sexta-feira, 12 de outubro de 2012

Nobel da Paz para a União Europeia. Concordo, tanta paz é milagre


Nobel da Paz para a União Europeia. Sem entrar nas políticas atuais, acho que é mais do que merecido pelos 50 anos de paz. Nações que durante um milénio só estiveram umas décadas em paz (se contarmos os conflitos internos e internacionais das grandes nações como Alemanha, França, Itália, Espanha, Inglaterra), há 50 anos que discutem e discordam sem nunca pegar em armas. Se não é milagre num conjunto de países que tem uma bandeira de Nossa Senhora, não sei o que é.

Notícia do "Público" aqui.


Sobre a "bandeira de Nossa Senhora", leia-se:
Origem da bandeira.
Os protestantes que não gostam da bandeira.

3 comentários:

Helena V. disse...

(Recupero o comentário que escrevi no FB, para este fórum de discussão, se calhar mais restrito e permitindo, por isso, outro tipo de trocas.)

Sim, Jorge, de acordo. O projecto europeu tem imenso mérito. Sou europeísta. Mas não se pode deixar de "entrar nas políticas actuais", para ajuizar sobre a atribuição deste prémio. Até porque não são "políticas" o que está em causa, e muito menos sociais, como se pensou a base da construção europeia: uma Europa Social, sonhámos todos nós, não foi? A Europa, toda a política europeia, vergou-se à economia, ou antes, à finança, a alta finança, que está seriamente a comprometer a experiência democrática destes últimos anos e, infelizmente, a paz social. Vivemos em estado de guerra, não de armas nas mãos, mas numa guerra financeira, especulativa. Basta vermos como a Europa está subserviente aos interesses económicos das chamadas "economias emergentes", cujos regimes políticos com práticas reconhecidamente anti-democráticas (pelo menos desrespeitadoras dos direitos humanos) mais que tolerar, bajula, no afã de atrair o salvífico investimento que trará emprego e crescimento da economia. Nos tempos que correm, não, não posso regozijar-me com a atribuição deste Nobel. E tenho muita pena. Dizia eu atrás: sou europeísta.

Quanto à referência à "bandeira de Nossa Senhora", fico preplexa. É uma alusão à mediação de Nossa Senhora?
E só me corre, como contraponto, a ausência de uma referência ao cristianismo no preâmbulo do Tratado Constitucional da Europa...
Abraço, Helena

Jorge Pires Ferreira disse...

Olá, Helena.

Concordo com o que dizes, porque de facto o presente não é nada bom. E pouco promete o futuro.

Vários têm reivindicado a paternidade do projeto europeu, mas raiz estão as ideias de quatro católicos, democrata cristãos, Schumann, Adenauer, Gasperi e Monnet, a que se juntaram depois os socialistas e os liberais. No início houve quem criticasse o projeto europeu como "Europa vaticana".

Sobre a bandeira, há tempos escrevi isto:

http://tribodejacob.blogspot.pt/2009/06/desta-vez-nao-e-o-laicismo.html

http://tribodejacob.blogspot.pt/2009/06/bandeira-da-ue-2.html

Helena V. disse...

Lembras bem, A. Jorge! As origens...
Há tanto a fazer! Tanto, meu Deus!
Obrigada pelo reminder :-)

Os dois maiores erros da história de Portugal

António Rendas, reitor da Universidade Nova (de partida) e durante dez anos reitor dos reitores portugueses, diz que "expulsar os judeu...