terça-feira, 9 de julho de 2013

Mário Soares diz que puseram na missa do patriarca de Lisboa "capangas" para "bater palmas aos políticos"

Mário Soares no DN de hoje (tudo, aqui):
TEMOS ESPERANÇA NO NOVO PATRIARCA?No último domingo, realizou-se a primeira missa de D. Manuel Clemente, atual patriarca, no Mosteiro dos Jerónimos. Havia a esperança de ser um novo impulso para a Igreja portuguesa, muito mais aberta do que a espanhola e mais próxima do pensamento do novo Papa Francisco. 
Mas não foi. A missa, instrumentalizada pelo Governo moribundo que temos, tornou-se uma vergonha inaceitável. A presença do Presidente da República, nada discreta, de Passos Coelho e de Paulo Portas e mais a claque dos capangas que lá puseram para bater palmas aos políticos presentes resultou num escândalo. Nenhum católico verdadeiro pode aceitar uma tal humilhação a que sujeitaram o patriarca, que, julgo, não a merecia. Mas a verdade é que não reagiu e pelo contrário parecia satisfeito, como se viu na televisão. 
Se a Igreja não deve intrometer-se na política, a verdade é que os políticos também não devem aproveitar-se da Igreja para fazerem propaganda. Teremos voltado ao tempo triste do fascismo? 
Foi o que aconteceu, sem que o senhor patriarca tivesse reagido minimamente. Começou muito mal com a sua primeira missa. Direi mesmo que foi uma vergonha que infelizmente o vai marcar negativamente perante os católicos sinceros e progressistas, sem falar dos leigos, como eu, que se lembram bem dos tempos em que o fascismo utilizava a religião... 
Não sei agora como é que o senhor patriarca vai falar dos desempregados e dos pobres, quando deixou que os responsáveis por essa desgraça nacional fossem aplaudidos nessa primeira missa, obviamente organizada pelos políticos, como está à vista, quando são vaiados sempre que se atrevem a aparecer na rua.
É óbvio que uma Igreja como o Mosteiro dos Jerónimos é um local sagrado. 
Não se compreende assim que o novo patriarca, que é uma pessoa culta e experiente, deixasse que os políticos presentes fossem aplaudidos sem que ele, patriarca, lhes lembrasse que a Igreja onde estavam é um lugar sagrado, não é um lugar próprio para esse tipo de manifestações políticas. Começou mal, muito mal, as suas novas funções, como o povo católico mais humilde vai compreender.
Concordo que as palmas aos governantes são despropositadas numa igreja. Mas daí até dizer que se tratava de uma "claque dos capangas que lá puseram para bater palmas aos políticos" ou  de uma "primeira missa, obviamente organizada pelos políticos", vai uma grande distância. E parece que Mário Soares não ouviu que novo patriarca pediu aos políticos que apostem na criação de emprego.

23 comentários:

Anónimo disse...

Se estiverem bem atentos o Mário Soares parece o Pelé, de boca calada parece um poeta. O que deve ser: o contrario do que ele diz.

Anónimo disse...


...Cada um vê o que quer! Normalmente o seu reflexo...

Confesso que fiquei surpreendido com as segundas e terceiras palmas... (por certo também os visados) mas não me pareceram combinadas. Depois, os homens do "Governo" que ali vi professam a religião católica e, a liberdade religiosa não se perde em nenhuma circunstância em Portugal.

Peter disse...

Não esquecer que “os lugares estavam marcados e reservados na Igreja” como diz ali no DN um comentador! Fácil será então adivinhar a origem das palmas! Não advogo nem estou virado para as politicas sejam elas de que cor forem, fujo a sete pés desse lamaçal em que ela se tornou, mas confesso que fiquei envergonhado por se usar um local sagrado para aplaudir aqueles que nos estão a levar para o abismo numa espécie de birra de adultos! Uma coisa é a liberdade de culto e de cada um sair e entrar e participar livremente num momento sagrado, outra é a verdade dos factos e eles por mais que os neguemos são claros! Mário Soares ainda tem alguma lucidez, o que está a faltar muito neste país, e apesar de muitas vezes não estar de acordo com o que ele diz, e aqui nesta crónica tb discordo em algumas coisas, mas tenho que reconhecer que esta sua critica tem significados mais abrangentes que não se esgotam nas nossas visões pessoais!

Por outro lado, estou confiante e acredito que o novo Patriarca não tem culpa nenhuma no assunto e foi feito refém pela velocidade dos acontecimentos! Fica-me é um sabor amargo aquela questão dos lugares reservados, sobretudo num lugar onde todos são iguais (ou pelo menos deveriam ser)…mas isso guardo no meu coração! Já agora, para dissipar alguma dúvida, nos dias em que acreditava ainda alguma coisa neste país, fui um dos que votei num dos partidos que está no governo.. destinos estranhos, escolhas que só Deus saberá! Mas estamos sempre a aprender, ó se estamos! E não posso dizer que não fui e não sou diariamente avisado: “…Maldito o homem que confia no homem…” Jr 17,5.

