sexta-feira, 15 de março de 2013

Análise de Leonardo Boff: "O Papa Francisco, chamado a restaurar a Igreja"

Opinião do ex-franciscano Leonardo Boff sobre o Papa Francisco. Copiada daqui.

Nas redes sociais havia anunciado que o futuro Papa iria se chamar Francisco. E não me enganei. Por que Francisco? Porque São Francisco começou sua conversão ao ouvir o Crucifixo da capelinha de São Damião lhe dizer: "Francisco, vai e restaura a minha casa; olhe que ela está em ruinas”(S.Boaventura, Legenda Maior II,1).


Francisco tomou ao pé da letra estas palavras e reconstruíu a igrejinha da Porciúncula que existe ainda em Assis dentro de uma imensa catedral. Depois entendeu que se tratava de algo espiritual: restaurar a “Igreja que Cristo resgatara com seu sangue”(op.cit). Foi então que começou seu movimento de renovação da Igreja que era presidida pelo Papa mais poderoso da história, Inocêncio III. Começou morando com os hansenianos e de braço com um deles ia pelos caminhos pregando o evangelho em língua popular e não em latim.

É bom que se saiba que Francisco nunca foi padre mas apenas leigo. Só no final da vida, quando os Papas proibiram que os leigos pregassem, aceitou ser diácono à condição de não receber nenhuma remuneração pelo cargo.

Por que o Card. Jorge Mario Bergoglio escolheu o nome de Francisco? A meu ver foi exatamente porque se deu conta de que a Igreja, está em ruinas pela desmoralização dos vários escândalos  que atingiram o que ela tinha de mais precioso: a moralidade e a credibilidade.

Francisco não é um nome. É um projeto de Igreja, pobre, simples, evangélica e destituída de todo o poder. É uma Igreja que anda pelos caminhos, junto com os últimos; que cria as primeiras comunidades de irmãos que rezam o breviário debaixo de árvores junto com os passarinhos. É uma Igreja ecológica que chama a todos os seres com a doce palavra de “irmãos e irmãs”. Francisco se mostrou obediente à Igreja dos Papas e, ao mesmo tempo, seguiu seu próprio caminho com o evangelho da pobreza na mão. Escreveu o então teólogo Joseph Ratzinger: ”O não de Francisco àquele tipo de Igreja não poderia ser mais radical, é o que chamaríamos de protesto profético”(em Zeit Jesu, Herder 1970, 269). Ele não fala, simplesmente inaugura o novo.

Creio que o Papa Francisco tem em mente uma Igreja assim, fora dos palácios e dos símbolos do poder. Mostrou-o ao aparecer em público. Normalmente os Papas e Ratizinger principalmente punham sobre os ombros a mozeta aquela capinha, cheia de brocados e ouro que só os imperadores podiam usar. O Papa Francisco veio simplesmente vestido de branco e com a cruz de bispo. Três pontos são de ressaltar em sua fala e são de grande significação simbólica.

O primeiro: disse que quer “presidir na caridade”. Isso desde a Reforma e nos melhores teólogos do ecumenismo era cobrado. O Papa não deve presidir com como um monarca absoluto, revestido de poder sagrado como o prevê o direito canônico. Segundo Jesus, deve presidir no amor e fortalecer a fé dos irmãos e irmãs.

O segundo: deu centralidade ao Povo de Deus, tão realçada pelo Vaticano II e posta de lado pelos dois Papas anteriores em favor da Hierarquia. O Papa Francisco, humildemente, pede que o Povo de Deus reze por ele e o abençoe. Somente depois, ele abençoará o Povo de Deus. Isto significa: ele está ai para servir e não par ser servido. Pede que o ajudem a construir um caminho juntos. E clama por fraternidade para toda a humanidade onde os seres humanos não se reconhecem como irmãos e irmãs mas reféns dos mecanismos da economia.

Por fim, evitou toda a espetacularização da figura do Papa. Não estendeu os braços para saudar o povo. Ficou parado, imóvel, sério e sóbrio, diria, quase assustado. Apenas se via a figura branca que olhava com carinho para a multidão. Mas irradiava paz e confiança. Usou de humor falando sem uma retórica oficialista. Como um pastor fala aos seus fiéis.

Cabe por último ressaltar que é um Papa que vem do Grande Sul, onde estão os pobres da Terra e onde vivem 60% dos católicos. Com sua experiência de pastor, com uma nova visão das coisas, a partir de baixo, poderá reformar a Cúria, descentralizar a administração e conferir um rosto novo e crível à Igreja.

