domingo, 27 de maio de 2012

Diálogo entre o polícia e o mordomo do Papa


Paolo Gabriele servindo sumo de laranja, o preferido de Bento XVI


- Paolo Gabriele, Via Porta Angélica.n.º…, é você?

- Lc 23,3.

- Lc 23,3? O que significa isso?

- “Tu o dizes”. Sou eu, sim, Paolo Gabriele, e moro na Via Porta Angélica. Onde mais poderia morar alguém com este nome?

- Deixe-se de brincadeiras. Sabe porque estamos aqui, não sabe?

- Sim. Lc 4,40.

- Lá está você. Pensa que está falar com os seus superiores? Os nossos conhecimentos bíblicos não passaram de Adão e Eva e dos Reis Magos. O que quer isso dizer?

- “Não está o discípulo acima do mestre”. Ora, se prenderam o Mestre, porque não haveriam de me prender?

- Está a colar-se a Jesus? Olha que você fez coisas muito feias. Revelar documentos secretos…

- Mc 4,22.

- Bolas! Não há nenhuma citação que o mande calar?

- Pelo contrário, mandam falar, e por isso é que passei os documentos para a imprensa. Mc 4,22: “Porque não há nada escondido que não venha a descobrir-se, nem há nada oculto que não venha à luz. Se alguém tem ouvidos para ouvir, oiça”.

3 comentários:

Anónimo disse...

“Porque não há nada escondido que não venha a descobrir-se, nem há nada oculto que não venha à luz. Se alguém tem ouvidos para ouvir, oiça”: Mc 4,22
A ser tudo verdade, só posso dizer:
Ah valente Paolo Gabriele!

Jorge Pires Ferreira disse...

Espero que não tenha pensado que este diálogo é real. No início titulei "Diálogo imaginário entre...", mas depois tirei o imaginário porque me parecia demasiado óbvio...

rouxinol de Bernardim disse...

Excelente!

Os dois maiores erros da história de Portugal

António Rendas, reitor da Universidade Nova (de partida) e durante dez anos reitor dos reitores portugueses, diz que "expulsar os judeu...