quinta-feira, 5 de julho de 2012

Pedro Casaldáliga: "Hora de decepción y de involución"


Pedro Casaldáliga

Pedro Casaldáliga, bispo emérito de São Félix do Araguaia, Brasil, afirma que "nuestra Iglesia vive una hora de decepción y de involución, de distancias dolorosas entre la institución y el pueblo". Na Igreja, "falta proximidad en las estructuras y credibilidad" (li aqui).

52 comentários:

Anónimo disse...

Este sim é um BISPO!
Os bispos Portugueses que se espelhem nele!
A maioria dos nossos bispos não passa de uns peneirentos. Só querem publicidade e comunicação social à volta.

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Jorge Pires Ferreira disse...

Peço desculpa a quem escreveu um comentário anterior, que eliminei indevidamente. Queria responder-lhe e, sem perceber como, eliminei-o. tentei repô-lo, mas já não consigo. De qualquer forma, o comentário manifestava concordância com o anterior, das 11h29, e dizia que bastava olhar para os bispos do Porto e de Bragança para ter exemplos de bispos que, como diz o primeiro comentários, querem publicidade e comunicação social.

Em todo o caso, não revejo os referidos bispos nesse comentário eliminado (por mim e indevidamente - repito). Não conheço o bispo de Bragança, pelo que dele não posso falar, mas conheço algo do do Porto. E o que vejo é que a comunicação social está constantamente a solicitá-lo. Penso que faz parte do ministério de um bispo não recusar os convites para dar a cara quando podem dá-la para assuntos em que esteja em causa a presença da Igreja. Quando vejo o bispo do Porto na comunicação social, mesmo que fale da história de Portugal, dá uma imagem positiva e informada da Igreja. Julgo mesmo que mais bispos deviam estar preparados para falar e escrever nos meios de comunicação social. Julgo mesmo que gá um défice.

O próprio Casaldáliga, além de ter um sítio na internet, não se furta a manifestar a sua opinião aparecendo nos meios de comunicação social.

Jorge Pires Ferreira disse...

O comentário das 9:28, eliminado indevidamente, dizia exatamente isto:

Estou de acordo com o anónimo das 11:29! Basta ver os do Porto e o de Bragança.

Anónimo disse...

Pois é. Mas no próximo simpósio em Fátima que vai reunir cerca de 800 padre e que serão 5 dias de oração, conferências, convívio e cultura o bispo de Bragança vai ocupar o 2º dia (manhã e tarde) com conferências. O bispo de Bragança não ganha 4000 mil euros como o Torgal (aliás nem quer ordenado nenhum). O bispo de Bragança não idolatra o Soares (D. Clemente). Só querem publicidade? O bispo de Bragança não precisa dos media para nada. Mas para o comprovar é preciso deslocar-se a Bragança e falar com as pessoas coisa que ele se farta de fazer. Mas isso o Litoral não está minimamente interessado...e por isso o país há-de ir á bancarrota pois julga que não precisa da laboura pra viver.

Voualiejávenho disse...

Deixai-vos estar contentes com o vosso bispo de brincar. Quando lhe passar a freima logo voltam as saudades de Roma e das saias curiais.
Não sei que raio de graça acham ao homem que o idolatram. Faltam-lhe vida e quilómetros, não passa de um intelectual como a maioria. Em vez de pastores só nos mandam tosquiadores.

Anónimo disse...

Tenho acompanhado estes comentários. Mas afinal temos quase 3 dezenas de bispos. De facto nos media só é costume aparecer dois bispos: D. Clemente e D. Cordeiro. Porque será??? Onde estão os outros? Então o vaticano II que tanto apregoou a abertura ao mundo e à sociedade? Há gente aqui que fica incomodada com o facto destes 2 bispos aparecerem, mas já colocaram a perspectiva ao contrário, ou seja: são pessoas que são procuradas pelos media. Porque será? A maior parte dos nossos bispos não aproveitam este meio que é comunuicação social. Parece que andam a dormir, ou então... escondem-se. Porque será?

Anónimo disse...

