quarta-feira, 4 de julho de 2012

A descida ao inferno do banqueiro de Deus


Esta peça veio na última "Exame". Faz pensar que o caso do IOR ainda não está esclarecido. Aliás, que há muito mais para esclarecer.


O banqueiro é uma pessoa honesta num sistema irreformável. O banqueiro parece ser uma pessoa honesta num sistema que parece irreformável. O banqueiro, que até era professor de ética, amigo do Papa e autor e colaborador de obras de referência, meteu-se num sistema ao que parece maquiavélico. As variações poderiam continuar. O que aconteceu mesmo é que era bom que se soubesse, pois dinheiro mais poder religioso menos transparência costuma dar asneira. Pelo menos.

Sem comentários:

Os dois maiores erros da história de Portugal

António Rendas, reitor da Universidade Nova (de partida) e durante dez anos reitor dos reitores portugueses, diz que "expulsar os judeu...