sexta-feira, 15 de junho de 2012

Prelatura para os lefebvrianos

Bernard Fellay, líder da Fraternidade Sacerdotal São Pio X


A Santa Sé oferece uma prelatura pessoal (será a segunda, depois da do Opus Dei) aos lefebvrianos (Fraternidade Sacerdotal São Pio X), desde que estes aceitem o II Concílio do Vaticano - o que me parece um pedir-lhes que neguem o que essencialmente são.


Talvez se consiga - e o caminho tem vindo a ser feito por muitos responsáveis eclesiais - uma interpretação tão larga e geral do concílio que os lefebvrianos acabem por entrar sem mudarem grande coisa. Esses serão os lefebvrianos católicos. Restarão os lefebvrianos lefebvrianos, aqueles que apesar das concessões, continuarão a recusar abertamente o concílio, pelo que trilharão o seu próprio caminho até daqui a uns anos  se criar uma nova prelatura para o neocisma dos novos lefebvrianos.


Há duas maneiras básicas de olhar para este esforço da Igreja, principalmente de Bento XVI:


- A união é na Igreja de Cristo é prioritária. Como a Igreja tem uma portas muito largas, todos cabem. E o pastor, o Papa, tem de ir ao encontro da ovelha perdida, ainda por cima, uma ovelha de bons princípios e boas famílias. E as luvas vermelhas, os mantos de sete metros e os celebrantes de costas para o povo têm adeptos entre os católicos.


- A união na Igreja de Cristo é outra coisa. É à volta de Cristo, não de uma igreja. Os lefebvrianos trilhem o seu próprio caminho, porque qualquer concílio deixa sempre meia dúzia de irredutíveis descontentes. A união da Igreja de Cristo é uma união de amizades, com luteranos, presbiterianos, anglicanos e, por que não?, lefebvrianos, quando eles perderem os tiques de seita.

19 comentários:

HD disse...

Vamos ver se o Vaticano, tem o mesmo peso, conta e medida, nessa vontade tolerante de unir todas as “ovelhas”.
Hoje procura as perdidas, mas implacavelmente persegue outras, chegando a expulsar do rebanho. Onde anda a sabedoria da parábola do filho pródigo?

HDias

Anónimo disse...

Ó Jorge, ó HD, não acolhe a Igreja grupos que rejeitam, em mais pontos do que a FSSPX, o Concílio? E não se arvoam estes grupos, que são acolhidos na Igreja apesar das suas posições contrárias à teologia oficial, a verdadeira Igreja? Não disse há uma semana, por exemplo, Hans Küng que Bento XVI era um papa cismático? A falta de coerência não abona a quem diz buscar a verdade dos factos, não é?

HD disse...

O bispo Bernard Fellay da FSSPX é claro: "Não estamos de acordo doutrinalmente, no entanto, o Papa quer reconhecer-nos".

http://www.dici.org/en/documents/entrevista-a-monsenor-bernard-fellay-sobre-del-estado-actual-de-las-relaciones-entre-la-fraternidad-san-pio-x-y-roma/

nada mais a acrescentar.

HDias

Anónimo disse...

HD,

é o que eu disse: essa afirmação podia ser dita de movimentos como "Nós somos Igreja" (basta ler as suas afirmações doutrinais que estão disponíveis no seu site) e "Camtil" (idem, aspas, aspas), e tais movimentos estão na Igreja, ou não estão? Ainda acha que não há anda a dizer?

Jorge Pires Ferreira disse...

Caro anónimo, eu não estou contra a reintegração dos tradicionalistas. Pelo contrário. Acho é que há um equívoco. Mas posso estar enganado.

Há vídeos, on-line, claro, em que dão a entender que se sentem reconhecidos pelo Papa - não pude verificar se correspondem à entrevista sugerida por HD. Ou seja, neles não há neles ponta de mudança, porque estão com a verdade - assim pensam. O que os levou a fazer sair da igreja mantém-se.

Como vão ser prelatura pessoal, não vão andar integrados em comunidades paroquiais, pelo menos na sua maioria. Se andassem, queria ver uma paróquia com dois tipos de missa (ok, é sempre mesma, a única, em duas versões) e as divisões que isso geraria nas comunidades. O velho axioma de "a Eucaristia faz a comunidade e a comunidade faz a Eucaristia" é bem real e consequente.