O bispo de Bragança "intelectual"? Só se o saber que 2 mais 2 é 4 é ser "intelectual"... não vale nada a esse respeito.

Anónimo disse...

Pois é. Mas na Universidade de Santo Anselmo tirou uma nota em Liturgia que não te vou dizer aqui neste sítio ó das 5:46PM. Vai lá tu e depois publica aqui para seres intelctual.

Anónimo disse...

Universidade de Santo Anselmo? Que é isso? Não existe nenhuma Universidade de Santo Anselmo! Existe, isso sim, um Ateneu Santo Anselmo! A diferença é, desde logo, total! É como comparar a Universidade de Coimbra com o Instituto de Formação Profissional de Coimbra!

E em Roma o Ateneu está lá para em 7º ou 8º lugar na lista das melhores. Não sabe quais são? Olha: Gregoriana; Antonianum; Lateranense; Angelicum; Urbaniana; Alfonsiana; Augustianum e, vá lá, se quisermos ser benévolos, o Ateneu Anselmiano...

E que tem a nota num doutoramento? É preciso, em Roma, ser muito mau para ter uma nota abaixo de 30... mas olhe que eu já vi a tese do teu adorado bispo... ela, "A sacramentalidade e a ministerialidade no primeiro milénio" é um mero colar e comentar textos patrísticos feita com a ajuda de quem vivia no Colégio Português para que ele pudesse continuar a tocar piano e, assim, fazer carreira em Roma junto de uma cúria melómana...

Jorge Pires Ferreira disse...

Fico espantado com o conhecimento de alguns comentadores - como este último. Ainda bem.

Anónimo disse...

É, de facto, muito estranho (muito estranho mesmo) o conhecimento que alguns têm do senhor Bispo de Bragança. Até sabem que não tem vencimento. Dá que pensar!

Anónimo disse...

Mas esqueceu-se o das 9:55 de me dizer qual a melhor escola em Liturgia. A tocar piano??? Bem se considera aturar padres durante 10 anos tocar piano... Ainda bem que falam do bispo de Bragança. É bom sinal. Estejam descansados, conhecendo-o como o conheço já é uma das grandes figuras da Igreja em Portugal. Ah! E não precisa de estudos para nada. Quero recordar que D. Cordeiro foi professor na... Angelicum.

Anónimo disse...

Morei no Colégio Português enquanto a minha diocese me enviou a estudar para Roma (Porto). Quem trabalhava e servia os padres que lá estudavam era o vice reitor (agora bispo de Bragança) e os reitores cuidavam da carreira. Isto foi o que eu vivi e observei. Os reitores da altura - Nuno Brás e Tolentino de Mendonça. O primeiro era só fotos e sacristias e o segundo dedicava-se ao jet set. Por isso o Patriarca o retirou da reitoria (só lá esteve um ano).

Anónimo disse...

Os anjos-da-guarda do senhor Cordeiro vêm a correr ajudá-lo. É bonito de se ver. O problema é que o Anselmianum foi, de facto, a melhor escola de liturgia, mas desde 2000 está depauperado. É um facto. Basta ver quem para lá requisitaram... o senhor Cordeiro que, de facto e pelo que já distintas pesoas que com ele viveram em Roma de confidenciaram, passava os dias a tocar piano, pois intelectualmente falando era (e é) fraquinho, muito fraquinho... Mas estou totalmente de acordo que o Tolentino é um padre do "jet set". Bispos em Portugal só António Couto e António Marto.

Anónimo disse...

Se de facto o comentário das 5:20 PM é de um (ex-)sacerdote da diocese do Porto que estudou em Roma com Dom Cordeiro, só pode ser de um dos três senhores:

João Pedro Lima da Silva Brito - Porto
Adélio Fernando de Lima Pinto Abreu - Porto
António Augusto Oliveira Azevedo - Porto

Vamos a um "Cluedo"?

Fernando d'Costa

Anónimo disse...

D. Cordeiro, soma e segue!!!
Não têm mais nada a acrescentar?
É favor continuarem!

Anónimo disse...

