domingo, 25 de dezembro de 2011

Materialidade de Deus


O Papa disse ontem à noite, na Missa do Galo,  que “devemos depor as nossas falsas certezas, a nossa soberba intelectual, que nos impede de perceber a proximidade de Deus”, “o Deus que se esconde na humildade dum menino acabado de nascer”. E concluiu: “Celebremos assim a liturgia desta Noite santa, renunciando a fixarmo-nos no que é material, mensurável e palpável” (ler aqui).

Compreende-se o que o Papa quer dizer, até porque a sua homilia tinha começado com uma referência ao Natal enquanto “uma festa dos negócios”. Mas eu diria que celebrando o Natal a “proximidade de Deus”, devíamos precisamente realçar a materialidade, mensurabilidade e palpabilidade de Deus. Bem sei que estas palavras podem arrepiar quando aplicadas a Deus. Mas a Encarnação o que é senão Deus tornado “material, mensurável e palpável”?

Sem comentários:

Uma questão de visão, talvez

D. Carlos Azevedo diz que a nomeação de D. António Marto para cardeal tem mais a ver com a visão dele (do nomeado) da Igreja do que com a li...