quinta-feira, 9 de agosto de 2012

Episódio gay num romance impede que búlgaro seja embaixador no Vaticano?

Kiril Marichkov

O Vaticano vetou o diplomata búlgaro Kiril Marichkov, que também é jurista e escritor, para embaixador na Santa Sé. As razões para a nega não foram adiantadas, mas diz-se que se devem a um episódio de homossexualidade narrado no livro “Clandestinação” [desconheço o título original; traduzo o espanhol “Clandestinación”], de que o diplomata, casado e com filhos, é autor.

No livro, dedicado à mulher de Kiril, aos filhos e a Deus, um jovem do Leste da Europa prostitui-se com um homem num bairro periférico de Roma e depois vai a uma igreja pedir perdão a Deus.

Li a notícia aqui.

A serem verdade as presunções da imprensa, pesa mais na decisão um episódio de prostituição homossexual do que a denúncia do drama dos imigrantes de Leste. Ou será que o nome do diplomata (não sei como se pronuncia o apelido) causa engulhos – ou talvez risos - nos corredores latinos do Vaticano?

21 comentários:

Anónimo disse...

Claro que tinham que negar. Lá podem admitir a concorrência?! Ou querem negar que os há por lá?

Anónimo disse...

Embaixadores larilas na Igreja, não por favor!

Jorge Pires Ferreira disse...

O candidato a diplomata, como diz o texto, é casado e tem filhos.

Anónimo disse...

Larilas à forca!

Anónimo disse...

7:24 p.m. e 12:33 p.m., você parece daqueles que o são, mas não admitem, nem para si próprios.

João Silveira disse...

Lá está o Jorge a alimentar boatos e murmurações.

"Diz que..." e assim começam as conversas dos que passam a vida a falar da vida dos outros.

Jorge Pires Ferreira disse...

Lé estão o João obcecado com o que eu escrevo. Se clicar no link que indico vê que não alimento nada. Limito-me ao que está escrito na notícia que é a fonte do meu texto.

Parece-me, por outro lado, que olhou ao espelho para escrever esta sua frase: «"Diz que..." e assim começam as conversas dos que passam a vida a falar da vida dos outros».

Anónimo disse...

Realmente este sr João Silveira, ex-discípulo amado, até pode falar, não há dúvida!
É ler os comentários que tem feito para perceber o que mais gosta de fazer: falar dos outros, criticando pela negativa.

João Silveira disse...

Jorge, obrigado pela versão adulta do "Quem diz é quem é".

O seu link não prova nada, e mais uma vez está a alimentar boatos, à boa maneira das porteiras.

Jorge Pires Ferreira disse...

João, que me calunie a mim, já estou habituado. Podia era deixar as porteiras em paz. É isso que pensa delas? Há uma passagem do evangelho que se aplica ao caso. Fala de traves e de ciscos. Saberá aplicá-la.

Jorge Pires Ferreira disse...

Já agora, em relação ao caso do diplomata búlgaro, se sabe mais do que o que está no texto, diga. Se não sabe, talvez admita que a nega do Vaticano, ao não esclarecer os motivos, dá aso às especulações, coisa que, no entanto não fiz. O que está em itálico, sendo meu, é obviamente uma piada, pois por muito que um nome seja embaraçante, julgo que nunca será motivo para recusar alguém num cargo.

Anónimo disse...

A igreja católica, com o celibato de padres, freiras e frades, é a maior fábrica de homossexuais de que há memória. Está tudo dito!

João Silveira disse...

Jorge, chamá-lo porteira é insultar as porteiras? Então retiro o que disse e peço desculpa às porteiras.

Se o post não quer dizer o que diz então porque é que o publicou?

Jorge Pires Ferreira disse...

João, o que escreve não deve ser levado a sério. Se é para levar a sério, não tem grande lógica – o que, a julgar por outros comentários, é coisa que não se pode exigir a si. Porém, se é paródia, não tem piada. Na realidade, sentido de humor também não é algo que se espere em quem já disse que se sente com a missão de andar à cata de erros.

Vejamos. Primeiro escreve (sobre mim):

“O seu link não prova nada, e mais uma vez está a alimentar boatos, à boa maneira das porteiras”.