Realmente o bispo de Bragança soma e segue. Mas penso que o mais importante no meio disto tudo é o testemunho e isso graças a Deus a Diocese Bragança está bem servida. D. Marto e D. Couto? Boa gente. Mas são muito apagados. Sobretudo o de Fátima que foge do grande´público como do rabo da seringa. Porque será?

Anónimo disse...

Porque será? Porque sabe ser cristão e não se ensoberbece como outros que, afagados pelas câmaras de televisão e os microfones das rádios, se embebedam a beber vinho para acompanhar as alheias em Mirandela, terra que, por sinal, se situa na sua diocese. Mas se o Bispo Cordeiro "soma e segue", poderiam aqui apresentar a sua obra intelectual e/ou pastoral?

Anónimo disse...

Intelectualmente falando e se formos muito rigorosos temos nos últimos anos só um: D. Policarpo. Mas humanamente até mete pena. Está no seu pedestal... No que concerne ao Bispo de Bragança o que se lê e ouve nos media é muito elogioso para aquela Diocese.

Anónimo disse...

Quanta inveja anda por aqui!!! É muito feio!!!

Anónimo disse...

Muita inveja por um lado, bastante bajulação por outro. Pouco discernimento. Fala-se mais dos bispos do que do Evangelho que os bispos proclamam. Sintomátoco. Parabéns ao autor do blog pela clarividência e pela inesgotável paciência.

Anónimo disse...

Já me tinham falado deste blogue, mas como não sou praticante de religião alguma, muito embora os meus pais me tenham batizado na igreja católica, nunca me dispus a dar por aqui uma espreitadela.
Até hoje.

Deixo desde já os meus parabéns ao autor do blogue!

Sou natural e residente no Distrito de Bragança e reparo que por aqui, o bispo da diocese tem sido alvo de muitas críticas e de alguns elogios.

Então vou também deixar aqui a minha opinião de não religioso:

Já cumprimentei o bispo num evento público. Foi muitíssimo simpático, tal como o descrevem os que o elogiam neste blogue e tal como muita gente do nosso Distrito afirma.

Já li, vi e ouvi algumas entrevistas do bispo. Na minha opinião é uma pessoa eloquente e que sabe muito bem o que diz.

Por curiosidade, provocada pelo mediatismo do sr, li dois livros que tem publicados: "O grão de amendoeira" e "O Bispo servidor da esperança". Para mim, que nada entendo de religião, foram de muito difícil compreensão e, sim é verdade, têm muitas citações. Demonstram que o bispo de Bragança é um estudioso, um investigador.

Para leitura prefiro o estilo de escrita do padre Tolentino Mendonça, mas é o meu gosto pessoal.

Quanto à proclamação que o bispo faz do Evangelho, não sei, não vou à missa.
Só posso dizer o que oiço a quem lá vai: «é um bom pregador, nada "chato", nada que se pareça com o D. Rafael».
É o que dizem.

Quanto ao trabalho na diocese, sei que tem trabalhado, porque leio os jornais e oiço a rádio, mas também, haja um pouco de sensatez da parte dos "críticos". O bispo ainda nem há um ano que tomou posse do cargo!

Coitado do homem que tem que aturar, de um lado os bajuladores e do outro lado as "cobras".

É preso por ter cão e preso por não o ter...

Gabo-lhe a paciência!

Miguel

Anónimo disse...

Não sabia que o bispo de Bragança é pianista.
Espero que dê um recital.

Depois, se quiserem, deixo aqui a minha opinião acerca dos dotes melómanos do prelado. Sem bajulação nem "cobrice".
O bispo não me interessa, de todo.

Só acho estúpido tanto comentário e tanta importância dada a uma pessoa que, pelo que me pareceu a única vez que falei com ele, nem sequer se dá assim essa importância...
Pareceu-me uma pessoa bem simples.

Devo ser eu que sou mau observador...

Miguel

Anónimo disse...

"mas olhe que eu já vi a tese do teu adorado bispo... ela, "A sacramentalidade e a ministerialidade no primeiro milénio" é um mero colar e comentar textos patrísticos feita com a ajuda de quem vivia no Colégio Português para que ele pudesse continuar a tocar piano e, assim, fazer carreira em Roma junto de uma cúria melómana..."