30 comentários:

Anónimo disse...


O homem em dois dias já falou 3 vezes no demónio. Não se entusiasmem muito que isto não vai correr bem...

Saudações, Rui Jardim

PS- Sobre o casamento homossexual disse o agora Papa Francisco que faz parte do plano de satanás para destruir os planos de Deus. Queriam uma "nova moral sexual"? Aí está ela, novinha como sempre.

Jorge Pires Ferreira disse...

Já tinha reparado que ele fala muito no demónio. Espero que fale todas as vezes que quiser como símbolo do mal. Se disser que é um ser sobrenatural que anda para aí a possuir pessoas, a coisa pia de outro modo. Mas ele é capaz de conhecer o estudo da Universidade Católica de Bogotá, que diz que não há possessões sobrenaturais. Mas que o mal tem poder... se tem!

Anónimo disse...


Desengane-se, Jorge, o Papa Francisco não está a falar de um diabo-simbólico. Diabos simbólicos não mandam ninguém abaixo; com esses poderíamos bem.

RJ

Anónimo disse...

De resto, desculpe dizer-lho, mas a ideia de que a questão do demónio é alterada por um estudo da Universidade Católica de Bogotá é de cair ao chão a rir.

RJ

Anónimo disse...

De resto, desculpe dizer-lho, mas a ideia de que a questão do demónio é alterada por um estudo da Universidade Católica de Bogotá é de cair ao chão a rir.

RJ

Jorge Pires Ferreira disse...

Caro Rui Jardim, eu não disse que o demónio não existe ou não existe a realidade a que chamamos demónio.

Digo que não existe um ser sobrenatural maléfico que possui pessoas. Se existe, mostre-me um caso. Essa discussão já por cá andou (veja as etiquetas diabo e demónio e os respetivos comentários) e estou farto de rebater os argumentos dos demonofílicos, os quais, depois, sucessivamente, acabam por desistir até aparecer outro. Lembro o Alma Peregrina, o Bernardo Motta, o João Silveira...

Se tiver algum estudo universitário que prove as possessões demoníacas... também serve.

Jorge Pires Ferreira disse...

O Rui devia ler com a mínima atenção o que escrevo.

Eu não disse que

a questão do demónio é alterada por um estudo da Universidade Católica de Bogotá

Disse e mantenho que

o estudo da Universidade Católica de Bogotá (...) diz que não há possessões sobrenaturais.

Explico mais: analisa uma série de casos de pessoas que de dizem possuídas pelo demónio e encontra as causas... naturais.

Anónimo disse...


Eu não sei nada de possessões e, na verdade, não conheço caso algum. Jesus exorcisou demónios, isso é sabido.Mas se o Rui acredita que o demónio existe penso que basta, até porque as possessões são uma matéria que ignoro profundamente. Já o demónio, infelizmente, conheço-o bem melhor do que gostaria...

RJ

Anónimo disse...

Hoje estou com uma preguiça enorme. Não faço nenhum. Às vezes é a amargura, como diz o Papa Xico. Hoje é a preguiça. É o demónio. Só pode.

Anónimo disse...

Coitados. Olham para a palavra e esquecem a pluralidade de sentidos que ela pode ter. Enfim. E que dizer do trengo do Tolentino que chamou a Bergoglio de "Francisco I"; não deveia saber que só será "I" quando e se houver um "II"? É o que deu andar a passear pelo jet-set em Roma em vez de estudar.

E já agora: ninguém dá eco ao facto de Francisco ter ido ao túmulo de Pio V rezar no seu primeiro dia de pontificado? Ninguém atento? Ninguém sabe o que fez Pio V à cúria?

Anónimo disse...


Os relatos evangélicos sobre os demónios não são credíveis mas um estudo universitário já o é?

Nota: Já li os links que falam desse tema neste blog...

Mesmo assim eu prefiro a Bíblia, mesmo que os teólogos digam que ela está errada, e que são símbolos, e etiologias, e estilos literários....etc. etc. etc...hoje dizem uma coisa amanhã dizem outra...autênticas armadilhas da fé...

Ai ICAR,... por que caminhos te levam...e eu que tenho tantos familiares católicos...

Cumprimentos

JMC

Jorge Pires Ferreira disse...

Não sabia disso, de ter ido o túmulo de Pio V. Não estou propriamente atento, pelo que agradeço

Pio V é um dos pontificados mais ricos: Trento, Missa Tridentina, Lepanto, Nossa Senhora,... e era dominicano. Ou seja, franciscanos e dominicanos (também os de Santa Maria Maior) e tradicionalistas conquistado.

