quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

16 de fevereiro de 1990. Morre o artista Keith Haring



Keith Haring morreu de sida no dia 16 de fevereiro de 1990. Novaiorquino, homossexual assumido, dizia que se ele não apanhasse o vírus, ninguém mais apanhava. Quando soube que estava seropositivo, numa época em que a doença dava pouco tempo de vida, criou uma fundação para ajudar crianças com sida. Morreu com 31 anos.

Deixou uma obra nas artes plásticas que é das mais reconhecidas dos anos 80-90, ou mesmo da segunda metade do séc. XX.


Para a Catedral de S. João Divino, em Nova Iorque, sede da diocese episcopal (comunhão anglicana), criou este tríptico. Foi a sua última escultura. Nesta catedral viriam a realizar-se as cerimónias fúnebres do artista.


Keith Haring não era um artista religioso. Aliás, diz-se que a temática homo-erótica é a mais presente nas suas obras. Mas a temática religiosa também o inspirou. Ou, pelo menos, aquilo que podemos relacionar diretamente com temas cristãos.

10 comentários:

João "o discípulo amado" Silveira disse...

Séc.XXI: a época em que qualquer um pode ser considerado um artista...e dizer-se homossexual ajuda.

Jorge Pires Ferreira disse...

O João agora também é crítico de arte? Mas olhe que Haring é do séc. XX.

E, de facto, qualquer um poder ser artista. Há muito que a arte deixou de estar ligada à perícia técnica.

Evito dizer o que o seu comentário epidérmico revela.

Anjo Caído disse...

Muito bem dito.
Não há paciência para o farisaísmo.

Anónimo disse...

Não há paciência para o farisaísmo. E ainda menos para a homofobia. Espero que esteja para breve um Dia Diocesano Contra a Homofobia. O respeito pelos homossexuais é para ser levado a sério.

João "o discípulo amado" Silveira disse...

Ò Jorge, não se apoquente, foi apenas uma maneira de falar. Sabe que a arte moderna tem muito que se lhe diga, a começar no urinol de Marcel Duchamp. Hoje em dia tudo é arte, e tudo é artista, desde que aclamado pela crítica. Felizmente qualquer homem percebe que arte é o que o eleva, não o que o rebaixa. Temática homo-erótica? A Igreja responde:

“2357 A homossexualidade designa as relações entre homens ou mulheres, que experimentam uma atracção sexual exclusiva ou predominante para pessoas do mesmo sexo. Tem-se revestido de formas muito variadas, através dos séculos e das culturas. A sua génese psíquica continua em grande parte por explicar. Apoiando-se na Sagrada Escritura, que os apresenta como depravações graves (103) a Tradição sempre declarou que «os actos de homossexualidade são intrinsecamente desordenados» (104). São contrários à lei natural, fecham o acto sexual ao dom da vida, não procedem duma verdadeira complementaridade afectiva sexual, não podem, em caso algum, ser aprovados.”

Amor à pessoa, horror ao pecado. Dizer que isto é homofobia é um disparate. Dizer que é fariseísmo, é outro.

Anónimo disse...

Gostei muito desse "Ò Jorge, não se apoquente". Vislumbrei nesse coloquialismo um je-ne-sais-quoi que conheço de outras paragens que decerto não frequenta, a avaliar pela citação que escreveu a seguir.
Pois fique-se com o "horror" (ao pecado ou ao que quer que seja), eu prefiro a caridade...

João "o discípulo amado" Silveira disse...

A experiência diz-me que não é produtivo tentar conversar com alguém que não arrisca dar o nome, mas aqui vai: Se o que estou a fazer é falta de caridade, então o caro anónimo tem falta de caridade para comigo quando me critica, por isso tem dois pesos e duas medidas. Vale a pena pensar nisto.

Anónimo disse...

Enfim, rabichas...

Anónimo disse...

Amado discípulo, você sabe tudo, ou pensa que sim?

Jorge Pires Ferreira disse...

Numa coisa o João tem razão. O Urinol de Duchamp, assinado como "R. Mutt", representou uma mudança de paradigma na arte moderna. Aqui não é abuso falar em mudança de paradigma.

Quanto à definição de artista, depende um pouco mais do que ser "aclamado pela crítica". É preciso, além disso, ter-se como artista, ver o seu trabalho exposto (e por vezes comprado), entrar no circuito, e ver-se referido como artista. Predomina a concepção sociológica da arte, pois. Qualquer um pode ser artista, mas nem todos conseguem ser artistas.

Os dois maiores erros da história de Portugal

António Rendas, reitor da Universidade Nova (de partida) e durante dez anos reitor dos reitores portugueses, diz que "expulsar os judeu...