quinta-feira, 17 de outubro de 2013

Motivos para atender a Francisco

O chefe dos lefebvrianos, D. Bernard Fellay, diz que a “situação da Igreja é um verdadeiro desastre. O Papa atual está piorando 10.000 vezes a situação”.

E acrescenta:

“No início do pontificado do papa Bento XVI, disse, a Igreja continuava (piorando), mas o Papa estava procurando frear. É o mesmo que dizer: a Igreja continuava declinando, mas com um paraquedas. Já com o início do papa Francisco, disse, ele corta as cordas e coloca um foguete para ir para baixo”.

Se o tradicionalista assim argumenta, mais motivos temos para atender ao que Francisco diz, quer e faz. Li aqui.

Já nos EUA (o lefebvriano também falou no EUA), alguns católicos pedem ao Papa prudência (julgo que não é só lá; lá para os lados da Rua Ivens já pediram o mesmo; e alguns blogues pensam que o Papa ainda é Bento XVI)

...Francisco é um homem notável, ninguém pode negar isto. Contudo, não acredito que se preocupe em ser prudente”, destacou Robert Royal, presidente do “think tank” Fé e Razão. Em sua opinião, a dinâmica do Papa, orientada para a evangelização, “de alguma maneira provoca ansiedade nas pessoas”.

...enquanto outros sentem-se como o irmão do filho pródigo (e eu também já estive na pele de qualquer dos filhos do homem rico e misericordioso):

Gregory Popcak, assessor matrimonial católico em Ohio, ficou sem palavras quando alguns casais refutaram suas afirmações, citando palavras do papa Francisco. Primeiro, sentiu-se frustrado, depois ficou envergonhado, porque após ter refletido e rezado, percebeu-se como o irmão bom do filho pródigo, “o jovem bom que está no fundo e que obedece ao pai”.

Li aqui.

1 comentário:

Anónimo disse...

Caro Jorge,

é impressão minha ou sob o pontificado de Francisco os comentários deste blogue estão "desaparecidos" ?

Os dois maiores erros da história de Portugal

António Rendas, reitor da Universidade Nova (de partida) e durante dez anos reitor dos reitores portugueses, diz que "expulsar os judeu...