Que entusiasmo, este Papa.

Jorge Pires Ferreira disse...

Caro JMC,

o mundo não foi criado em seis dias, os morcegos não são aves, o sol não anda à volta de terra, o mundo não está sobre as águas subterrâneas, o ar não está cheio de demónios que dão doenças, o mundo não é plano nem tem apenas uns milhares de anos, o mar tempestuoso que Jesus acalmou não estava endemoninhado, as pessoas não ficam mudas por causa de demónios mudos. Se isso vem na Bíblia, ou leva à letra (é consigo, mas não lhe aconselho) ou reinterpreta continuamente, que é o que a Igreja e os teólogos fazem, ou deita-a fora.

Eu sou pela segunda via. É mais trabalhosa, mas mostra a maravilha que a Bíblia é.

Em relação a esta questão particular dos demónios, digo-lhe que acredito mais em Jesus Cristo e no seu poder se não de tratar de demónios como tradicionalmente eram entendidos do que se tratar.

Anónimo disse...

Lettera del cardinale Jorge Mario Bergoglio ai quattro monasteri carmelitani di Buenos Aires in occasione del voto al Senato della Repubblica Argentina sulla proposta di legge intesa a legalizzare il matrimonio e le adozioni omosessuali (approvata il 15 luglio 2010). Traduzione di Massimo Introvigne.

Buenos Aires, 22 giugno 2010

Care sorelle,

Scrivo queste poche righe a ciascuna di voi che siete nei quattro monasteri di Buenos Aires. Il popolo argentino dovrà affrontare nelle prossime settimane una situazione il cui esito può seriamente ferire la famiglia.

Si tratta del disegno di legge che permetterà il matrimonio a persone dello stesso sesso. È in gioco qui l’identità e la sopravvivenza della famiglia: padre, madre e figli. È in gioco la vita di molti bambini che saranno discriminati in anticipo e privati della loro maturazione umana che Dio ha voluto avvenga con un padre e con una madre. È in gioco il rifiuto totale della legge di Dio, incisa anche nei nostri cuori.

Ricordo una frase di Santa Teresina quando parla della sua malattia infantile. Dice che l’invidia del Demonio voleva vendicarsi della sua famiglia per l’entrata nel Carmelo della sua sorella maggiore. Qui pure c’è l’invidia del Demonio, attraverso la quale il peccato entrò nel mondo: un’invidia che cerca astutamente di distruggere l’immagine di Dio, cioè l’uomo e la donna che ricevono il comando di crescere, moltiplicarsi e dominare la terra.

Non siamo ingenui: questa non è semplicemente una lotta politica, ma è un tentativo distruttivo del disegno di Dio. Non è solo un disegno di legge (questo è solo lo strumento) ma è una «mossa» del padre della menzogna che cerca di confondere e d’ingannare i figli di Dio. E Gesù dice che per difenderci da questo accusatore bugiardo ci manderà lo Spirito di Verità.

Oggi la Patria, in questa situazione, ha bisogno dell’assistenza speciale dello Spirito Santo che porti la luce della verità in mezzo alle tenebre dell’errore. Ha bisogno di questo Avvocato per difenderci dall’incantamento di tanti sofismi con i quali si cerca a tutti i costi di giustificare questo disegno di legge, e che confondono e ingannano perfino persone di buona volontà.

Per questo mi rivolgo a Voi e chiedo preghiere e sacrificio, le due armi invincibili di santa Teresina. Invocate il Signore affinché mandi il suo Spirito sui senatori che saranno impegnati a votare. Che non lo facciano mossi dall’errore o da situazioni contingenti, ma secondo ciò che la legge naturale e la legge di Dio indicano loro. Pregate per loro e per le loro famiglie che il Signore li visiti, li rafforzi e li consoli. Pregate affinché i senatori facciano un gran bene alla Patria.

Il disegno di legge sarà discusso in Senato dopo il 13 luglio. Guardiamo a san Giuseppe, a Maria e al Bambino e chiediamo loro con fervore di difendere la famiglia argentina in questo particolare momento. Ricordiamo ciò che Dio stesso disse al suo popolo in un momento di grande angoscia: «Questa guerra non è vostra, ma di Dio». Che ci soccorrano, difendano e accompagnino in questa guerra di Dio.

Grazia per quanto farete in questa lotta per la Patria. E per favore vi chiedo anche di pregare per me. Che Gesù vi benedica e la Vergine Santa vi conservi.

