sábado, 16 de fevereiro de 2013

Anselmo Borges: "Bento XVI resigna. E depois?"


Texto de Anselmo Borges no DN de hoje.

Julgo que não se consegue imaginar o peso que cai em cima de quem aceita ser Papa. Torna-se o responsável primeiro pela Igreja Católica, com 1200 milhões de fiéis. Uma Igreja vergada sob a rigidez da tradição e talvez a única instituição verdadeiramente global, portanto, confrontada com múltiplas sensibilidades, problemas e aspirações: as questões dos europeus não são as dos norte-americanos, dos sul-americanos, dos africanos, dos asiáticos, dos australianos. É uma figura de relevo mundial, com imensa influência política no mundo, mas sujeito aos seus jogos, manhas e ardis. Mesmo viajando pelo mundo inteiro, fica a viver num pequeno território, com os seus rituais seculares e rígidos. Num mundo de homens. Só, onde, quando e como contacta com a família e com os amigos? E os olhos de todos estão sobre ele. Quase sem vida privada. Monarca absoluto, mas com todos os passos vigiados. Qual é o seu poder real? O Papa João XXIII, interrogado por um estudante num Colégio universitário pontifício: "Santidade, como é sentir-se o primeiro?", terá respondido: "Está enganado. Pus-me a contá-los e eu, lá no Vaticano, devo ser o quarto ou quinto."

Bento XVI não foi sempre conservador. Ainda só professor, escreveu em 1968: "Acima do Papa encontra-se a própria consciência, à qual é preciso obedecer em primeiro lugar; se for necessário, até contra o que disser a autoridade eclesiástica. O que faz falta na Igreja não são panegiristas da ordem estabelecida, mas homens que amem a Igreja mais do que a comodidade da sua própria carreira." Também escreveu que era necessário repensar a descentralização da Igreja, abrindo um debate sobre o primado papal. Opondo-se à teologia da "satisfação" que situava a Cruz "no interior de um mecanismo de direito lesado e restabelecido", rejeitou a noção de um Deus "cuja justiça inexorável teria exigido um sacrifício humano, o sacrifício do seu próprio Filho. Esta imagem, apesar de tão espalhada, não deixa de ser falsa". Defendeu, com outros grandes teólogos, a necessidade de debater a questão do celibato obrigatório.

Quando, jovem professor de Teologia, chegou ao Concílio Vaticano II como assessor do cardeal J. Frings, de Colónia, foi crítico de cinco dos sete esquemas preparatórios e foi provocador, criticando duramente a Cúria e a sua "atitude antimoderna": "A fé tem de enfrentar-se com uma nova linguagem, uma nova abertura."

Em 1968, frente à revolução de estudantes ateus de Teologia, teve medo, encontrando-se aí o ponto decisivo para a sua orientação conservadora; abandonou então a Universidade de Tubinga e o colega e amigo Hans Küng, para ir para Ratisbona. Depois, foi feito arcebispo de Munique e, mais tarde, como Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, condenou dezenas de teólogos.

Aceitou o papado como "humilde servidor da vinha do Senhor". Deixa uma marca num tema que lhe é caro: a exigência do diálogo entre a fé e a razão; acabou por ser duro e inequívoco contra a pedofilia na Igreja; prosseguiu, embora timidamente, o diálogo com as confissões cristãs e as diferentes religiões, em ordem à paz; condenou sistematicamente a ditadura financeira sem regulação.

Percebeu que não controlava a Cúria, mergulhada em escândalos de corrupção e intrigas, até ao Vatileaks. Foi admoestando cardeais para "renunciarem ao estilo mundano de poder e glória", e dizendo que lhe coubera viver o pontificado de "um pastor rodeado de lobos". Queixava-se: "Os javalis entraram na vinha do Senhor." O cardeal W. Kasper foi advertindo que Bento XVI andava "muito triste" com o péssimo clima no Vaticano.

Fragilizado, sentindo-se sem forças no corpo e no espírito, anunciou que resigna no próximo dia 28, às 20.00 (19.00 em Lisboa e Funchal). Um gesto de inteligência, honestidade e humildade, que fica para a História, pois quebra um tabu e mostra que o Papa é tão-só um servidor da Igreja e do mundo, continuando humano, também com as suas debilidades. Depois, retira-se para um convento, para rezar, meditar, tocar e ouvir música, escrever, mantendo o apagamento. Os cardeais elegerão um novo Papa. Talvez europeu ou latino-americano.

7 comentários:

Anónimo disse...

Ontem na SIC Notícias estiveram no "Expresso da Meia-Noite" Tolentino Mendonça, Aura Miguel, Henrique Monteiro e António Marujo. Alguém se deu conta do Tolentino? Quando é chamado a pensar fora do âmbito do poder falar com vozinha enfatuada e com os olhos revirados em busca de palavrinhas poéticas, não diz nada de nada. Uma vergonha.

António Marujo: 18 valores;
Henrique Monteiro: 14 valores;
Aura Miguel: 12 valores;
Tolentino Mendonça: 6 valores.

Anónimo disse...

Mesmo neste artigo de Anselmo Borges (que aprecio) fazem-se afirmações um pouco brejeiras. Andava triste o Papa? Leio imenso mas foi a primeira vez que li isto. Tenham um pouco de juízo no que escrevem.

Anónimo disse...

Hehehehe. Pensei o mesmo que você, ó Anónimo das 10:43.

Anónimo disse...

Vejo que neste blogue os inimigos do P.Tolentino têm todos duas características em comum: a rasquice e o anonimato.

Rui Jardim

Anónimo disse...

Pois. Já os que chamam ao p. Borges de "sapo" e coisas afins, mostram-se perfeitamente cordatos, inteligentes e caridosos. E, acima de tudo, não assinam com falos nomes. Pois.

Anónimo disse...

Sou açoriano e vivo na Horta e acuso a discriminação a que fui votado por o autor deste texto não ter dito que aqui é uma hora mais cedo.

Anónimo disse...

Alegra-me, pois assim não me sinto uma "ilha", ver que outras pessoas pensam o mesmo do padre/poeta. A única coisa de interessante que ele disse ontem foi quando citou um filósofo italiano. De resto foi um exemplo consumado de boçalidade.

Adalberto Pinto de Castro

Os dois maiores erros da história de Portugal

António Rendas, reitor da Universidade Nova (de partida) e durante dez anos reitor dos reitores portugueses, diz que "expulsar os judeu...