quarta-feira, 17 de abril de 2013

O Papa não fala do II Concílio do Vaticano?


Há dias um jornalista espanhol (o mesmo que apostou todas as fichas na eleição de Bergoglio) notou que o Papa Francisco não fala do Vaticano II.

“Desde que llegó al solio pontificio, Francisco no citó (ni una sola vez, que yo sepa) el Concilio Vaticano II”, escreveu José Manuel Vidal.

A coisa pode ter muitas leituras. Desde a que afirma que não é necessário falar do que é evidente (a importância do Concílio) até à que diz que quem não é falado não é lembrado. Alguns preferem esta última versão, em geral, os mesmos que notaram que Francisco falou diversas vezes no diabo/demónio logo no arranque do pontificado (uma americano fez disso uma bandeira e só faltou dizer que “nem tudo está perdido”).

José Luis Segovia, director de um instituto pastoral madrilena, interpretou o silêncio franciscano como uma omissão intencional. “Se trata de una omisión intencionada, que busca unir y sumar, sin ahondar en la «piedra» de escándalo en que se ha convertido, para las derechas y las izquierdas eclesiásticas, el Vaticano II” – li no mesmo artigo atrás apontado.

Ontem, se dúvidas havia, Bergoglio desfê-las, alertando para os que resistem à ação do Espírito Santo no Concílio, que no fundo somos todos (“Fizemos tudo o que nos disse o Espírito Santo no Concílio, naquela continuidade do crescimento da Igreja que ele foi? Não”) e para os que olham para o Vaticano II como uma página negra da história eclesial (“Mais: há vozes que querem voltar atrás”).

Francisco não escreveu nenhuma encíclica sobre isto. Foi numa missa, provavelmente sem ler papéis. Li na Ecclesia. Mas se alguém tinha dúvidas, deu para esclarecê-las.

22 comentários:

HD disse...

O Espirito Santo, que nos troca sempre as voltas :)
HDias

Anónimo disse...

"naquela continuidade do crescimento da Igreja que ele foi". Ouviram bem? C-O-N-T-I-N-U-I-D-A-D-E ...

Rui Jardim

Anónimo disse...

Continuidade do CRESCIMENTO !!!! Nada tem a ver com "voltar atrás"
Não é só ouvir.... é ESCUTAR!!!!

Anónimo disse...


O sr. Pires Ferreira acredita mesmo que daqui a, vá, 5 anos as mulheres terão acesso ao sacerdócio?

Teremos casamento homossexual na Igreja?

Teremos o 2º casamento na Igreja?

A pílula e o preservativo passarão a ser aceites?

Os bispos serão eleitos pelas comunidades locais?

Etc, etc, etc...?

É óbvio que não. Então para quê este foguetório?!!

Anónimo disse...

Ó anónimo das 6:31,

onde é que o Vaticano II fala o que você pretende? Não fala, pois não? Ou seja: para si não se trata de implementar o Vaticano II, mas uma qualquer agenda das modas mundanas, não? É só para ver se percebi.

Por outro lado: essa acusação a Francisco revela, mais uma vez, que os ataques mais furiosos ao mesmo não vêm de franjas conservadoras, mas das mais progressistas. Mas nada de referir isto, ok? Chiuuu...

Peter disse...

Anónimo (6:31 PM)… bom, remetendo-nos apenas aos dias em que aqueles pobres irmãos suavam para manter o equilíbrio daquela “Sede Gestatória”, (aquilo devia ser mesmo pesado, nem aqueles grandes leques de penas de avestruz conseguiriam arrefecer os calores ali provocados, safa…)..até aos nossos dias em que o Irmão Francisco se dá à liberdade para sair daquele carro sem vidros blindados e correr a abraçar o povo simples e a beijar crianças, tais mudanças no tempo já carregam em si significados muito fortes… Mas confesso que essa “ideia” dos nossos irmãos “bispos serem eleitos pelas comunidades locais”… muita “Arca de Noé” terá que ser construída, porque muita água ainda vai ter que correr pelos rios dessas “babilónias” da nossa era já em acelerado declínio por esse mundo cristão! Mas que já há alguma luz no túnel, ai isso sim, o nosso Irmão Francisco parece que ultimamente andava de metro e afins… o cheiro da plebe, a tal que o outro apelidava de “piolheira” não o incomodava mesmo nada! Agora falando de “foguetórios”, ai isso meu caro, lá diz o povo e muito acertadamente: “não há fumos sem fogo”… por isso, a viver com calma e a dormir na paz dos anjos, tudo tem um começo e um fim, ou não estivesse aí a extinção da outra Babilónia majestosa com os seus jardins suspensos para atestar o fim de tudo o que está nas antípodas do humilde, do simples e da vida verdadeiramente cristã que se despoja de tudo e está apenas para servir!

Anónimo disse...

Só tereis o segundo casamento. O resto não me parece. Então o casamento homossexual ...