Con affetto
Jorge Mario Bergoglio, S.J.
Arcivescovo di Buenos Aires

Jorge Pires Ferreira disse...

Em relação a esta questão particular dos demónios, digo-lhe que acredito mais em Jesus Cristo e no seu poder se não se tratar de demónios como tradicionalmente eram entendidos do que se se tratar. Se se tratar mesmo de demónios o que Jesus expulsava, não é a fé que está em perigo. É o nosso entendimento do mundo. E a seguir a fé.

Jorge Pires Ferreira disse...

Ao amigo anónimo que manda uma carta de Bergoglio citando Santa Teresinha. As coisas começam a descambar. Acha que é por causa disso que devemos aceitar o demónio como ser sobrenatural? Então informe-se e veja a patranha em que a carmelita caiu na sua crendice do demónio, rezando pela conversão de uma suposta endemoninhada que depois confessou que fingia tudo. Não foi só agrande teresinha que ficou mal na fotografia. Informe-se sobre Leo Taxil e veja o que Leão XIII pensava dele.

Anónimo disse...

A carta serve também para lembrar que aqueles dois teólogos que aqui foram publicitados, propondo o coito homossexual como coisa moralmente aceitável , devem estar quase a serem chamados para uma comissão vaticana. A grande mudança na sexualidade, como se percebe pela carta que aqui publiquei, vai acontecer com o Papa Francisco. É que é já a seguir!...

Emmanuel disse...

Quanto a mim acho que todos (mesmo o Papa) somos (felizmente só de vez em quando) possuídos pelo demónio.

Em maior ou menor grau, quase diria que a maior parte do tempo estamos possuídos pelo demónio (normalmente de forma pouco exuberante). Sempre que estamos com menos atenção ao próximo por exemplo.

E a subida da montanha da santidade é um caminho feito de pequenos passos.

Jorge Pires Ferreira disse...

É Emmanuel, como é que você sabe quando está possuído? E como faz para deixar de estar?

Emmanuel disse...

Geralmente só dou por isso depois. Quando me dou conta que pequei.

Para deixar de estar é como disse, um caminho feito de pequenos passos, o caminho da santidade.

Anónimo disse...

Bem, as fotos de Francisco o Papa a pagar a conta e dentro do bus com os cardeais é uma marca que vai fazer muito bem ao mundo e à Igreja

Helena V. disse...

Bom, vamos mesmo é continuar a rezar pelo papa Francisco!
Aquele pedido feito da varanda diante do povo de Deus é para ser levado muito a sério. O Espírito (mais que o próprio homem, Francisco) sabe por que lho inspirou naquele momento... O certo é que Francisco lhe foi dócil. Nada está perdido quando assim é!

Euro2cent disse...

> a Igreja, está em ruinas pela desmoralização dos vários escândalos que atingiram o que ela tinha de mais precioso: a moralidade e a credibilidade.

Olhe, acho que já tinha lido qualquer coisa nesse sentido no New York Times, um jornal onde escreve a fina flor da intelectualidade protestante e judia.

O que vale é que temos amigos que se preocupam connosco e só nos desejam bem. E nunca publicam aleivosias subtilmente falsas a titulo de reportagem de puros factos totalmente isenta e desinteressada.

Não é?

Anónimo disse...

Caro Jorge;

Peço-lhe que leia, (caso possua), O capítulo 17:" O Demónio: Mito ou Realidade", que consta da obra: "Revelação e Fé" Volume I, Pag.537 da autoria de António Vaz Pinto.....não... não é um autor evangélico, mas sim católico, como decerto saberá...

Quanto aos seis dias da criação do mundo, ou aos morcegos não serem aves,(entre outros), que refere, também não sou ingénuo a esse ponto. Mas os morcegos são tratados como seres reais e existentes, tal qual os demónios são tratados por Cristo como seres reais e existentes...

Diga-me:

Jesus não sabia do que falava?

Os evangelistas que não sabiam do que falavam?

Ou somos nós que não sabemos do que falamos?

Ou é o magistério da ICAR que não sabe do que fala? É que o catecismo da ICAR fala claramente da realidade ontológica dos demónios.

O que fazer com "Revelação e Fé", o que fazer com o "catecismo"?

Eu sei no que creio...creio em Cristo, (que é Deus), e creio que Ele cria na realidade ontológica dos demónios. Os demónios não fazem parte do meu "credo" mas fazem parte da oração do "Pai-nosso". Portanto devemos ter isso em consideração.

Penso que sendo assim, não estarei longe da verdade.

Cumprimentos

JMC

Anónimo disse...

