segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

Jesus estava muito pouco comprometido com o poder, era muito livre, tinha uma atenção muito específica ao que é diferente


Da entrevista de António Marujo ao biblista Michel Quesnel (autor de “Jesus, o Homem e o Filho de Deus”, ed. Gradiva)

(…) Isso quer dizer que cada época tem o seu resto de Jesus? Qual é o rosto actual de Jesus?
Antes de mais, uma pessoa muito autêntica – quer dizer, muito independente das opiniões que tinham dele –, muito pouco comprometida com o poder, muito livre, com uma atenção muito específica ao que é diferente. Jesus é alguém que percebe claramente a diferença entre as pessoas, tem clara noção da alteridade e de altruísmo. Ele reconhece que ir ao encontro do outro é uma atitude fundamental.
A aceitação da pessoa diferente, muito difícil no nosso mundo (diferentes classes socais, os que vêm de outro país, os que têm uma deficiência ou uma doença), é ainda hoje um grande desafio. Jesus cria uma proximidade com o outro e esse é uma mensagem fundamental para o nosso mundo.

António Marujo, “Deus Vem a Público. Entrevistas sobre a transcendência. I volume” (ed. Pedra Angular), pág. 50

2 comentários:

Anónimo disse...

Pena que a hierarquia da Igreja não siga esse exemplo de liberdade e de não comprometimento com o poder. Se Jesus voltasse, morria de susto!

Jorge Pires Ferreira disse...

Obrigado pelo seu comentário. Acrescento que se Jesus voltasse e se o ouvíssemos,também nós morreríamos de susto ou de paixão, de medo ou de coragem. Espero que não de indiferença.

Os dois maiores erros da história de Portugal

António Rendas, reitor da Universidade Nova (de partida) e durante dez anos reitor dos reitores portugueses, diz que "expulsar os judeu...