sábado, 3 de novembro de 2012

Anselmo Borges: Luto(s). As lágrimas de Deus


Texto de Anselmo Borges no Diário de Notícias de hoje. Daqui.
O da semana passada, sobre o mesmo tema, pode ser lido aqui.

Como escrevi aqui no sábado passado, o luto é dor pela perda, principalmente pela morte de alguém. Há muitos tipos de perda, mas a perda principal é a morte. Quanto mais fortes forem os laços com alguém maior a dor e o luto, que pode considerar-se o outro lado do amor.

O luto, excepto quando não houve o trabalho sadio do luto e, assim, se tornou patológico, não é, pois, uma doença, mas tão-só a expressão da dor pela morte de alguém significativo.

Trata-se de uma dor que afecta as múltiplas dimensões do ser: física, psíquica, espiritual, social, sendo, por isso, a reacção à perda igualmente variada: choque, negação, tristeza, depressão, culpabilização, raiva, ansiedade, desinteresse pela vida quotidiana, fadiga, desamparo, com expressões físicas, como perturbações do sono, problemas gástricos, sensação de vazio físico e psíquico...

Há vários tipos de luto. Pode ser antecipado: face à perda iminente de alguém. Há o luto caracterizado como ambíguo: pense-se no caso da perda por ocasião de um rapto e se ignora se a pessoa está viva ou morta ou no caso de se viver em presença de uma pessoa com Alzeihmer: ela ainda está viva e já está "morta". Há lutos mais complicados, porque não são ou podem não ser reconhecidos: pense-se no caso dos homossexuais, que perdem o/a companheiro/a, ou dos que perdem o/a "amante". Há lutos retardados: não foram feitos no devido tempo, e lutos crónicos: as pessoas nunca mais enterram os seus mortos e as energias ficam todas fixadas no passado, instalando-se a incapacidade de reintegração na sociedade e reinvestimento na vida que continua. Há lutos encobertos: o luto não foi elaborado em termos sadios e manifesta-se de modo mascarado, por exemplo, numa doença pela qual, inconscientemente, se quer chamar a atenção. Para a morte de um filho nem há nome: quem perde o pai ou a mãe fica órfão, o viúvo ou a viúva perderam a mulher ou o marido; mas que nome se dá ao pai ou à mãe que perderam um/a filho/a?

No luto, elabora-se a dor e aprende-se a pensar sem culpa sobre a perda, a exprimir sentimentos e a partilhá-los. É uma resposta física, emocional, cognitiva, social e espiritual a uma perda significativa.

O que se pretende é o caminho da aceitação da realidade - superar a negação, aceitar a morte como morte. Mesmo que possa haver alucinações, é preciso compreender e aceitar que a morte é morte e que o morto nunca mais regressa a este mundo. Por outro lado, dar expressão aos sentimentos e partilhá-los: nomear o que se sente. Os sentimentos não são morais, lembra o especialista José Carlos Bermejo - este texto é devedor a um Simpósio sobre o tema, organizado em Ponta Delgada pelo Padre Paulo Borges, no qual também participou.

Outro objectivo: adaptar-se ao ambiente em que o defunto já não está, o que implica a capacidade de, com o tempo, desmontar os lugares e as coisas do morto: é preciso fazer as pazes com os espaços do outro definitivamente ausente, e compreender que é necessário investir noutras realidades - investir energia emotiva noutras tarefas e relações. Pode-se de novo viajar, sorrir, viver a vida.

O caso das crianças é especial. Não se deve mentir, dizendo, por exemplo, que a pessoa querida foi viajar, pois isso significaria que a abandonou, mas deve-se perguntar pelas suas preocupações, fomentar o diálogo e a recordação, ouvi-las, permitir a participação em rituais, explicando e dirigindo-se expressamente a elas. Dizer claramente que se não compreende. Apresentar a natureza, onde também se morre, como comparação.