E eu respondo:

“(…) Que me calunie a mim, já estou habituado. Podia era deixar as porteiras em paz. É isso que pensa delas?”

E o João insiste, numa frase que ilustra bem a lógica silveiriana, que, como está patente, habitualmente é nula:

“Jorge, chamá-lo porteira é insultar as porteiras? Então retiro o que disse e peço desculpa às porteiras.

O insulto não pode estar em chamar-me porteira ou vice-versa. Seria mirabolante se tal acontecesse. Eu nem sequer falei em insulto – mas é pedir-lhe de mais que seja rigoroso nos termos. Disse que me caluniava ao afirmar que eu alimento boatos e quis que pensasse que poderia estar a ser preconceituoso em relação a uma categoria profissional, já que escreveu: “a alimentar boatos, à boa maneira das porteiras”.

Portanto, se quer pedir-lhes desculpa, peça-lhes por causa deste seu preconceito.

João Silveira disse...

Ahah com o Jorge é vira o disco e toca o mesmo. Vem outra vez acusar-me de andar à cata de erros, quando o próprio Jorge se dedica a fazer o mesmo, e este post é a prova disso. Como é que era aquela história de traves e ciscos?

Quanto às porteiras, não se preocupe, que nunca mais as insulto, nunca mais digo que o Jorge é como elas.

Em relação a este post, é engraçado como está baseado num boato. Mas agora o Jorge vem dizer que seria ridículo que isso fosse verdade. Então qual é a notícia, que alguém não foi contratado? Boa, acontecem milhares de casos por dia! Grande novidade

Jorge Pires Ferreira disse...

João é incrível a sua capacidade de ler e resumir textos. Então agora a notícia é que "alguém não foi contratado"? Desde quando é que um Estado (Santa Sé, no caso) contrata diplomatas de outros países (o embaixador da Bulgária, no caso em questão)?

Isto não faz o mínimo sentido, mas o João continua a pavonear a sua estupidez. Bom proveito.

João Silveira disse...

“pavonear a sua estupidez”, isto é um insulto ou uma calunia?

Eu não consigo dizer piadas, mas o Jorge é perito no humor...mesmo sem querer!

Onde é que eu disse que tinha sido o Vaticano a não contratar alguém?

Mas ainda não conseguiu explicar qual a relevância da notícia. Primeiro dá crédito ao rumor, agora já diz que não faz sentido...realmente não faz sentido!

Jorge Pires Ferreira disse...

«“pavonear a sua estupidez”, isto é um insulto ou uma calunia?»

Nem uma coisa nem outra. Uma opinião baseada em factos que aponto. Um resumo do modo como aborda as questões. O sr. é que poderá tomar por uma coisa ou outra - deixo isso à sua consideração (mas não precisa de me dizer qual a opção toma). Digo isso, porque, por exemplo, escreveu isto:

«Então qual é a notícia, que alguém não foi contratado? Boa, acontecem milhares de casos por dia! Grande novidade».


Não resume nada do que está na notícia. E mesmo que seja ironia, não faz sentido. Completamente ao lado.

Ora, esta sua frase responde a:

«Onde é que eu disse que tinha sido o Vaticano a não contratar alguém?»

Porque a notícia não é sobre uma contratação. É sobre um veto do Vaticano e sobre as especulações de outros sobre o motivo do veto. Não minhas.

Se interpreto mal o que escreve, seja mais claro - lá estou eu com o "vira o disco e toca o mesmo", pedindo-lhe demasiado.

João Silveira disse...

Jorge, não lhe vou dar mais desculpas para não responder à pergunta que já lhe fiz 3 ou 4 vezes. Responda, se conseguir...chega de fait-divers.

Jorge Pires Ferreira disse...

Se alguma coisa está por responder da minha parte, é porque ou não quero responder ou acho que não é preciso responder.

Anónimo disse...

O Sr Silveira deveria ter bom senso e deixar de fazer comentários neste blogue. Já enjoam os comentários que faz.

Os dois maiores erros da história de Portugal

António Rendas, reitor da Universidade Nova (de partida) e durante dez anos reitor dos reitores portugueses, diz que "expulsar os judeu...