sexta-feira, 28 de setembro de 2012

Bispos alemães defendem exclusão de quem não paga imposto


Na Alemanha, e também já em alguns comentário neste blogue, esta notícia está a dar polémica. Pode chocar que um sacramento fique por receber se não se paga o imposto religioso, mas as regras são essas e para não o pagar (em tal caso, a quantia não vai para o fisco alemão, mas fica no bolso do contribuinte) é preciso declarar que não se pertence à igreja em causa (católica ou outra).

Portanto, também fica mal a alguém não querer contribuir (um dos cinco antigos mandamentos da Igreja, julgo que já ninguém os aprendem é"contribuir para as despesas de culto" ou "ajudar a Igreja nas suas necessidades"), mas querer receber o que é próprio dessa comunidade.

Julgo que a notícia tem uma imprecisão. O imposto não será de 9 por cento sobre os rendimentos (quase o dízimo!) mas de 9 por cento do imposto liquidado. Mesmo assim é muito. Dá uma média de 200 e tal euros por pessoa, tendo em conta que a Igreja católica tem 25 milhões de membros declarados (muitos estarão isentos) e recebe 6 mil milhões de euros. 

Note-se que em Portugal pode-se dar 0,5 por cento do imposto liquidado a  uma instituição e na Itália há o "8 por mil". Em Espanha também há algo do género, embora a Igreja receba muito mais do Estado, por outras vias, comparativamente ao que acontece em Portugal.

Evidentemente, há aqui uma questão mais radical que se coloca: a graça de Deus - que só pode ser gratuita - precisar de uma estrutura que, para se manter, custa dinheiro. E custa em todo o lado, com impostos, côngruas, coletas, peditórios, cortejos, etc., etc. Poderia ser de outro modo? Até no tempo de Jesus assim foi. E, dizem alguns, quem o financiava eram... umas mulheres ricas.

Sem comentários:

Os dois maiores erros da história de Portugal

António Rendas, reitor da Universidade Nova (de partida) e durante dez anos reitor dos reitores portugueses, diz que "expulsar os judeu...