Já agora, que lhe fizeram tantas confidências sobre D. Cordeiro, poderia dizer quem o ajudou a escrever a tese de doutoramento?
É que é muito injusto para os que trabalharam de facto, não partilharem os "louros", nem que só seja por esta via, nãolhe parece?
Vá lá, coragem!
Termine o serviço,se for capaz...

Anónimo disse...

Claro que sou capaz... quer nomes? aqui vão eles (prepare-se... deixo apenas as iniciais de cada um dos seus nomes... para bom entendedor isso será suficiente... para quem não é, não há nomes inteiros que sirvam): J. C. A. A. M.; J. A. G. P. e M. A. F. T. Que tal? Gostou? Espero que sim e desejo que o que neste blog se diz que algumas pessoas seja um modo de comunicar informações que sirvam, no futuro, para a formação de opinião de quem está mais capacitado para esta ou aquela posição. Ámen.

Anónimo disse...

É lá, parece que a verdade começa a vir ao cimo!...
E agora, aduladores do bispo?

Anónimo disse...

Vai para aqui uma "açorda"! Daqui a nada vem alguém escrever que o bispo fez o doutoramento ao domingo, por fax, na Independente ou na Lusófona.
Invejosos, não têm nada para fazer, não?

Anónimo disse...

Foi, foi. Fez por fax. AH! Já me esquecia. Vão ter de perguntar ao Piero Marini, ao Flores, ao Renato de Zan, (alguns do melhores liturgistas actuais) etc etc etc.
Isto é só dor de cotovelo. Mas na daqui uns anitos estámos cá pra ver...

Anónimo disse...

O ser ajudado na realização de uma tese de doutoramento não quer dizer que o seu trabalho não tenha sido honesto. Foi-o. Afirmo-o claramente. Mas nem isso fez com que a sua tese tenha valor. Não tem. Afirmo-o claramente também. Ela está publicada pela editora da Católica, numa edição de umas míseras 250 páginas (!?!). Todos podem comprovar o que afirmo. Nem sequer foi publicada em italiano (na editora do Anselmiano) como acontece com as melhores teses defendidas em Roma. O que favoreceu a sua "ascenção" foi a sua paixão pela música (admirada por tantos curiais romanos) e a amizade com o diletante Tolentino Mendonça que, para agradecer alguns silêncios do mesmo (como não dizer que TM passava a vida em Roma no "jet set"), fez publicar partes da sua tese (uma escolha parcial de testemunhos patrísticos para fundamentar uma opinião "a priori") na revista Didaskalia. Mesmo os cursos que deu em Roma, em distintos organismos, eram conhecidos como "parole di asno del Portogallo". Depois vêm falar nos nomes do júri da tese. Mas há alguém, em Roma, que dê menos de 30 a quem quer que seja? E por aqui me fico.

Anónimo disse...

Pensando melhor: tudo o que disse é falso. Não conheço o bispo de Bragança e nunca li o que quer que seja dele e nunca soube de nada da sua vida em Roma. É tudo "dor de cotovelo" da minha parte.

Jorge Pires Ferreira disse...

Gostava que o meu blogue não servisse para um confronto entre pró-D. José Cordeiro e contra-D. José Cordeiro, ambas as fações muito bem informadas, aliás. Mas, se puderem, combinem outro palco para se digladiarem.

Anónimo disse...

Parece que há contas a ajustar, recalcamentos a expandir. O que impressiona é a minúcia dos dados!

Fernando d'Costa disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Fernando d'Costa disse...

Jorge: atitude sensata a sua. Eu mesmo, que não primo por reconhecer propriamente valor ao Bispo de Bragança (de quem já li um livro e distintos artigos; ouvi a falar na Católica do Porto e, na ocasião, com ele falei), aquiescerei totalmente ao seu pedido.

Fernando d'Costa

Anónimo disse...

