segunda-feira, 14 de outubro de 2013

Bento Domingues: "O perdoado que não perdoa"

Texto de Bento Domingues no "Público" de ontem.

4 comentários:

Anónimo disse...

"O Vaticano ordenou mesmo que nenhuma igreja aceite fazer um funeral para Priebke, um católico praticante" (oficial nazi)

Jorge,
será isto verdade? como posso confirmá-lo?
Não lhe parece isto pouco conforme à doutrina cristã?

Rui Jardim

Jorge Pires Ferreira disse...

A RTP diz isto:
Agora, o seu advogado, Paolo Giachini, foi notificado pelo cardeal Agostino Vallini de que o papa Francisco proibira todas as igrejas de Roma de celebrarem um funeral religioso para o criminoso nazi. Giachini pediu, em alternativa, uma missa privada, mas também essa lhe foi recusada pelo cardeal, por ordem expressa do papa. Passadas quase sete décadas, a Igreja católica faz por redimir-se do auxílio à fuga de Priebke.

http://www.rtp.pt/noticias/index.php?article=687804&tm=7&layout=121&visual=49


Mas não conheço o caso. Mas acho estranho que se recuse o funeral a alguém (noutros tempos, recusava-se aos divorciados, pro exemplo). Não será ele ateu? Não terá manifestado antes a recusa?

Anónimo disse...


Pois, é possível, mas na notícia do Público diz-se que era um católico praticante.
Quanto ao resto, parece-me que o pecado da cooperação com um sinistro criminoso não fica redimido com esta recusa. Num certo sentido, até fica agravado.

Rui Jardim

Jorge Pires Ferreira disse...

Para aumentar a polémica, os lefebvrianos oferecerem-se para fazer o funeral.

Penso que a notícia da RR esclarece alguns pontos em dúvida:

http://rr.sapo.pt/informacao_detalhe.aspx?fid=29&did=125903

Principalmente este: "Após a sua morte o seu advogado solicitou um enterro católico. A diocese de Roma autorizou a realização de uma cerimónia privada, fora de qualquer Igreja e sem missa, o que o advogado recusou".

Por outro lado, a ação dos lefebvrianos, por muito que argumentem (e mesmo que Priebke não seja antissemita), dificilmente de dissocia de anteriores simpatias antissemitas.

Os dois maiores erros da história de Portugal

António Rendas, reitor da Universidade Nova (de partida) e durante dez anos reitor dos reitores portugueses, diz que "expulsar os judeu...