quarta-feira, 30 de maio de 2012

É difícil lidar com a modernidade



Eugénio Scalfari, fundador do jornal “La Repubblica” (aqui referido num diálogo com o cardeal Martini), escreveu no seu jornal sobre a "grande crise da Igreja", que vai de “Pacelli a Ratzinger”.

Um balanço no fim do pontificado de João Paulo II:
Os problemas da Igreja na sua morte eram os mesmos: poder da hierarquia, marginalização do povo de Deus, crise das vocações, crise da fé em todo o Ocidente, nenhuma modernização dentro da Igreja. Mas uma modificação, sim, havia sido verificada nesse meio tempo: a mensagem do Vaticano II não só não dera passos à frente, mas havia dado passos para trás.
Quanto a Bento XVI, Scalfari aprecia os livros e as encíclicas e que tenha afastado o tomismo, “com  tantas saudações a Orígenes, Anselmo de Aosta e Bernardo”. É curiosa a sugestão de beatificação de Pascal, algo de que nunca tinha ouvido falar:
Se quisesse dizer algo verdadeiramente atual, o Papa Ratzinger deveria dar início à beatificação de Pascal, mas me dou conta de que, no mundo dos Bertone, da Cúria Romana e das atuais Congregações, isso sim seria um gesto radical rumo à modernidade. Nunca o farão.
Muito mais Bento XVI poderá/poderia fazer rumo a modernidade, ainda que alguns achem que não deve fazer nada. A encíclica “Deus caritas est”, com uma nova visão da sexualidade (falou do eros, novidade num texto papal), parecia querer iniciar uma grande reforma. Parecia.

Ler tudo aqui.

5 comentários:

Anónimo disse...

Bom. Canonizar um jansenista? Claro que o canonizar uma pessoa não é canonizar a sua doutrina (veja-se Maximiliano Kolbe), mas não seria um passo demasiado arriscado pelo poder dar a entender uma proximidade excessiva aos grupos excessivamente conservadores? É mais fácil, creio e na mentalidade comum (onde me insiro), anexar Pascal ao conservadorismo do que à modernidade.

Por outro lado discordo que se tenha dado passos atrás face ao Vaticano II. Já aqui o disse uma vez: a seguir a este é que se deram passos mais além do intencionado por ele e, assim, uma correcção teve que ser encetada.

Por fim: teologicamente falando os passos de Bento XVI têm sido muito ousados. Mas a discrição com que o tem feito, tem deixado muita gente à margem da sua percepção. Mas estou convicto que os teólogos estão suficientemente atentos a eles e os estão a incorporar nas suas reflexões de modo a virarem novas páginas na vida da Igreja.

Fernando d'Costa

Anónimo disse...

Modernizar e dar passos á frente: Padres casarem, Sim ao aborto, mulheres padres, mulheres bispos e papas, lésbicas e homosexuais ordenados e até serem papas, ter várias parceiras ou parceiros. Papa, bispos ou padres mudarem de sexo. Ainda havemos de lá chegar. Já faltou mais.

Anónimo disse...

Padres, Bispos, Cardeais e até o Papa, deviam ter o direito de casar. Não ser obrigados, nem a ser celibatários, nem a ser casados.

Anónimo disse...

Isso mesmo.

Anónimo disse...

Duas papisas lésbicas, isso sim era ser moderno

Os dois maiores erros da história de Portugal

António Rendas, reitor da Universidade Nova (de partida) e durante dez anos reitor dos reitores portugueses, diz que "expulsar os judeu...