terça-feira, 15 de janeiro de 2013

Salvamo-nos quando nos tornamos salvadores

Emaús é um pouco o carrinho de mão, as pás e as enxadas antes das bandeiras. Uma espécie de carburante social com base na recuperação dos homens espezinhados. Todo o movimento reside nesta ideia: salvamo-nos quando nos tornamos salvadores.

Abbé Pierre, em 1954, sobre a organização Emaús, que fundou

3 comentários:

Anónimo disse...

Estou de acordo. Já no século XIX Newman disse que «os outros são a salvação».

Anónimo disse...

Para quando, neste blog e pelo seu autor (a quem envio o meu abraço), artigos mais desenvolvidos a analisar temas religiosos da actualidade? opinar é assim tão arriscado?

Jorge Pires Ferreira disse...

Caro amigo, obrigado pelo desafio. Não é arriscado nem falta assunto. O que falta é outra coisa. Duas coisas em concreto. Tempo e dinheiro. O blogue não dá dinheiro, claro, mas leva tempo.

Os dois maiores erros da história de Portugal

António Rendas, reitor da Universidade Nova (de partida) e durante dez anos reitor dos reitores portugueses, diz que "expulsar os judeu...