sábado, 25 de fevereiro de 2012

Pedro, o pescador, ia à pesca de tiara

Diz-se que pelos lados do Vaticano o gosto pela ostentação, pelos mantos, peles, rendas e luvas, pela pose e ritualismos ocos está a crescer a ritmos estonteantes, com reflexos naturais em toda a orbe católica. Ou então cresce na orbe católica e concentra-se no Vaticano. Qualquer dos sentidos é um mau sinal.


A recente celebração dos cardeais esteve cheia disso. Os títulos, eminências, reverências,dons, monsenhores, príncipes..., prestam-se a mostrar o que a igreja tem de pior: o desejo de poder, a distância da realidade mais comum. E as vestes, os barretes... Se tivessem noção do ridículo, abandonavam-nos no instante. Mas em Roma, a monumentalidade da cidade e a diversidade da fauna eclesiástica atenuam a percepção do ridículo.




O que mais me impressionou, porém, foi terem vestido a estátua de S. Pedro (aquela que temos pés gastos pelas mãos dos peregrinos e visitantes da basílica), com vestes de imperador (é preciso não esquecer que boa parte das vestes eclesiásticas é uma imitação do poder romano), anel e tiara. Provavelmente, a paramentação da estátua de Pedro é algo habitual nestas celebrações. E é mais difícil acabar com uma tradição do que resolver o défice português.




A tiara tem três faixas, por causa dos três poderes papais (ordem, jurisdição e magistério), mas é preciso notar que, historicamente, as faixas foram aparecendo com o desejo de poder dos papas medievais. Quando Paulo VI se desfez de uma das tiaras, quis dizer que o poder da Igreja é o serviço à humanidade. Não precisa de símbolos ambíguos.


Li num livro de Bento XVI (quis agora mesmo encontrar a citação, mas não dei com ela) que um dos teólogos medievais (Bernardo de Claraval?) escreveu uma carta a um pontífice que ainda agora os Papas leem. Nela, pede-se ao Papa que se lembre que é sucessor de Pedro, um pescador, e não de Constantino, um imperador. A lição deveria ser aprendida por todos.


No dia 18 de fevereiro de 2012 

O Papa que vendeu a tiara.

23 comentários:

Anónimo disse...

sinceramente não percebo onde é que está o problema. Eles são felizes assim. Que é que se há-de fazer? Olhe, a mim não me incomoda nada. Pertenço aos ateus. Por isso estais todos de parabéns. Mas o interpela é como o autor do blogue fica incomodado com isto.

João "o discípulo amado" Silveira disse...

Quem está pior: alguém que é chamado por Eminência porque isso faz parte do seu cargo, mas não faz disso um cavalo de batalha, ou quem faz da luta contra isso um cavalo de batalha, como se alguém tratado por Eminência não pudesse cumprir o Evangelho?

Quem está pior: o que usa as roupas desprendido delas, ou o que só se preocupa com as roupas que os outros usam, como se usando-as não pudesse cumprir o Evangelho?

Anónimo disse...

A nossa sorte é que o Evangelho tem força por si mesmo porque a Palavra de Deus é viva e eficaz, mesmo para além das tearas, das vestes e das Eminências. Estou convencido, apesar de tudo, que as tearas (mesmo no S. Pedro gasto pela devoção do Povo de Deus), as Eminências e as vestes esclerosadas que por vezes teimamos em usar terão pouco de evangélico e serão mesmo um contra-testemunho, por mais que a tradição explique tudo isto. Preciso de ter um "cavalo de batalha" para acreditar que este não é o caminho da Igreja.

João Alves

Anónimo disse...

Nunca pensei que as batinas dessem tanto que falar.

Anónimo disse...

Meu caro senhor... o vestir tal estátua com estes trajos é realizado todos os anos nos dias que antecedem à festa da cátedra de São Pedro que calha a 22 de Fevereiro como, pessoa avisada e comentador atinado que é, sabe perfeitamente, mas não o vi referir tal realidade... certamente que irá rectificar o seu texto em nome do seu amor à verdade... mas talvez deva esperar sentado por tal correcção...

Anónimo disse...

Ainda que se celebre a cátedra de Pedro, ele não deixou de ter sido um humilde pescador que acreditou e seguiu Jesus Cristo e por ele morreu. Duvido que alguma vez se tivesse interessado por tantas pompas ridículas.
Parabéns ao gestor do blogue pelo que expõe.
Infelizmente estas vaidades ridículas não se ficam por Roma. É ver como se comportam os nossos bispos, a pavonear báculos, mitras, anéis e cruzes peitorais.
O que parece, e saliento "parece", é que não têm mais do que esses ornamentos para assim darem nas vistas.
Esquecem facilmente o que pregam:
"Porém o Altíssimo não habita em Templos construídos pelas mãos dos
homens" (Actos dos Apóstolos, 7,45).