É muito bom saber que o nosso Bispo, de quem tanto gostamos e a quem muito respeitamos, nem tanto como parece por ser o Bispo, mas muito mais por ser uma pessoa bondosa! Repito, é muito bom saber que é um apreciador de música e que, como aqui foi escrito, toca piano. Só demonstra, mais uma vez a sua imensa sensibilidade de ser humano. É disso que se precisa. Bispos que tenham a sensibilidade e a humildade suficientes para reconhecerem publicamente que não passam de seres humanos. Saberem que não são deuses, são pessoas.
Bem haja D. José por estar connosco! Deus lhe dê saúde, força e paciência!

Anónimo disse...

O bispo de Bragança também é falado aqui. Muito bem. A diocese Bragança agradece. De 7 a 10 julho em Londres para crismas a portugueses. Li os comentários, só apetece afirmar: conheçam pessoalmente o bispo de Bragança e todas as tretas que se dizem aqui caem por terra. Estamos muito orgulhosos por um bispo como este. Notam-se alguns traços de inveja por aqui. Mas não é muito difícil de adivinhar de onde vêem: Porto e Lisboa. Comeu-os a todos...

Anónimo disse...

2:15 PM, a gentinha que aqui comenta ressaibiadamente o bispo de Bragança conhece-o muito bem, pode crer. Tão bem que faz os comentários maldosos que faz.
Virem a Bragança?
E nós lá queremos cá gente dessa!?

Anónimo disse...

Noto que, apesar do pedido que foi feito pelo responsável deste blog, uma das facções em liça fez ouvidos moucos ao mesmo. Está tudo dito sobre a têmpera e o valor das opiniões de pessoas assim.

Anónimo disse...

E assim começou a queda do Império Romano...

Anónimo disse...

Como diz Pedro Casaldáliga "nuestra Iglesia vive una hora de decepción y de involución(...)".
É só ler os comentários que por aqui proliferam.
E isto não são só leigos a escrever, até aposto!
Uma tristeza!

Anónimo disse...

«Comeu-os a todos». Isto é linguagem de gente com fé? Porque é que alguns irmãos perdem tão rapidamente o autodomínio?

Anónimo disse...

4:02 PM, «Comeu-os a todos» é comentário de quem só pensa em futebol.Está tudo dito!

Anónimo disse...

SENHORES PADRES, TENHAM VERGONHA E DECORO!
SENHORES LEIGOS, ESTUDEM UM BOCADINHO DA RELIGIÃO CATÓLICA E DE COMO FUNCIONA A SUA IGREJA, PARA SABEREM UM BOCADINHO DA RELIGIÃO QUE SEGUEM.

Anónimo disse...

Esqueci-me de assinar o meu último comentário:

Deus.

Anónimo disse...

Mas existes ao menos???

Anónimo disse...

Meu filho... quando vês uma bola de ténis no meio de uma floresta, em que pensas? "Alguém a pôs aqui"; e quando vês um carro no meio de um deserto, em que pensas? "Alguém o pôs aqui". Que hás-de de pensar quando vês um Universo no meio de nada? "Ele surgiu por si mesmo"?...

beijos deste que te ama infinitamente...

Anónimo disse...

Que infelizes andam estes padres. Reordenamento das paróquias ao que obrigas...

Anónimo disse...

Bem lá andaste, mas chegaste-te atrás.

Anónimo disse...

Ó 2:09PM, sabe lá você por onde andei e se me cheguei atrás?!

Repito: o reordenamento das paróquias deixou os senhores padres tão infelizes que chegaram às atitudes "infelizes" que aqui se vêem, denegrindo o seu bispo.

Ou não foram os senhores padres?

Não, não sou amigo vosso famoso bispo.
Só me parece indecente e desrespeitoso o que aqui foi escrito.

Anónimo disse...

E Júlio César perguntou, depois de esfaqueado pelas costas:
"- Até tu, Brutus?"

Anónimo disse...

D. José pode bem com estes e outros maledicentes. Ele bem sabe em que ninho de víboras tem que trabalhar. Lembrem-se do lema que escolheu para o seu episcopado: "Para mostrar os mistérios de Cristo".
É Cristo que o move!

Os dois maiores erros da história de Portugal

António Rendas, reitor da Universidade Nova (de partida) e durante dez anos reitor dos reitores portugueses, diz que "expulsar os judeu...