Hahahaha... agora o "Revelação e fé" é uma autoridade...

Anónimo disse...

O "Revelação e Fé" não tem para mim autoridade, até porque sou evangélico. No entanto para os católicos será porventura um "exemplo", pois é uma obra de "origem católica".

O catecismo também para mim não tem qualquer valor, até porque possui variados textos claramente anti-bíblicos, mas já faz parte do chamado "magistério". E esse, parece-me que já impõe autoridade sobre os fieis da ICAR.(E já agora, até reconhece a existência dos demónios).

Ou os católicos já não revêem qualquer autoridade no catecismo?

Cumprimentos

JMC

Anónimo disse...

Respeito muito Leonardo Boff, mas vejo excesso de otimismo em seu artigo. Que reforma será essa? Acabar com o machismo e ordenar mulheres? Celibato facultativo? Punição real e excomunhão de pedófilos? Moralização do Banco do Vaticano?
Esperemos...

Anónimo disse...

essa história do diabo e da dificuldade' da 'esquerda' em o aceitar terá mais que tudo a ver com algum infantilismo e dificuldade em sair dos estereótipos habituais dos corninhos e da forquilha e do visionamento dos filmes de hollywood, mas também é culpa da má influência exercida do lado 'direitista' radical oposto que se fascina com os exorcismos e os pregos a sair da boca. Façam o exercício de esquecer todo o folclore, leiam a bíblia e o que diz a Igreja. Para mim existe o demónio, infinitamente mais fraco do que o poder de Deus mas também mais fraco do que cada um de nós, assim o queiramos. Todos os dias estou com ele, às vezes menos outras mais, mas gosto é de estar com Deus. Em todo o caso nunca cuspi pregos nem ponho a água benta a ferver..... o diabo só entra qd retiramos Deus.....entra também aqui (pronto ...e em mim tb!) cada vez que se transforma o debate 'caridoso' (posso usar a palavra caridade - outro palavrão para a 'esquerda') numa troca de argumentos que mais que ideias com q pretendemos mostrar os nossos argumentos, são instrumentos com que, com um escondido prazer (diabólico) pretendemos mas é satisfazer algum impulso em bater...
jacome

Anónimo disse...

Leonardo Boff acerca da missa tridentina (trecho retirado de uma entrevista logo apos se afastar da Igreja). leiam e comentem depois, sobretudo aqueles mais intolerantes que logo mandam para a fogueira todos os que se atrevem a dizer mesmo baixinho os seus gostos pessoais sobre este assunto.

(...) Ricardo Kotscho - Do que você sente falta – da Igreja como instituição – agora que você está fora? Ou não sente falta de nada?

Leonardo Boff - Vou dizer de forma bem rudimentar: Sinto falta do caráter simbólico, das celebrações, do canto gregoriano. Por exemplo, em Petrópolis, durante vinte anos, às 10 horas eu celebrava a missa dos Canarinhos, em latim, com aquele coro extraordinário, que é um dos melhores do país, com a melódica fantástica, as grandes peças da música sacra, e eu sempre celebrava essa missa que era irradiada. Sinto falta disso.

Roberto Freire - Do rito, não é?

Leonardo Boff - Do rito, desse lado mais sacramental. Se bem que deixei a igreja instituição, a paróquia, a diocese, mas não a igreja da base. E hoje o que mais faço é batizar, enterrar mortos, fazer casamentos.(...)

jacome

Allan Mahet disse...

Deixo aqui minha reflexão sobre o Papa Francisco:
"Habemus Papam Francisco ! E Agora o que Esperar ?"
Com a morte em 2012 do Cardeal Italiano Carlo Maria Martini, os progressistas ficaram sem um representante forte e acabaram perdendo espaço neste conclave de 2013. Terminaram representados pelos chamados moderados que geralmente não abrem mão da rigidez moral. A escolha do argentino Bergoglio, agora Papa Francisco, representa a urgência na defesa do maior reduto católico do mundo e a possibilidade de a Igreja descer de seu altar e se aproximar ao pobres. Contudo no que tange às reformas profundas, como o papel da mulher na Igreja ou revisões das posições da Igreja sobre questões morais, o histórico de Bergoglio nos oferece pouca esperança.
Texto completo no blog: http://amahet.blogspot.com.br/2013/03/habemvs-papam-ii.html

Para quando a primeira cardeal?

É inovação do Papa a nomeação de cardeal de um bispo auxiliar? O Papa Francisco disse no domingo que vai fazer cinco novos cardeais. Um de...