórica, não tivesse sido também ela poder durante séculos! Seria interessante também conhecer e perceber a origem, e como chegaram às mãos da igreja, muito desses bens, durante esse período de poder absoluto! Mas avancemos…!

Dizer que o estado, que subvenciona e isenta de impostos (algumas dessas isenções nada têm a ver com espaços que estão directamente ligadas à função da tal dita caridade) tais instituições que exercem a caridade, (esta não é propriedade única dos católicos, muitos outros, muçulmanos até, mesmo organizações não religiosas, também o fazem), afirmar esse benefício a favor do estado, é uma falácia a meio gás, meu caro! Seria interessante também conhecer e perceber, porque razão, espaços, como por exemplo as casas onde habitam os sacerdotes, estão isentas de IMI, ou espaços de formação, ou de culto, como Fátima com todo o seu peso imobiliário (incluindo o das ordens religiosas envolventes) e já agora, porque não, o tema dos rendimentos, muitos deles não declarados, e por aí fora! Ficou por explicar da sua parte esses “detalhes”! (cont…)

Anónimo disse...

2. (continuação….)

Mas vamos ao que mais importa para o tema, (eu sei que é fácil afirmar que se não fosse a igreja, muitos passariam fome, conheço bem esse discurso!), no entanto, gostaria que nos explica-se onde começa e acaba tal caridade, e o que ela tem significado na realidade, para o fim das desigualdades sociais e a promoção da dignidade humana!

Esteja descansado, que não vou entrar no tema das “bondades e sublimidades de tal caridade” e o que elas escondem por detrás desses palcos da generosidade tão apregoada por aí! Estive suficientemente “enterrado” até ao pescoço e coração nesses ambientes, foram largos anos, para perceber bem com que linhas se cozem tais redes da caridade, que dão a sopa e o kilo de arroz, mas comem depois o bife, na privacidade do refúgio das suas consciências, aliviadas pela caridade exercida!

Não esqueço nem quero deixar de sublinhar, (em nome da verdade) dos muitos(as) que dão a sua vida e todo o seu coração generoso e depreendido para o bem do seu semelhante, são esses o verdadeiro milagre diário que acontece na Igreja, no silêncio e no anonimato, sem ruídos nem gramofones da ribalta social que promove a vaidade humana bem ao jeito das jonet’s das caridades! Esses sim, são os que sustentam e transformam a caridade em verdadeiro Amor! A eles (e são muitos), a minha gratidão e o meu respeito!

Anónimo disse...

Verdade José Pinto? A sua Igreja suprime as necessidades básicas das populações fazendo por isso o que compete ao Estado? Que santinha! Então explique lá se for capaz por que raio é que a sua santa Igreja anda enfiada em tudo o que é centro social subsidiado pelo Estado? Já agora explique-nos também esse poço sem fundo que são os vossos santuários onde comem o suor do povinho crédulo e idólatra! Un povo sem conhecimento Espiritual que vos dá tanto jeito para alimentarem a vossa hipócrita santidade!

Anónimo disse...

Esse povo, ó das 9:20 da tarde, não alimenta só a hipocrita santidade, alimesnta muito mais os bolsos ganciosos de alguma gente desta igreja. É vê-los a pavonearam os carrões, os casarões e os fatinhos Armani. Imagino as continhas bancárias!!! Sim, porque esse dinheiro entra mas ninguém passa recibo.
Aquilo dos santuários das nossas senhoras todas que, pasme-se, pedem sempre capelas e que vão lá adorar as estátuas, e deixem lá os sacrifícios. Leia-se e entenda-se dinheiro, claro!
Uma pouca vergonha!!! Nem o bezerro de ouro descrito na Bíblia lhes ganha!
E depois vem para aqui o sr Pinto falar que o Estado roubou a igreja e que por isso está muito bem justificada a santa concordata.
Isso sucedeu, está historicamente comprovado mas, já está pago e repago. Além disso e como já foi aqui referido, será preciso relembrar a que preço a sua santa igreja juntou tantos bens. À custa de quantos sofrimentos de inocentes?

E tem muito peso na sua vida?

Lido hoje no DN . Entrevista a Patrícia Reis (a da revista "Egoísta"). Falámos só do abuso em relação à Sofia mas há outros te...