segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

D. José Cordeiro entrevistado pelo "Expresso"

Entrevista de D. José Cordeiro à revista "Única" ("Expresso") do último sábado. 




23 comentários:

Anónimo disse...

A entrevista é muito boa. Quem fala a sim não é gago. Directo, simples e sobretudo aponta ao essencial: Cristo

Anónimo disse...

Cauteloso nas respostas a assuntos polémicos talvez não seja uma má avaliação. Nem poderia ser de outra forma. Ou segue a regra do "chefe", ou "desemprego"!
Esteve muito bem, sim senhor.

Anónimo disse...

Da entrevista o que deduzo é que o chefe é Cristo. Mas está bem...

Anónimo disse...

O chefe é Cristo, o grande chefe é que não. Mas está bem...

Anónimo disse...

Ora lá está. O grande chefe é Cristo. Mas está bem...

Anónimo disse...

Está bem, está...
Cristo, É.Não precisa ser chefe, porque Ele É O QUE É.
O "grande chefe", é só um chefe. Mas continua a estar bem...

Anónimo disse...

Ao primeiro e terceiro "Mas está bem...": sei quem és.
Tens estado bem ;)

Anónimo disse...

Afinal em que ficamos há só um chefe ou não? É que dá a impressão de que não quer que haja um chefe. Mas está bem...

Anónimo disse...

Chefes há muitos. O "grande chefe", que se saiba, é um.
Confundi-lo com Cristo, não o confundo.
Como já disse, Cristo É O QUE É.
Mas está bem...

Jorge Pires Ferreira disse...

É muito curioso assistir a um diálogo de anónimos. "Sei quem és". Isto tanto tem conotações bíblicas ("é por ti que o dizes ou foram outros?") como faz lembrar diálogos de espiões. "Não enganas ninguém por detrás do anónimo". Digo sinceramente que não conheço nem faço a mínima ideia de quem não os anónimos, embora note que um tem um elevado fascínio pelo bispo de Bragança-Miranda.

Jorge Pires Ferreira disse...

Só agora li a entrevista do Expresso,apesar de a ter posto aqui há dias. Em si, pouco adianta. Eu não conheço o sr. bispo. Parece-me fluente, mas não arrebatador (e a verdade é que estamos fartos de demagogos). Tudo dentro dos limites. O celibato "é tido como". Não se diz que é, porque não é e é difícil justificar que seja, mas que é "tido como", ou seja, porque querem que seja. Felizmente não fala nas novas tecnologias nem do Facebook, como nas outras entrevistas. É que depois vamos ver a página do FB do sr. bispo e o que vemos? Florzinhas e postalinhos. A evangelização pelas novas tecnologias pode esperar.

Anónimo disse...

Tanto me faz que haja chefe, como não. A mim não me incomoda.
Eu sigo Cristo.
E continua a estar bem...

Anónimo disse...

Não se acaba o que se começou e depois é o que dá...

Anónimo disse...

O problema é que há incómodos com o grande chefe. Em que ficámos? Lamúrias diárias e escondidas detrás de palavras. Parece o movimento Nós Somos Igreja. Mas está bem...

Anónimo disse...

Va bene!
Então "para acabar o que se começou":
Cristo nunca precisou de sapatinhos vermelhos (nem de outras cores), para Ser "O CAMINHO, A VERDADE E A VIDA".
Assim já está bem?

Anónimo disse...

Mas aonde é que se fundamenta em que Cristo não calçou sapatos vermelhos? Esteve lá? Viu-o? Sei que foi a uma boda em Caná. Foi despido? Só se for em anedotas. O argumento das sapatos Prada é uma pantominice. Olha eu calço Boss, Camel, Gant etc etc etc. Va Bene? Não goze comigo e arranje um chefe...

Anónimo disse...

E repito: acaba-se o que se começa e isso incomoda. Va Bene?

Anónimo disse...

Va molto bene, chefe. Lol

Anónimo disse...

E Prada, também quer um dia calçar Prada?
Eu contento-me em calçar o que faz o sapateiro da minha aldeia. Mas está bem...

Anónimo disse...

Se me ofereceres uns Prada com todo o gosto. Da tua aldeia não me parece. Sabes lá tu o que é uma aldeia. Eu que é que te oferecia uns bons sapatos da minha aldeia (e não é ficção) por esse... acima.
É só quequices.

Jorge Pires Ferreira disse...

Se é para insultar, por favor, não escrevam aqui.

Anónimo disse...

INCRÍVEL, tanta falta de educação!São sacerdotes???

Anónimo disse...

Vamos ao que interessa: a entrevista. Em minha opinião (que nada vale) estamos perante o mais jovem bispo Português. Jovem na idade mas muito velho no conservadorismo e na obediência cega ao Papa, à hierarquia da igreja e às suas tradições, que nem sequer se dá ao trabalho de discutir. Como o próprio diz, "o Papa já se pronunciou e já pôs um ponto final sobre o assunto". ESTÁ TUDO DITO, este senhor é só mais um a juntar a tantos outros. É novo (para o que é costume), muito culto, viajado, simpático, bem educado e, como já alguém escreveu neste blogue, até tem uma carinha laroca. No resto, como já disse, MAIS DO MESMO!

Os dois maiores erros da história de Portugal

António Rendas, reitor da Universidade Nova (de partida) e durante dez anos reitor dos reitores portugueses, diz que "expulsar os judeu...