Anónimo disse...

Este é mais um exemplo do que pode fazer a desinformação, tão perigosa na boca de quem tem projecção nacional.

Os políticos mencionados foram aplaudidos ANTES da chegada de D. Manuel, que quando chegou cumprimentos as individualidade presentes.

As minhas perguntas ao Dr. Soares:

- Como é que o Patriarca pode ser responsabilizado por algo que se passou antes da sua chegada?

- Como sugere que tal impedimento devesse tomar forma? Expulsão da igreja, ameaças físicas?

Como católica e presente nesta missa, sem fazer considerações políticas, devo dizer que me horrorizam sempre aplausos dentro de igrejas e sobretudo durante uma missa.

Mas isso é falha de catequese e atrevo-me até a dizer de boa educação.

Maria João Brás

Anónimo disse...

Anónimo
O Dr Mario Soares está numa situação que não pondera o que diz .Sempre ouviu dizer que a velhice traz ao decima as qualidades e os defeitos Ultimamente só assistimos a opiniões pouco democráticas e com uma linguagem muito baixa que demonstram bem o seu caráter Até quando vamos continuar a pagar impostos para alimentar a sua Fundação e demais mordomias?

Anónimo disse...

Onde estava o António costa??? E o Sócrates em Fátima aquando de Bento XVI? Deixemos as politiquices de parte e vejam as evidencias.

Fátima disse...

Para mim a melhor parte, é quando Mário Soares diz "leigos como eu", decididamente, nao sabe quem são os leigos e qual o seu papel na Igreja....

Peter disse...

Anónimo 10:31... há uma "pequena" diferença se me permite! Naquela altura, tratava-se não só da visita do Papa mas também de um chefe de estado, o que muda toda a abordagem ao tema....

Anónimo disse...

Este governo foi.lhe à fundaçao e com isso ganhou um inimigo. Em todo o caso esse gd homem de esquerda continua a passear.se num mercedes classe 500 (vejam quanto custa). Mario Soares é uma triste figura q já está morto - só ele ainda nao percebeu ( obviamente excusavam de bater palmas)

Anónimo disse...

Mario sores está naquela fase lastimável daqueles velhos egocentricos q tiveram uma vida farta e uma farta corte de bajuladores e agora no ocaso da vida nao está a conseguir digerir mt bem o toque de finados. Por favor nao o deixem fazer mais figuras deprimentes- quem fica mal é ele

Anónimo disse...

O Sr. Mário Soares agora é leigo! Fico feliz por já não ser “ ateu e laico” embora na altura em que o era fazia (e julgo que ainda faz) parte do “grémio dos pedreiros” jacobinos pois de “rito” francês, o que não fazia dele ateu…
Este homem só pode estar senil á quantidade de disparates que diz…
Obviamente que as palmas não deveriam ter acontecido, mas a interpretação que lhes atribui o sr Soares não tem qualquer fundamento e só pode sair de uma mente distorcida.

Peter acho que hoje vou entrar para a sua “lista negra”, mas não personalize apenas vou discordar um pouco de sim. A missa de entrada do D. Manuel Clemente foi um acto oficial da igreja portanto sujeito a protocolos pelo que a presença das autoridades civis, militares e até da Casa Real deve ser encarada nessa perspectiva. Pela elevada afluência (e também pelo protocolo) seria de difícil organização se os lugares não estivessem marcados, repare que até na celebração do matrimónio isso acontece apesar de não constarem nomes, todos sabem os lugares atribuídos aos noivos, padrinhos/testemunhas e pais.
A política necessita urgentemente de ser moralizada e como tal os cristãos devem ser cidadãos interventivos, o Papa Francisco assim o apela. A doutrina social da igreja assim o apela, não devemos pois alhear-nos da mesma só intervindo é que podemos melhorar e evoluir.

Peter o agora patriarca de Lisboa não é chefe de estado (como o papa) mas é um representante desse chefe de estado, como católicos estamos unidos ao nosso pároco, ao nosso bispo e por estes ao bispo de Roma o Papa. Portanto o sr Sócrates e o sr António Costa não estavam lá só por ser a visita de um chefe de estado, mas se calhar porque “lhes daria jeito”, doutra Forma teriam recebido outro chefe de estado (no exílio) e não receberam. Refiro-me ao XIX Dalai Lama que aquando a sua ultima visita a Portugal nem como premio Nobel da paz teve direito a ser oficialmente recebido, não quiseram “ofender” a china nem o PCP…

José Pinto

Peter disse...

