terça-feira, 26 de novembro de 2013

João Miguel Tavares e o "címbalo que tine"

João Miguel Tavares no "Público" de hoje:

Toda a crítica política séria que
em 2013 não venha acompanhada
de uma alternativa concreta e
praticável é, citando São Paulo,
“como bronze que ressoa ou
como címbalo que tine”. É um
convite ao vazio.

Neste blogue só me interessa a inspiração religiosa da frase. Para conhecer a opinião liberal do cronista, ler aqui.

Sem comentários:

Os dois maiores erros da história de Portugal

António Rendas, reitor da Universidade Nova (de partida) e durante dez anos reitor dos reitores portugueses, diz que "expulsar os judeu...