Mas esse é só um aspeto. Outros ficarão para mais tarde.

Quanto ao Nós Somos Igreja - a que não pertencendo - são mais secundovaticanistas do que os lefebvrianos. E naquilo que defendem - basicamente questões ditas disciplinares - não vejo qualquer contradição com a ortodoxia da Igreja, a não ser que já haja um dogma da não-ordenação de mulheres ou um dogma celibatário.

Partilho também a minha experiência: é difícil dialogar com um tradicionalista. O sr. não é, pois não?

Anónimo disse...

Isto hoje o debate está quente. A partir da minha experiência, e não a quero impor a ninguém absolutizando a minha percepção subjectiva, tive tantos problemas conversando com tradicionalistas - que me taxaram de herético e cismático - como com os progressistas - que me taxaram de misógino e intolerante -. Nem imagino o que sofrerá o papa!

Mas antes do Concílio está o Evangelho, donde acho mais importante o acolhimento de todos - de todos!, caro anónimo - na Igreja, mas também não sou inocente a ponto de achar que não se pode aceitar o Concílio. Mas se se pode admitir uma pluralidade de interpretações para o Evangelho, não se poderá, igualmente, admitir uma pluralidade interpretativa para o Concílio?

Por vezes sou excessivo, mas quero que tudo isto seja para o bem de toda a Igreja e não apenas de este ou aquele grupo mais sonoro que, normalmente, habitam franjas partilhadas por poucos.

Fernando d'Costa

Jorge Pires Ferreira disse...

Esqueci-de de dizer que duvido muito que a reintegração se faça na totalidade (sim, posso estar enganado, e, se estiver, ainda bem). Já no tempo de João Paulo II foi criada a Fraternidade Sacerdotal São Pedro para acolher alguns. E há muitas organizações de cunho tradicionalista plenamente reconhecidas. Se eles realmente quisessem, há muito fariam parte da comunhão católica.

HD disse...

Caro Anónimo das 1:21 e 2:51

Sem tomar partido pelos grupos: “ Nós somos Igreja” ou o “Camtil”
há um equivoco da sua parte, pois nenhum deles enuncia nos seus estatutos ou objectivos, que estão contra o Concilio Vaticano II .

HDias

Anónimo disse...

Pois. Não dizem "estamos contra o Concilio Vaticano II", mas os seus estatutos são manifestamente contrários ao mesmo, ou seja, não estão doutrinalmente de acordo com o Concílio. Quer um exemplo? O Concilio Vaticano II diz explicitamente que a ordenação sacerdotal só pode ser conferida a varões e ambos os movimentos que anotei dizem e promovem o oposto. Não é? Recorde a sua frase citando a FSSPX: "Não estamos de acordo doutrinalmente".

HD disse...

O Nos Somos Igreja afirmam nos seus objectivos
“O Movimento Internacional 'Nós Somos Igreja' é constituído por católicas/os que entendem, segundo os Evangelhos e o Concílio Vaticano II, que a Igreja é o conjunto das pessoas baptizadas, as quais têm uma enorme responsabilidade na fidelidade à mensagem de Jesus Cristo.

Considera que há reformas a realizar na instituição, a nível de organização e de funcionamento, reformas expressas na Petição do Povo de Deus.”
“ Uma Igreja com uma nova atitude face às mulheres; Uma Igreja onde os ministérios ordenados sejam reequacionados; “
Não rejeitam o Concilio, querem partir dele para equacionar reformas .
-----------------------------
Quanto ao CAMTIL acho que de todo está equivocado
Dos seus Estatutos
“O CAMTIL – Associação de Campos de Férias tem por fim contribuir para o crescimento, a
libertação e a valorização integral das pessoas que na sua proposta se queiram empenhar,
preenchendo os seus tempos livres numa perspectiva aberta à fé e à justiça, segundo a doutrina da Igreja Católica.
2. O CAMTIL pretende participar na formação dos jovens através da descoberta dos valores
que vão da Natureza ao seu Criador, da Amizade e do grupo à Comunidade, dos trabalhos de
Campo ao Serviço e à Solidariedade; da experiência de Fé e do conhecimento de si mesmo à
descoberta da vocação própria.
Art. 3º
O CAMTIL é uma Associação com autonomia própria ligada à província portuguesa da
Companhia de Jesus, a cujo Provincial por si ou por pessoa da sua nomeação compete velar
pela fidelidade da Associação aos objectivos nela definidos."