Anónimo disse...

as saias dos padres sempre foram um bom motivo de conversa sobretudo á mesa do chá que depois se abre para a "canastra"...
Os padres tb sempre gostaram de um bom chá e de uma "bisca lambida "...
Afinal nada mudou a não ser o desemprego que aumentou e fome que invade os pardeeiros que as tias e os padres não frequentam por causa das rendas que se podem sujar.

Anónimo disse...

Afinal é anti-clericalismo. Depois de ler alguns comentários... A começar pelo autor do blogue

Anónimo disse...

Afinal não se trata de anti-clericalismo. Trata-se de constatar factos.
Opsss! Feiras de vaidades!

paulo aparicio disse...

creio que o autor do blog deveria aceitar só comentários assinados...
porque se o autor dp blog é "anti-clerical" pelo menos não se esconde atrás do chapéu de chuva ANÓNIMO

paulo aparício

Maria disse...

Já dizia o Beato Frei Bartolomeu dos Mártires"necessitavam os reverendos cardeais de uma reverendissima reforma".

HD disse...

Caro Jorge, muito bem observado!

Até pode ser uma tradição, mas não deixa de ser um disparate , que demonstra a “cegueira anti-evangelho” que grassa em alguns corredores do Vaticano e não só…
Também por cá existe a tradição de colocar notas em andores de procissão e á luz do Evangelho só pode ser considerado disparate…
Aliás já houve padres espancados, por proibirem tal acto…Se calhar no ver de alguns “neo-nostálgicos “católicos, esses padres eram comunas…
Felizmente a Igreja, vai acordando e existe muito clero, que não se revê nessa palhaçada do salamaleque e sabem definitivamente, porque caminhos,trilha Cristo !
HDias

Anónimo disse...

Não se trata apenas de "tradição" (a de vestir a estátua por ocasião da festa da Cátedra e, já agora, da festa de Pedro a 29 de Junho), mas de uma forma de dizer que Pedro foi, de facto e contra os utopistas de uma Igreja sem hierarquia (assim cada um podia ser o seu próprio Papa), aquele a quem Jesus "entregou" as chaves do único "Império" que conta: o céu...

Aliás, as palavras do autor deste blog, noutros locais tão preciso, são enganadoras: a estátua não está vestida de roupas "à Imperador", mas "à Papa" que, aliás e se não se quiser estar a reescrever a História, é que influíram a "moda" imperial...

pela sua lógica, o facto do pé esquerdo da estátua estar mais adiantado para que os peregrinos nele possam tocar é sinal, talvez (não sei), de que a Igreja é filo-partidos de direita, não?...

pesar de Jesus ter andado de túnica o senhor HD. que se afirma o paradigma (único?) do que é ser Cristão, não anda vestido dessa maneira, pois não? não seja ridículo...

dito isto, não se interprete mal as minhas palavras: sou totalmente a favor de uma Igreja pobre e para os pobres...

Fernando

p.s.: Ainda para o HD: quer, finalmente, apresentar os motivos teológicos para a ordenação de mulheres? estou à espera deles há semanas...

Jorge Pires Ferreira disse...

Já fui aqui muitas vezes visado nos comentários. E a algumas provocações, que reputo sempre como saudáveis, com certeza que voltarei. Como é domingo e estou a trabalhar (mas já fui à missa), e mesmo trabalhando o domingo é doce, por agora respondo apenas ao Fernando, das 11h15, sobre os motivos teológicos para ordenar mulheres, ainda que a pergunta seja dirigida a HD. Cá vai a resposta: os motivos teológicos para ordenar mulheres são os mesmos que para ordenar homens. Nem mais nem menos. Mas se quiser saber em concreto qual é este: Porque a Igreja precisa de quem presida à Eucaristia.

HD disse...

Que eu saiba não fiquei de dar justificações a nenhum Fernando.

A seu tempo escrevi sobre esse assunto da ordenação das mulheres e recomendo maior atenção ás insinuações gratuitas. Já percebi a angustia de alguns "zeladores do Templo "...e como tal gostam de “caçar bruxas” nos que acreditam no mesmo Cristo, mas o tempo da Cristandade á força, já não existe. Era bom nestas bandas ,que existisse mais vontade de ouvir as outras partes e argumentar de forma sadia.
Sobre a questão deste post:
Embora respeite as tradições, nem todas fazem sentido.
Está em causa a vestimenta supérflua na figura de S. Pedro. É algo irrelevante para a evangelização e só cria ruído.
Creio que ninguém falou em promover a anarquia na Igreja ("sem hierarquia "- termo de novo cristão conservador, cada vez menos usado nas comunidades cristãs católicas )
Falar desse modo é afirmar que S. Francisco foi um ateu...
Há quem só consiga rezar em catedrais forradas a ouro. Eu e muitos outros, somos mais franciscanos, na relação com Deus.
Não é primordial o incenso, o báculo ou a mitra para respeitar e confiar em sabedoria, num irmão na Fé. Conheço padres e bispos que não é pela sua vestimenta que se afirmam, mas pela forma como se relacionam, ouvem e sobretudo conseguem um discernimento sobre a Vida e o Evangelho, que nos toca e nos surpreende o coração. Sim determinam um caminho a seguir que nada têm a ver com hierarquia “militar cega”. È Cristo neles, que nos fala e abraça…e isso sim é importante.
Agora vir discutir ou dar relevo a indumentárias ou ao culto exagerado do adorno litúrgico, é sinal de que não percebemos o âmago do mistério de Cristo.
Há que procurar o essencial e deixar o supérfluo. Basta ver o que o Papa disse .
Na Eucaristia de mais logo, esta será uma das intenções, que colocarei a Deus Pai.
HDias

Anónimo disse...