Anónimo disse...



Boa Peter, então deve estar a chegar a altura de eu mandar uma fodas com o assentimento do Papa. É que é já a seguir!...

Anónimo disse...

... para atestar o fim de tudo o que está nas antípodas do humilde, do simples e da vida verdadeiramente cristã que se despoja de tudo e está apenas para servir!

Acho que fui bem claro sobre a "lista" que alguém aqui colocou...

Lamento por todos os que aqui chegam e tb ao Irmão que aqui nos acolhe no seu espaço, pelo testemunho tão sujo e maligno de pessoas que se dizem cristãs católicas.. esperava tudo, mas não que alguém caísse assim tão baixo… tal comportamento só vem demonstrar que é preciso lutar e não baixar os braços em face de tais sombras que só podem ter fundamento e alimentar-se noe spaço do maligno, ainda que vistam roupas de cristãos!

Irnão, não conseguiste provocar alguma ira em mim acredita.. apenas muita tristeza por saber o teu coração habitado por tanta maldade!

Peter


Jorge Pires Ferreira disse...

Há certa linguagem que só suja quem a utiliza. Mesmo que seja anónima tal pessoa. Refiro-me ao das 11h46. Talvez nalguma região do país mesmo as pessoas bem-educadas utilizem tais expressões. Mas não sei que região será.

Não vou apagar o comentário, mesmo que saiba, como já aconteceu, que alguns leitores podem afastar-se deste blogue.

Jorge Pires Ferreira disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Jorge Pires Ferreira disse...

Agora com menos erros.

Em relação ao anónimo das 6H31, como a pergunta é dirigida a mim, apesar de pouco ter a ver com o texto inicial, cá vai a minha opinião, só porque toda a pergunta perece resposta. Mesmo a despropositada.


»»»» O sr. Pires Ferreira acredita mesmo que daqui a, vá, 5 anos as mulheres terão acesso ao sacerdócio?

Sim, acredito que um dia poderão presidir à Eucaristia. Não será certamente dentro de cinco anos. Nem dez. Mas há de acontecer, como consequência e para bem da fé cristã.


»»»» Teremos casamento homossexual na Igreja?


Não me parece. Mas uma mudança de atitude em relação aos homossexuais, que já é assumida em muita pastoral, sim. A união civil, com direitos civis, não me repugna. Eu não condeno os e as homossexuais à solidão e à privação de direitos humanos.


Teremos o 2º casamento na Igreja?

Já o tivemos (primeiros séculos). Os ortodoxos têm-no. Numa ou noutra modalidade, algo tem de acontecer que mude a situação atual. Imaginemos esta situação (é um caso real). Uma mulher, não batizada, casa-se com um divorciado. Têm filhos. Entretanto converte-se. Quer batizar-se, crismar-se, comungar. Das duas uma. Ou deixa o pai dos seus filhos ou não pode ser cristã. E justo?


A pílula e o preservativo passarão a ser aceites?

Já o são em alguns casos. E uma grande maioria de católicos não liga nada ao que a Igreja diz sobre o assunto. Porque será?
Não venha dizer que o mal não deixa de ser mal por causa das estatísticas. Deve saber o que pensam muitos teólogos e bispos sobre o assunto e que o sensus fidelium conta.


Os bispos serão eleitos pelas comunidades locais?

Não sei se eleitos (não posso afirmar com certeza, mas julgo que ainda há dioceses alemãs e suíças que mantêm tal prática), mas certamente tendo em conta sensibilidades locais e o parecer das conferências episcopais - coisa simples que nem sempre acontece.


Então para quê este foguetório?!!

Qual foguetório?

Anónimo disse...

Jorge obrigada pelas reflexões que nos proporciona. São muito úteis. A ignorância não serve ninguém.

Mas, tenho de dizer, apagava sem qualquer problema comentários desrespeitosos. Não servem para nada nem sequer quem os redige. O blogue deve manter-se fiel os seus propósitos.

Anónimo disse...

Concordo com quase tudo o que o Sr. Jorge diz.

Mas relativamente à questão da pílula e do preservativo há uma diferença entre métodos contraceptivos (que acho admissíveis) e actos abortivos, nos quais a pílula se inclui.

Se um dia a Igreja aceitasse métodos abortivos (será isso mesmo que os bispos e teólogos referidos aceitam?) confesso que me custaria muito. E aí, de facto, faria apelo aos sensus fidelium.

Chamar estatísticas para estes assuntos é complicado.

Maria João Brás

Jorge Pires Ferreira disse...

Maria João Brás, julgo que a pílula normal não é abortiva. Evita que se dê a conceção. A do dia seguinte, sim, pode desfazer uma conceção. Em relação a esta última, parece que há diferentes versões, ao ponto de algumas serem aceites em hospitais católicos alemães. Isso foi notícia há três ou quatro semanas. Mas é necessário esclarecer melhor o assunto...

