domingo, 2 de setembro de 2012

E o que disse ela?

Conta-se que São Bernardo estava a rezar diante de um altar de Nossa Senhora. De repente Maria abre a boca e começa a falar. "Cala-te! Cala-te!", grita Bernardo, desesperado. "As mulheres não podem falar na Igreja".

9 comentários:

Anónimo disse...

Ahahahaha... não é com lendas apócrifas retiradas de locais de (des)informação acerca da ordenação das mulheres que consegue sustentar as suas posições, ó Jorge (é esse mesmo o seu nome?). Mas mais brilhante foi os seu esforço desesperado em querer dizer que Apóstolos=Discípulos em atributos e missões. Pobre Jorge. Mas se assim é, então não há motivos para dizer que Jesus, no seu tempo, não pôde chamar mulheres ao Apostolado para ser entendido, não é? Óptimo argumento contra si e as pífias posições pró-ordenação de mulheres em nome dos ventos modernos que ignoram, em nome de um conceito de "género" que há realidades que não são intercambiáveis entre os sexos. Jesus, podendo também chamar mulheres, chamou apenas varões a serem seus Apóstolos e representantes. Não há volta a dar. Mas continue a apresentar lendas que são lendias de pensamento. Isso dá uma clara imagem do rídiculo da sua posição. Deo gratias!

Jorge Pires Ferreira disse...

Sim, sou Jorge Pires Ferreira, como me identifico no blogue. E você é quem? O Joker? A julgar pelos "Ahahahaha".

"Não é com lendas apócrifas retiradas de locais de (des)informação acerca da ordenação das mulheres que consegue sustentar as suas posições".

Não imagina como fico aliviado por me dizer isto. É que eu pensava que era.

Como já respondi a outro, sustento, precisamente que nos Evangelhos, Doze não é igual a Apóstolos e que Apóstolos não é igual a discípulos.

Mas isto já tem a ver com outras conversas e outros textos e não com esta de S. Bernardo.

Continua sem responder a uma série de questões. Devo esperar a resposta?

Sim ou não?


Diz: "há realidades que não são intercambiáveis entre os sexos". Quais? Eu sei de algumas, mas diga-me em quais pensa relacionadas com esta questão em debate. É pedir muito?

Explique-me isto, pf, se possível, com sustentação bíblica:

"Jesus, podendo também chamar mulheres, chamou apenas varões a serem seus Apóstolos e representantes".

E, se a afirmação estiver correta, diga-me por que é que Paulo entrou em contradição com ela em Rom 16,7, por exemplo?

Tenha a caridade de me esclarecer, por favor, com sinceridade e ajudando-me na procura da verdade.

Anónimo disse...

Que rapidez...
Só se for a Jokera... ahahahaha...

claro que lhe dou todas as respostas. É só pedir-mas. Desde logo o modo de relacionamento com a realidade e com Deus. Ou acha que não? Quer se queira, quer não, o varão e a fêmea relacionam-se com esta de distintos modos. A sustentação bíblica é directa: Jesus não chamou mulheres aos apóstolos nem aos Doze. E poderia fazê-lo. Claro. Se fez mil coisas mais contrárias à mentalidade social e religiosa do tempo, qual o motivo de não o fazer agora? A evidência bíblia está toda deste lado. ò Jorge? onde é que Paulo entrou em contradição em Romanos 16,7? Com Júnias? Ahahahahahaha... tem que sair dos sites pró-ordenação de mulheres tão falsos como dizer que o "preto" é "branco". É que "Júnias", como poderá ver em qualquer léxico bíblico ou extra-bíblico, é um substantivo próprio MASCULINO. Ahahahaha...

Agrada-me saber que concorda que Apóstolos não é sinónimo de Doze, nem de discípulos. Donde onde reside esta diferença? Apenas num título? Ou em missões distintas? Pode responder?

E já agora: poderia, segundo o Jorge (duvido que este seja o seu nome), o Verbo ter incarnado numa fêmea? Ontem? Hoje?