O luto é um processo, que pode durar 6 meses e pode ir até 1-2 anos. Os rituais - velório, enterro, cremação - têm papel decisivo. A religião pode ser uma ajuda fundamental, na medida em que vem em auxílio com a fé no Deus da Vida contra a morte.

E aí estão as pessoas, com a capacidade de acompanhar a pessoa enlutada, sabendo ouvi-la ou estar em silêncio, indo ao encontro das suas necessidades, deixando-a falar e chorar. Diz a tradição judaica que, quando Deus viu a tristeza de Adão e Eva, após a expulsão do paraíso, lhes deu as lágrimas como consolação. E no Talmude também se fala das lágrimas de Deus.

10 comentários:

Anónimo disse...

No luto não se podem fazer generalizações nem construir teorias. Respeito e silêncio. Há lutos que se fazem em minutos e outros que levam a vida toda. Há lutos mostrados e lutos escondidos. Irritam-me os doutores que falam do luto como se de uma constipação se tratasse.

Peregrino disse...

Jamais qualquer palavra humana pode abrir essa janela que nos abre â luz nessa noite que é o luto...!

Tudo aquilo que procure explicar essa noite, é apenas poeira que ainda resta das presunções de conhecer o que não se conhece pois está para lá de todo o entendimento humano… mesmo aqueles que caminham pela Fé não escapam à agonia desse Getsemani como viveu e experimentou também o próprio Filho de Deus…

Acompanhei imensos corações nesse caminho e ali aprendi que o SILÊNCIO, como apontou o Anónimo das 10:43, é o melhor abraço que se pode dar nesses caminhos da dor…

Anónimo disse...

Vêm para aqui os comentários banais acerca do "silêncio" como a melhor linguagem diante da dor. Parece que nunca leram o livro de Job. Nem o Anselminho.

Anónimo disse...

Pelos vistos parece que nunca perdeu alguém... vá lá para junto da campa de um filho com o livro de Job e talvez aí deixe de falar tanto...!

Anónimo disse...

Mas provavelmente deve ser mais um desses “funcionários de Deus” a papaguear mais uma dessas bacoradas que “o menino morreu porque Deus precisava de mais um anjinho ao pé dele”…!

De “amigos de Job” os tais que o rodeavam como conselheiros da dor, está o mundo da religião cheio…! Está-lhe a faltar umas boas horas a acompanhar o luto dos outros para aprender o verdadeiro silêncio que não significa ausência de palavras nem da dor!

Anónimo disse...

E leio sim Anselmo, um dos poucos padres que conheço com os pés bem assentes na terra, coisa que rareia nesses campos da Fé tão minados pela presunção humana!

Anónimo disse...

A ironia é para pessoas inteligentes. Peço perdão por supor que quem lia este blog o era. Serei mais claro: a mensagem do livro de Job é que o silêncio simpático e empático é a melhor atitude diante do sofrimento. Mas há ainda quem pense que descobriu a pólvora quando vem para aqui falar em "silêncio".

Anónimo disse...

Não precisa de carregar outra vez a "escopeta".. já cheira demasiado a pólvora por aqui… sobretudo quando os disparos são feitos na presunção que o que está do outro é presa fácil de pontarias de juízos!

... grato pelo mimo emprestado que embeleza as inteligências alheias...!

Anónimo disse...

De nada. Sabe, imagino-o discípulo do Tolentino. Nada de nada.

Anónimo disse...

Nada…conheço-o apenas de vista… sou apenas um cachorro vadio que andou por aqueles lados a marcar algum terreno onde ele se passeia nas poeiras das teologias … foi sol de pouca dura, a minha alma não gosta de sentir por perto as grades humanas impostas ao pensamento livre… alguns, poucos, conhecem-me como vagabundo de Deus…

Por estranho que pareça, nunca li nada dele… mas vou ler algo sim…

Cumps…

Os dois maiores erros da história de Portugal

António Rendas, reitor da Universidade Nova (de partida) e durante dez anos reitor dos reitores portugueses, diz que "expulsar os judeu...