Anónimo disse...

O sr. Pires Ferreira acredita mesmo que daqui a, vá, 5 anos as mulheres terão acesso ao sacerdócio?

Sim, acredito que um dia poderão presidir à Eucaristia. Não será certamente dentro de cinco anos. Nem dez. Mas há de acontecer, como consequência e para bem da fé cristã.

Pois, um dia haverá amanhãs que cantam!


»»»» Teremos casamento homossexual na Igreja?


Não me parece. Mas uma mudança de atitude em relação aos homossexuais, que já é assumida em muita pastoral, sim. A união civil, com direitos civis, não me repugna. Eu não condeno os e as homossexuais à solidão e à privação de direitos humanos.

Ou seja, não.

Teremos o 2º casamento na Igreja?

Já o tivemos (primeiros séculos). Os ortodoxos têm-no. Numa ou noutra modalidade, algo tem de acontecer que mude a situação atual. Imaginemos esta situação (é um caso real). Uma mulher, não batizada, casa-se com um divorciado. Têm filhos. Entretanto converte-se. Quer batizar-se, crismar-se, comungar. Das duas uma. Ou deixa o pai dos seus filhos ou não pode ser cristã. E justo?

Grande confusão que aí vai.

A resposta é não.


A pílula e o preservativo passarão a ser aceites?

Já o são em alguns casos. E uma grande maioria de católicos não liga nada ao que a Igreja diz sobre o assunto. Porque será?
Não venha dizer que o mal não deixa de ser mal por causa das estatísticas. Deve saber o que pensam muitos teólogos e bispos sobre o assunto e que o sensus fidelium conta.

Também aqui será um rotundo não.


Os bispos serão eleitos pelas comunidades locais?

Não sei se eleitos (não posso afirmar com certeza, mas julgo que ainda há dioceses alemãs e suíças que mantêm tal prática), mas certamente tendo em conta sensibilidades locais e o parecer das conferências episcopais - coisa simples que nem sempre acontece.


Conversa...conversa.


Conclusão: Nem o senhor acredita que o Papa Francisco vá mudar, mudar a sério, alguma destas coisas. Terá que fazer com Francisco o mesmo que os progressistas fazem com João XXIII: gostar dele pelo que ele nunca foi. Triste e retorcido destino...



Jorge Pires Ferreira disse...

Ó amigo!

Você pensa que eu tenho esperanças em Francisco. Tenho tantas ou tão poucas como tinha em Bento XVI. Nenhumas, na realidade. Não é no Papa que ponho as minhas esperanças.

Ele, o Papa, pode promover, indicar e até impor mudanças. Mas a Igreja é que tem de as protagonizar. Por isso é que as minhas esperanças não muitas. Mas não no Papa.

Julgo que olha para mim - ou para o blogue, melhor - com ideias feitas, mas isso é lá consigo.

Jorge Pires Ferreira disse...

Por isso é que as minhas esperanças são muitas. Mas não no Papa.

Peter disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Peter disse...

Às vezes, quando leio-encontro aqui certos comentários, parece que entrei naquelas comunidades dos “Amish”, como todo o respeito por esses irmãos! Pela visão e vontade aqui expressa de alguns, a vida cristã e os cristãos centralizar-se-ia numa espécie de comunidade rural como aquela, mas esta com traços ainda mais profundos de paragem no tempo! É como se toda a família cristã tão rica em diversidade e em caminhos abertos a todos, sejam eles gente de fé ou não, rodasse toda ela à volta de uma espécie de totem dourado, e todos se tivessem refugiado numa daquelas casas de pedra ao jeito daquela série animada dos “PicaPiedra”, nessa despersonalização empedrada do SER…! Para tais almas nas suas convicções infalíveis sobre a impossibilidade das mudanças no Caminho da Fé, a sua contemplação sobre a Igreja ideal, resume-se a colocar todos os filhos(as) de Deus numa dessas quintas a partir pedra eternamente! Triste e pedrado destino nos querem impor tais almas! Ainda bem, como diz o amigo Jorge, a nossa confiança e esperança não está dependente dos homens!

Anónimo disse...

Os piores insultos não são de quem diz "foda" (pois todos vêem o que está perante os olhos), mas dos pseudo-profetas que estigmatizam todos os que não pensam como eles.

Anónimo disse...

Anónimo (6:59) ...nota-se quem anda aqui a “estigmatizar” quem…! E essa tal “lista” reformulada e aprovada pela opinião de alguém, é só um resíduo dessa estigmatização que alguns na sua miopia espiritual não querem ou não desejam ver..! Pois, continue a atirar areia para o ar… ou melhor, a lançar foguetes para que o “foguetório” nunca se extinga!

Peter

Lucas 15, a esquerda e a direita

Tem piada o artigo de Inês Teotónio Pereira, "A esquerda que queremos ser", no DN de ontem. "Somos [os da direita] aquele i...