domingo, 24 de novembro de 2013

Fernanda Câncio: "As famílias dos bispos"

Texto de Fernanda Câncio, no DN de 22 de novembro, caindo no erro sinedoqual de tomar Lisboa pelo país, D. Manuel Clemente pelos bispos portugueses. Penso eu. (Agradeço a um leitor que me alertou para o texto). De resto, entre esta e outras confusões, talvez algo se aproveite. É ler.

Que situações críticas da família no mundo contemporâneo podem tornar-se um obstáculo ao encontro da pessoa com Cristo?" Não se assuste, a pergunta não é minha: faz parte do questionário para o Sínodo da Família, iniciativa do Papa vertida, pelos bispos portugueses, em 57 questões passíveis de resposta online. A maioria com opções para cruzinha, como nesta: "Aborto"; "redução do cristianismo a um sentimentalismo, a um moralismo, a uma ideologia"; "cuidar de idosos ou doentes"; "divórcio ou separação"; "doença"; "individualismo"; "infertilidade"; "monoparentalidade"; "sexualidade desordenada"; "situação económica"; "uniões de facto"; "uniões entre pessoas do mesmo sexo"; "outro (especifique)". 
Então o Papa acha que a sua Igreja tem andado muito obcecada com aborto e homossexualidade e ali está o aborto em "primeiros" mais a "união das pessoas do mesmo sexo" como empecilhos a estar com Cristo? Calma: esta é a versão que os bispos de cá deram à coisa. No original, que nem menciona o aborto, esta questão tem resposta "aberta" (adotada noutros países). Por cá, porém, faz-se mais do que condicionar respostas: mudam-se e complicam-se as perguntas. O original fala de "situações críticas na família", ou seja, dentro. O "da" permite misturar, nas hipóteses sugeridas, o conceito social e legal de família e seu afastamento do ideal católico - as tais "obsessões" - com problemas no seu seio. 
Mas olhemos melhor as respostas. Se nos problemas "dentro" faz sentido incluir doença e infertilidade (por acaso uma doença), "situação económica" e "individualismo", como compreender que não haja rasto da violência doméstica, e, citando a conferência episcopal num documento recente, da "forte sujeição [da mulher] ao homem", sua "opressão" e "menorização social e cultural"? Bem sabemos que para a CEP estas situações estão "graças a Deus a ser progressivamente ultrapassadas" (ainda bem que a divindade acordou para o problema), mas será que os bispos não se lembraram que levar pancada no casamento ou morrer de morte matada pode obstar ao encontro com Cristo? Ou estão numa de humor negro? 
Por outro lado, se estamos a falar da "família católica" - e essa só há uma, a hetero unida pelo sacramento do matrimónio e mais nenhuma - que fazem ali, como suas "situações críticas", "sexualidade desordenada", "monoparentalidade", mais o "divórcio ou separação"? Aí já não há, ou nunca houve, "família", não é verdade? A não ser que, em revolução inconsciente, a CEP esteja a admitir que há "famílias", plural, e não só "família", singular. O que explica a questão, na senda do inquérito original (o quanto terá custado aos nossos bispos fazê-la) sobre a forma de agir, "em vista da transmissão da fé", quando há "uniões do mesmo sexo que têm crianças a seu cargo". Para quem propõe um referendo sobre coadoção (que não é mais do que o reconhecimento legal da existência, e proteção, de crianças nessas relações), a pergunta há de ser blasfémia.

6 comentários:

Anónimo disse...

Fernanda Câncio é uma peixeira (sem desrespeito por estas): não entendo o motivo de darem tanta visibilidade à dita.

Anónimo disse...

Mas houve ou não alterações feitas ao inquérito original?
Isso é que importa saber.
Agora se a dita cuja é peixeira, não para aqui chamado!
O que interessa é se está a mentir, ou não com aquilo que escreveu sobre o inquérito.
Isso sim, INTERESSA e deve ser apurado.

Anónimo disse...

Alterado??? Mas quem é esta gente e a Câncio para fazer tais afirmações. Aconselho vivamente a ler Robert P. Georges - Choque de Ortodoxias. Está lá tudo explicadinho e desmonta todo o esquema dos "ismos" que as Câncios apregoam. Fartaram-se de dizer disparates acerca do dito inquérito. Está a decorrer em todas as dioceses. O que a Fernandinha deseja é que seja tudo à la carte... Azar o dela. Cristo ama-a certamente mas quer lá ela saber de Deus. Leiam o dito livro para desmontar as "manhas" desta gente que tão pouco que se está borrifando para a Igreja Católica.

Anónimo disse...

Pois podia ser bem mais claro o tal inquérito. É que a maioria dos católicos não vai dar-se ao trabalho de responder porque não entende aquela linguagem tão hermética. É uma pena que a Igreja Católica continue a pertencer a uma minoria e qua a maioria que lá vai (que essa minoria despresa) continue de olhos fechados.

Anónimo disse...

Apurado? Você vai atrás do que diz uma bimba fã da peixeirada? Claro que não foi alterado. Apure você e envie as suas conclusões naquele sítio da Fernandinha onde há uns anos não brilhava o Sol.

Anónimo disse...

Eh lá!!!
Quanto ressabiamento vai aqui...

Os dois maiores erros da história de Portugal

António Rendas, reitor da Universidade Nova (de partida) e durante dez anos reitor dos reitores portugueses, diz que "expulsar os judeu...