sábado, 24 de março de 2012

Não há santidade sem pedagogia nem sem tolerância


Confesso que, para mim, essa santidade imperfeita da Igreja é um consolo infinito. Não deveríamos desesperar diante de uma santidade que fosse imacula­da e que só pudesse manifestar-se julgando-nos e queimando-nos? E quem po­derá afirmar que não precisa de ser apoiado e sustentado pelos outros? E como poderia alguém que vive da tolerância dos outros recusar o exercício da tolerân­cia da sua parte? Não será ela a única retribuição que ele tem para oferecer? Não será esse o único consolo que lhe resta: apoiar tal como ele próprio é apoiado? A santidade da Igreja começa com o apoio e leva à sustentação; quando já não há apoio, deixa de existir também a sustentação, e uma existência sem sustentá­culos só pode cair no vazio.

Joseph Ratzinger in "Introdução ao cristianismo"

15 comentários:

Anónimo disse...

Que idade tinha ele quando escreveu estas palavras tão belas ?

Perguntas de um operário que lê
- como diria Bertolt Brecht.

Anónimo disse...

Caro "Zé", não tinha certamente a sua idade...

Anónimo disse...

Caro "Y", sabe lá você a minha idade...

Jorge Pires Ferreira disse...

Ratzinger tinha menos de 42 anos. A primeira edição da obra em causa foi em 1969.

Anónimo disse...

Caro "Zé", como pode ler, Ratzinger era mais novo.
"Y"

Anónimo disse...

Caro "Y",
Desvanece-me a sua atenção à minha idade...

Anónimo disse...

À sua idade e aos seus comentários, caro "Zé".

Anónimo disse...

Caro "Y",
Estou encantado...
"Zé"

Anónimo disse...

Espero que nunca se desencante. Depois do Domingo de Ramos vem sempre a semana da Paixão...

Anónimo disse...

Caro "Y",
Sou mais vocacionado para o Domingo de Páscoa...

Anónimo disse...

Não há sol que lhe chegue.

Anónimo disse...

Agora até está a chover...

Anónimo disse...

Viva Ratzinger que até inspira comentários sem sentido! Lol

Anónimo disse...

Você o diz, caro "Y".
Eu não me atrevo a qualificar os seus comentários de "sem sentido".
Como vê, apesar da chuva, brilha o sol!

"Zé"

Anónimo disse...

???
10:41 PM

Os dois maiores erros da história de Portugal

António Rendas, reitor da Universidade Nova (de partida) e durante dez anos reitor dos reitores portugueses, diz que "expulsar os judeu...