sexta-feira, 16 de novembro de 2012

Não esquecer

Quando nos indignamos, convém que nos perguntemos se somos dignos.

Abbé Pierre, 1964

1 comentário:

Anónimo disse...

Sim concordo totalmente com o conteúdo deste post que me fez recordar as palavras de Paulo:

“Como está escrito: Não há um justo, nem um sequer.“ Rom 3,10

No entanto, essa realidade inegável em cada um de nós, não impede que expressemos “indignação”… eu chamar-lhe-ia de IRAS perante posturas e actos que apontam caminhos que somos tão rápidos a exigir ao outros e tão lentos a acolher e a trilhar também….

Certamente que somos “chamados a ser instrumentos de paz:

“Rogo-vos, pois, eu, o preso do Senhor, que andeis como é digno da vocação com que fostes chamados, com toda a humildade e mansidão, com longanimidade, suportando-vos uns aos outros em amor, Procurando guardar a unidade do Espírito pelo vínculo da paz.” Efésios 4,1-3

Mas essa “UNIDADE” não é apenas desenhada a preto e branco, ela é feita de muitas cores na diversidade e diferença que carregam muitos corações, os tais “diferentes” que caminham connosco e que enriquecem a todos …

“Irai-vos, e não pequeis, não se ponha o sol sobre a vossa ira.” ” Efésios 4:26

Isso, não perder a direcção que é Cristo, e acima de tudo não dar a outros esse poder de nos fazer sentir “afastados” ou ”indignos” de Deus só porque somos e caminhamos diferentemente do establishment religioso!

vp

Lucas 15, a esquerda e a direita

Tem piada o artigo de Inês Teotónio Pereira, "A esquerda que queremos ser", no DN de ontem. "Somos [os da direita] aquele i...