sábado, 26 de outubro de 2013

Anselmo Borges: "O mal e Deus: com Valter Hugo Mãe"

Valter Hugo Mãe, Nuno Camarneiro e Anselmo Borges

Texto de Anselmo Borges no DN de hoje:

1. Foi um convite amável e insistente. Para uma conversa com Valter Hugo Mãe. Na Universidade de Aveiro, no dia 8 de Outubro. O tema: Mal.

O que é que se diz sobre o mal? Comecei por recordar que há muitos tipos de mal: o mal físico, o mal moral, o mal metafísico, o mal fora de nós, o mal em nós..., chamando sobretudo a atenção para o facto de, se estávamos ali para essa conversa-debate, é porque nos sentíamos razoavelmente, com algum conforto e sem grandes aflições. Porque, quando o mal se abate sobre nós - um cancro, um terramoto, um tsunami, um filho que se nos morre desfeito em dores e perante a nossa impotência total, quando nos destruímos mutuamente, quando tudo se afunda sob os nossos pés, quando o futuro todo se apaga... -, aí gritamos, choramos, blasfemamos, rezamos..., não debatemos.

Ao longo do tempo, houve tentativas várias de solução para o mal, sobretudo quando nos confrontamos com Deus. Como é que Deus é compatível com todo o calvário do mundo? Lá está Epicuro: ou Deus pôde evitar o mal e não quis; então, não é bom. Ou quis e não pôde; então, não é omnipotente. Ou quis e pôde; então, donde vem o mal? Na sua justificação de Deus, Leibniz concluiu que este é o melhor dos mundos possíveis. Schopenhauer contrapôs: este mundo não passa de uma arena de seres torturados, que sobrevivem devorando-se uns aos outros, ele "é o pior dos possíveis". A solução gnóstica e dualista coloca o mal no interior da Divindade. Há quem pense que devíamos despedir-nos do Deus omnipotente e ir ao encontro do Deus sofredor e crucificado. Segundo Kant, toda a tentativa de teodiceia teórica fracassa.

Penso que é o teólogo A. Torres Queiruga que abre para uma correcta reflexão, ao exigir uma ponerologia (de ponerós, mau): tratar do mal, antes de qualquer referência a Deus, pois o mal atinge todos, crentes e não crentes. Aí, percebe-se que a raiz do mal é a finitude. O mundo é finito e, por isso, não podendo ser perfeito, tem falhas e carências, choques.

Assim, Deus é omnipotente e infinitamente bom. Mas pretender que poderia acabar com o mal no mundo, criando-o perfeito, mas não quer, é uma contradição. Não tem sentido perguntar por que é que Deus não criou um mundo perfeito, pois Deus não pode criar outro Deus. Não se diz que há algo que Deus não pode fazer, apenas se nega uma contradição. Se o mundo inevitavelmente finito não pode ser perfeito, não podemos pretender que Deus o faça.

A pergunta é outra: se o mal é inevitável, porque é que Deus o criou? Aqui começa a pisteodiceia (de pistis: justificação da fé). Há diferentes pisteodiceias, pois todos têm de enfrentar-se com o mal e cada um encontra a sua resposta. O crente religioso também tem a sua: crê em Deus como Amor e anti-Mal e espera a salvação definitiva e plena para lá da morte. Sem Deus, fica-se com o mal e sem esperança, também para as vítimas inocentes.

2. Poucos dias depois, uma jovem senhora, com uma tese académica já pronta, que acabara de sepultar o pai ainda relativamente jovem, telefona-me e eu sinto e ouço as lágrimas a correr e a voz embargada, a tremer e a suplicar, porque também uma irmã acabava de ter um AVC: "É de mais; por favor, reze, por favor reze, a razão não sabe nada, não pode nada..."

E eu lembrei-me das palavras do início em Aveiro: que, perante o sofrimento atroz, as pessoas não debatem, mas choram, gritam, blasfemam, rezam (talvez tudo isto ao mesmo tempo).

E também me lembrei do que escreveu o filósofo agnóstico J. Habermas sobre o último encontro com o filósofo ateu H. Marcuse, que tinha citado: ele "estava na sala de cuidados intensivos de um hospital de Frankfurt, rodeado de aparelhos nos dois lados da cama. Nesta ocasião, que foi o nosso último encontro filosófico, Marcuse, em conexão com a nossa discussão de dois anos atrás, disse-me: "Sabes? Agora sei em que é que se fundamentam os nossos juízos de valor mais elementares: na compaixão, no nosso sentimento pela dor dos outros"".

Estou convicto de que, nisto, quanto à compaixão, Valter Hugo Mãe estará totalmente de acordo comigo.

6 comentários:

Anónimo disse...

Ena, ena! Valter Hugo Mãe e Anselmo Borges na mesma conferência.

Tenho tanta pena de não ter ido... é que não assisto a um espectáculo de humor há muito tempo, e com estas duas aves raras o riso é garantido.

Rui Jardim

Anónimo disse...


Eu gosto é da t-shirt. A intenção dele de "chocar é notória. É muito infantil.

Como já alguém disse:

Vaidade de vaidades, diz o pregador, vaidade de vaidades! Tudo é vaidade.

Antero

Jorge Pires Ferreira disse...

Já disse (no FB) e repito: estive no encontro e penso que o que disse VHM (uns sentimentalismos contraditórios, uma tiradas acríticas - ok, é um escritor) de pouco valeu para o tema em debate. O que disse Anselmo Borges, em parte no artigo acima, merece ser lido e pensado. Ainda hei reportar o que cada um disse, mas ando de urgência em urgência...

Helena V. disse...

Obrigada, Jorge. Tinha-me passado ao lado este texto do AB. Tenho pena quando o que alguém diz na discussão sobre um qualquer tema de pouco valha para o debate, mas uma coisa será certa: mesmo não valendo para aquele debate, vale para outros debates, para outra esfera de reflexão sobre o tema ou temas derivados ou mesmo divergentes.
De qualquer forma, depois de ler o AB, fica-me uma dúvida (genuína e sem ironia: não sou teóloga e preciso sempre de quem me ajude a pensar nestas coisas): mal e sofrimento são equivalentes? Não sei como foi discutida a questão, mas, assim sem muito aparato reflexivo, quer-me parecer que não.
Obrigada novamente. Fico à espera da tua reflexão. Abraço.

Jorge Pires Ferreira disse...

Ainda não escrevi sobre a iniciativa, a que assisti. Em todo o caso, o debate, se é que é debate, pode ser visto em
http://www.ciceco.ua.pt/index.php?menu=325&language=eng&tabela=geral

Agradeço a Fernando Cassola, que me deu o link.

Helena V. disse...

Obrigada, Jorge.
(Não resisto, por imperativos de ordem perceberás-quais, e também recorro ao parênteses para reagir às entrelinhas... brincando um bocadinho contigo: essa de "ok, é um escritor" para justificar (condescendendo) a fragilidade do contributo de alguém para um debate deixa-me a pensar que poderia ser ainda pior: poderia ser "um escritor e da capital"! :-))

Semana dos Seminários

Parece que se dizem agnósticos (ou o mais conhecido deles). Mas a simbologia católica (sim, mais católica do que simplesmente protestante ou...