terça-feira, 1 de outubro de 2013

Mais uma entrevista do Papa

Mais uma entrevista do Papa que quando era cardeal não gostava de dar entrevistas. Alguém que diga isto a Francisco: "Sr. Bispo de Roma, mais devagar, por favor, que não temos pedalada para tanto".

Il Papa a Scalfari: così cambierò la Chiesa"I giovani senza lavoro uno dei mali del mondo"

6 comentários:

Anónimo disse...

Totalmente de acordo. há um clima de excesso, e o excesso gera confusão.
Parece-me de considerar a hipótese de Bergoglio ser um homem bom, santo, um bom pastor, de uma informalidade às vezes comovente, com um carisma diferente dos papas anteriores, mas sem grande jeito (não sei dizer de outra forma) para a função. Veremos, pois ainda é cedo.

Rui Jardim

Anónimo disse...

Bento XVI foi simplesmente "crucificado" pelos media, porque na postura foi exemplar. Sapatos, anéis etc, etc. Mas o essencial estava e está lá... santidade.

Anónimo disse...

Às vezes parece um plano para tornar as declarações do Papa irrelevantes.

Tantas entrevistas,declarações, telefonemas, cartas, etc...

Alguém que lhe diga: Resguarde-se, fale menos. No mundo da comunicação, o efeito é tudo. Começou bem, agora não canse a audiência.

O Papa fala duas vezes (ou mais) publicamente por semana. Chega e sobra para se pronunciar e tornar públicas as suas posições.

Se isto fosse apenas zelo de espalhar a boa-nova seria a primeira a dizer: Força, Francisco, continua!

O problema é que começa a ser mais do mesmo e sobre temas administrativos e afins.

Maria João Brás

Maria de Fátima disse...

Eu acho que ele tem muito para dizer. E a Igreja já perdeu muito tempo com " paninhos quentes " com as nefastas consequências que isso trouxe ...
E, Sr. Rui, isso do jeito é coisa mundana, acidental e de pouca importância.
Por mim, fala Francisco e diz o que é necessário dizer havia já muito tempo. Eu estou contigo. Viva o PAPA.

Anónimo disse...

Ó Maria João, acha mesmo que quem anda exaltado com o Papa e comentou aqui vai ler os textos das audiências e ouve o Angelus em direto na net? Vá sonhando! Só pelos telejornais e ó ó. E é natural que fale pouco, uma notícia só, e que fale sempre bem, porque a noticia consegue só passar o que querem ouvir! O Papa fala muito para quem o vai seguindo. Não vê que há quem queira que ele fale ainda mais? De preferência do jeito que lhes dá o vento? É que este Papa é bom, generoso, honesto, atencioso, caridoso, humano, simples, dedicado, meigo, humilde... tudo o que a igreja a que eles pertencem(porquê, para quê?)nunca foi antes. Muito terá pecado o Bento para ainda vivo passar por este inferno. Por mim,venha lá então o ferro em brasa já que acabaram os paninhos quentes!

Moçambicano disse...

As Pessoas parecem esquecer-se que Bento XVI "bateu com a porta" porque já não tinha forças para enfrentar "os javalis que tinham invadido a vinha do Senhor" - e que estavam desde logo à sua volta.

Se calhar não sabem, mas nos últimos tempos do seu Pontificado, entre tantos escândalos, muito bom Padre e muito boa Freira teve de circular em Roma "de olhos postos no chão" - sem culpa nenhuma.

E com o Papa Francisco houve uma "reviravolta".
Não sei se ele vai continuar a "desdobrar-se" em Entrevistas.
Na que é referida neste "Post", a concedida ao ateu Eugénio Scalfari, há uma conversa "olhos nos olhos" entre um crente e um não-crente, em que este último chega ao fim e não esconde o seu respeito pelo Papa.
É bom que a leiam (toda), e vejam como se fala. "informalmente", de muita coisa importante, de poucas coisas "administrativas", e como seria um bom exemplo a seguir até aqui em Portugal, onde continua a haver "crentes convencidos" e "ateus irredutíveis".
Não comparem Bento XVI e Francisco. Cada um deles tem um "background" diferente e uma personalidade distinta.
Bento XVI acabou por conquistar alguns dos seus mais acérrimos adversários. Tenham caridade, e procurem pensar que Francisco também sabe o que está a fazer...

Paz e Bem

Moçambicano

Lucas 15, a esquerda e a direita

Tem piada o artigo de Inês Teotónio Pereira, "A esquerda que queremos ser", no DN de ontem. "Somos [os da direita] aquele i...