sábado, 16 de fevereiro de 2013

O Reino de Jesus - 2

Todas as parábolas de Jesus, semeaduras, crescimentos, ou banquete de núpcias, obscuras para aquele que acredita saber tudo, mas luminosas para aquele que aceita contemplar, evocam esta realidade maravilhosa: Deus está disposto a subverter o nosso mundo para que o amor, enfim, aí tome o poder. É isso o Reino.

Jean-Noël Bezançon

5 comentários:

Anónimo disse...

Está na altura que este reino de amor se manifeste na Igreja e, uma vez que não há mais "gregos nem troianos, nem homem nem mulheres", se passem a celebrar matrimónios entre fufas.

Anónimo disse...

Porque não?

Anónimo disse...

Olhe: leia a Bíblia e verá o motivo.

Anónimo disse...

Obrigado pela sugestão, mas já a li. De facto, a vida e mensagem de Jesus destoa no meio (mais para o final) da Bíblia. Incrível como deixaram passar os evangelhos.

Anónimo disse...

Pois é. Não é esse mesmo Jesus que nos Evangelhos disse que, acerca do matrimónio e suas consequências, "no início não era assim"? E que diz no "início" sobre isso? Diz que duas fufas se juntem e façam "uma só carne"? Olhe que não, olhe que não. Leia lá, novamente, toda a Bíblia inclusive as partes que mais abomina dos Evangelhos.

Os dois maiores erros da história de Portugal

António Rendas, reitor da Universidade Nova (de partida) e durante dez anos reitor dos reitores portugueses, diz que "expulsar os judeu...