HDias, agradeço as suas palavras. Agradeço também ao Jorge.
Felizmente ainda há cristãos católicos com muito bom senso.
MH

João "o discípulo amado" Silveira disse...

O HD é como o fariseu que olha para o pecador e diz: ainda bem que não sou como aquele, ainda bem que não sou “zelador do templo”, ainda bem que não sou como aqueles que usam báculo ou mitra, eu sim sou santo, eu sim sigo o evangelho, eles não.

No meio de tanto acusar a (suposta) soberba dos outros, não se apercebe da sua própria soberba. Passei esta última semana com um padre amigo meu que usa batina todos os dias, e é mais humilde e segue mais o evangelho do que mil HD’s, mas para o HD esse padre só se preocupa com a batina, por isso não está a seguir o evangelho. Isto faz algum sentido? Não.

HD disse...

Ao “discípulo amado”
A falta de argumentos , levam-no ao gesto fácil e previsível, da ofensa pessoal.
Tenha elevação e carácter,como Cristão que afirma ser!!
Se não gosta de uma ideia, escusa de fazer juizos sobre quem não conheçe,ou será que teve uma cartilha, onde este comportamento é aceitável? Pretende ganhar o quê fazendo "bullying" pessoal,a quem pensa diferente?
Recomendo-lhe da 2ª Leitura de hoje” Arrependei-vos e acreditai no Evangelho”

HDias

João "o discípulo amado" Silveira disse...

HD, indignado diz:

- Se não gosta de uma ideia, escusa de fazer juizos sobre quem não conhece

Mas antes tinha dito:

- Até pode ser uma tradição, mas não deixa de ser um disparate , que demonstra a “cegueira anti-evangelho” que grassa em alguns corredores do Vaticano e não só…

- Também por cá existe a tradição de colocar notas em andores de procissão e á luz do Evangelho só pode ser considerado disparate…

- Aliás já houve padres espancados, por proibirem tal acto…Se calhar no ver de alguns “neo-nostálgicos “católicos, esses padres eram comunas…

- Felizmente a Igreja, vai acordando e existe muito clero, que não se revê nessa palhaçada do salamaleque

- Já percebi a angustia de alguns "zeladores do Templo "...e como tal gostam de “caçar bruxas” nos que acreditam no mesmo Cristo, mas o tempo da Cristandade á força, já não existe.

- Era bom nestas bandas ,que existisse mais vontade de ouvir as outras partes e argumentar de forma sadia.

- Há quem só consiga rezar em catedrais forradas a ouro. Eu e muitos outros, somos mais franciscanos, na relação com Deus.

- Sim determinam um caminho a seguir que nada têm a ver com hierarquia “militar cega”.

Os seus comentários são moralistas a 100%, com ofensas a torto e a direito, e agora vem fazer-se de virgem ofendida, a reclamar contra um suposto bullying.

"Porque reparas no argueiro que está na vista do teu irmão, e não vês a trave que está na tua vista? Como ousas dizer ao teu irmão: ‘Deixa-me tirar o argueiro da tua vista’, tendo tu uma trave na tua?" Mt 7, 3-4

Anónimo disse...

este cromo do Joãozinho é mesmo marreta!deve ser promessa? ainda morres engasgado com tanta birra eh!eh!eh!eh!

HD disse...

Ao Amado Discípulo
As ideias discutem-se e podem ser vistas de ângulos diferentes,com ardor e respeito! Quando isto não existe,não alimento trolls.
HDias

Daniel disse...

A referência a S. Bernardo de Claraval encontra-se em: Luz do Mundo, 1ª ed., pg 77...

E a "obra" que S. Bernardo escreve é dirigida ao Papa Eugénio III, saído da Abadia de Claraval para a Cátedra do Pescador...

Este texto de S. Bernardo é uma verdadeira "Arte de Viver" para qualquer pastor, ou melhor, "pescador de homens" à maneira de Jesus e Pedro...

Eis uma tradução (no link seguinte):

http://www.ricardocosta.com/textos/bernardo2.htm

Jorge Pires Ferreira disse...

Carto Daniel, muito obrigado pela preciosa informação.

Os dois maiores erros da história de Portugal

António Rendas, reitor da Universidade Nova (de partida) e durante dez anos reitor dos reitores portugueses, diz que "expulsar os judeu...