Onde é que viu nos estatutos do CAMTIL ser anti - Concílio Vaticano II ???
è por ser Jesuita que é perigoso?

Francamente….
HDias

Anónimo disse...

Dias;

eu disse: há grupos que rejeitam mais pontos do Vaticano II do que a FSSPX (que não o rejeita doutrinalmente na totalidade, meu caro) e estão na Igreja;

o senhor disse, citando a FSSPX: "Não estamos de acordo doutrinalmente, no entanto, o Papa quer reconhecer-nos";

eu disse: o mesmo se passa (o não se estar doutrinalmente de acordo), por exemplo, com o NSI e o Camtil e estão na Igreja: as suas afirmações doutrinais (não falei em estatutos) demonstram-no.

o senhor disse: é falso que os seus estatutos digam que estão contra o Vaticano II (repare na sua mudança: passou de se referir a uma afirmação de uma pessoa para os estatutos)

eu disse: não o dizem nesses termos, mas na prática estão, e dei o exemplo da ordenação das mulheres;

o senhor cita-me uns excertos parciais para dizer que estou a ser falso;

resumindo: para manter a sua posição andou o Dias a saltar de uma afirmação para os estatutos; ou mantive a minha sempre: há grupos que rejeitam mais pontos do Vaticano II do que a FSSPX e estão na Igreja.

Maria J. disse...

Os mantos de 6 metros e mais outras pompas lembram sempre as palavras de S.Bernardo:(adaptando)

«Lembra-te de que não és um sucessor do imperador Constantino, mas sim o sucessor de um pescador».
São Bernardo de Claraval

Anónimo disse...

Pois...mas não se lembram!

Anónimo disse...

Mas as pompas e as cerimónias faustosas foram sempre uma tentação...

HD disse...

Anónimo 4:39 disse
“ (…)as suas afirmações doutrinais (não falei em estatutos) demonstram-no.(…)

Anónimo 12:35 pm disse
“(…)mas os seus estatutos são manifestamente contrários ao mesmo, ou seja, não estão doutrinalmente de acordo com o Concílio.”(…)

- Agora digo eu :
Lá voltam os “troll´s”

HDias

João Silveira disse...

O Frei Bento Domingues e o Padre Anselmo Borges, figuras incontornáveis deste blog, são muito mais hereges e mais contrários aos textos do Vaticano II do que os membros da FSSPX. No entanto, pelo menos oficialmente, estão em comunhão com a Igreja, e não precisam de nenhuma prelatura pessoal.

Jorge Pires Ferreira disse...

Olá, João. Já há algum tempo que não aparecia por cá. Lembra-se de quem somos todos seguidores (assim penso, apesar das nossas divergências)? De alguém que foi condenado como politicamente subversivo e religiosamente blasfemo. Portanto, isso devia estar nos nossos "genes" de fé. Ou os discípulos estão acima do mestre? Abraço.

Anónimo disse...

Ei Dias, obrigado por me chamar Troll. É muito cristão que o faça. As suas "verdadeiras cores" estão a vir ao de cima.

Mantenho o que disse: o NSI e o Camtil advogam mais posições doutrinais opostas ao Concílio do que a FSSPX e, ao contrário desta, estão na Igreja. Quer andar a manipular as palavras daqueles que lhe apontam este facto? Pode fazê-lo, mas a verdade permanece.

Jorge Pires Ferreira disse...

Penso que HD, chamando-lhe (a si, anónimo) troll não se referia às criaturas obtusas, mas aos que desestabilizam as discussões na Internet.

Os dois maiores erros da história de Portugal

António Rendas, reitor da Universidade Nova (de partida) e durante dez anos reitor dos reitores portugueses, diz que "expulsar os judeu...