Anónimo disse...

Acrescento uma informação sem tomar parte no debate:

Junias: contracção de Junianus, nome masculino segundo o dicionário de Liddell-Scott.

Jorge Pires Ferreira disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Jorge Pires Ferreira disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Jorge Pires Ferreira disse...

(apaguei os meus dois comentários anteriores, que tinham demasiados erros e fundi os textos neste)

A minha Bíblia (Difusora Bíblia) diz "Júnia" (mulher) e não "Júnias", que seria contração de Juniniano, como explica em nota, segundo manuscritos que a generalidade dos exegetas considera menos fidedignos. Julgo que hoje há um consenso alargado de que se trata de uma mulher.

Deixo um questão: Porque terão surgido manuscritos a alterar um nome feminino para um masculino? Não será porque a esses copistas já metia confusão que uma mulher pudesse ser apóstolo? Isto é só uma hipótese de estudo.

E ainda há Febe, Prisca ou Priscila, Maria, Trifena, Trifosa e a "mãe de Rufo", Júlia e a "irmã de Nereu", Evódia e Síntique, Ápia, tudo nomes de mulheres.

Ao outro anónimo, se não for o mesmo, o que diz o dicionário de Liddell-Scott sobre elas?

Segundo o dicionário de Rid E. Colus, “Febe, Prisca ou Priscila, Maria, Trifena, Trifosa e a "mãe de Rufo", Júlia e a "irmã de Nereu", Evódia e Síntique, Ápia”,
…eram senhoras, sim senhor, mas apenas varriam os locais de reunião dos crentes e punham flores nos altares.
(Sem qualquer desconsideração para esta atividade louvável que algumas pessoas da minha família praticam com dedicação).

Já agora, diga-me, Jokera, quais os sites pró ordenação de mulheres. Não frequento nenhum, mas pelos vistos é capaz de haver pontos em comum.

"Claro que lhe dou todas as respostas. É só pedir-mas."
Então responda ao que ficou para trás. Eu lembro:

“Mas a missão encarregue por Jesus aos Apóstolos e aos discípulos é distinta”.

Mostre, p.f. Qual a missão e como é(são) distinta(s). Já agora com citações. [eu concordo que são distinta, mas queria era saber do que está a falar]

“Houve debandadas noutras confissões cristãs…”

Concretize, pf. Quais debandadas, em que confissões, porque motivos? Deveram-se à ordenação de mulheres? Onde? Gostava de conhecer os dados.

Jorge Pires Ferreira disse...

A pergunta era:

Diz: "há realidades que não são intercambiáveis entre os sexos". Quais? Eu sei de algumas, mas diga-me em quais pensa relacionadas com esta questão em debate. É pedir muito?

A resposta foi:
“Desde logo o modo de relacionamento com a realidade e com Deus. Ou acha que não? Quer se queira, quer não, o varão e a fêmea relacionam-se com esta de distintos modos”.

Quais distintos modos? E deve ter sido por isto que “Jesus não chamou mulheres aos apóstolos nem aos Doze”…

Como começa por “desde logo” talvez haja mais. É se se é isto, nem sei o que lhe diga. Espero para ver sem lançar uma dessas gargalhadas sem jeito.

E consegue dizer que “Júnias” é homem. Pelo que deduzo que o casal “Andrónico e Júnias” (na sua Bíblia, porque a minha diz “Júnia”) é um par de homens. Talvez a seguir reconheça que se trata de um par homossexual e temos então uma revolução exegética.

Disse que eu sou rápido. É. Tenho tempo. E isto não é difícil.

Anónimo disse...

“The fact that there are no women among these successors and cooperators does not mean a minimizing of women, but rather it is intended to complement the differences between males and females, which is fully realized in the relationship between Christ and Mary.”

Lucas 15, a esquerda e a direita

Tem piada o artigo de Inês Teotónio Pereira, "A esquerda que queremos ser", no DN de ontem. "Somos [os da direita] aquele i...