Caro José Pinto, a minha única “lista negra” é aquela onde aponto aqueles por quem devo orar… e um “acto oficial da Igreja” não tem que estar forçosamente inserido num acto político ou vice-versa, ainda por cima com a gravidade do aproveitamento político que acarretou aquele que estamos aqui a discutir! Aliás, parece-me que na nossa constituição lá para os lados do art.º 41 está claro sobre a tal separação de Igreja e Estado, não vejo pois, salvo princípios de hospitalidade, acolher elementos que por sinal até nem tem sido nada de ajuda para a Igreja nem para a sua missão, para não entrar na questão dos testemunhos tão anti-cristãos, mas isso é outro tema, pena foi a oportunidade de ouro perdida pelo Patriarca, não lhe ficava nada mal um bom “puxão de orelhas” a doer a todas aquelas almas que receberam o poder para administrar aquilo que é de todos… ai “falhou” redondamente mas estou certo que não foi intencional como já disse anteriormente…como cristão o caro José Pinto deve saber que todo o poder vem de Deus… isso dava a autoridade ao Patriarca para falar sobre esse povo que sofre, povo que Deus lhe entregou aos seus cuidados…! Seria tremendo e um testemunho e mensagem muito forte que a Igreja daria para fora, foi pena…!

Anónimo disse...

Mais uma caça às bruxas por parte do anónimo anti-anónimos Peter. Rezemos por ele.

Peter disse...

Anónimo 10:52 AM, está-lhe a fazer falta também uma viagem a Lampedusa e ali passar uns dias ...!

"Deus nos livre de leigos com batinas no espírito / Deus nos livre de padres sem Espírito Santo / Deus nos livre de espíritos sem a carne da vida"Bispo Pedro Casaldaliga

Anónimo disse...

Não conheço o Peter, nem os anónimos, mas quer-me parecer que por qualquer motivo ganhou muitos e ressabiados inimigos. É muito mau meter-se com homens que usam saia...
O D. Manuel, quem não o conhecer que o compre. Pela-se por uma apariçãozinha pública próxima dos poderes terrenos. É essa gente que lhe dá os prémios e anima as tertúlias bem pensantes. Menos intelectualidade e mais pastoralidade.
Ficava-lhe bem ser menos vago e ambíguo, chamar os bois pelos nomes, mas isso, sabemos todos que não fará. Nem ele nem a quase totalidade dos "homens de saias". Preferem ficar pela caridadezinha e pelos nossos amados pobres que tanta falta nos fazem para a nossa redenção.
"Seja este o vosso modo de falar: sim, sim; não, não. Tudo o que for além disto procede do espírito do mal."

Anónimo disse...

Sublinho o facto de Mário Soares se designar como leigo. Não sabia do seu processo de conversão, mas registo-o.
Luís Manuel

Priscilla disse...

Penso que Mário Soares ao falar de ser "leigo" se referia a ser "leigo na matéria" ,expressão que é utilizada vulgarmente para indicar falta de suficiente conhecimento.

Peter disse...

Priscilla, também é o que penso embora ... até porque Mário Soares fala antes de "católicos" sem incluir ou nomear o clero...

"...vai marcar negativamente perante os católicos sinceros e progressistas, sem falar dos leigos, como eu,..."

Creio que estes católicos são os leigos na linguagem da Igreja....

Concordo sim consigo...

Peter disse...

...não falei antes para não arrastar mais o tema é isso que significa o "embora"....

Anónimo disse...

Caro Peter quando falei na "lista negra" não falava a sério, tentei fazer humor , mas não devo ter sido compreedido...
Quanto ao resto gostava de o lembrar que as palmas em causa antecederam a chegada do D Manuel Clemente, por outro lado ele não esqueceu na sua intervenção os problemas sociais, alem de que puxões de orelhas diretos, não cabiam no contexto em questão.
Para quem não sabe o memso D. Manuel tem assumido nos meios de comunicação social nomeadamente na radio,posições muito criticas em relação ao estado do país dizer que ele nada faz não é de verdade. digo isto de forma totalmente imparcial até porque sou um leigo que não convive com as hierarquias e, embora em comunhão não diz amén a tudo e certamente não concordarei com todas as posições do Patriarca. Mas se Há alguém a querer ter aproveitamneto politico com a situação esse alguém é o Dr Soares que se esqueceu quem foi, quem é e o que fez, se tivesse o minimo de decência poupava-nos da sua presença!

José Pinto

Anónimo disse...

"Não advogo nem estou virado para as politicas sejam elas de que cor forem, fujo a sete pés desse lamaçal em que ela se tornou". O Peter no mínimo é um chico-esperto e no máximo um pós-moderno enxertado de anarquista. Não se considere especial Peter, porque de facto o senhor é muito vulgar. Por mais que se sinta bem a redigir, a sua ideologia é portuguesinha e fraquinha até ao tutano. A minha pena, não são as suas ideias(-respeitáveis,porque suas.), é sim a consciência de que em Portugal, a sua cultura religiosa e política são mainstream. Já percebi que o Peter é o situacionista do blog, mas olhe, para mim, o senhor é um pedante e muito chato por sinal.

Peter disse...

Anónimo 3:47 PM, o que se terá passado na realidade consigo hoje! Mas será mesmo que não se gostou de se ver assim tanto ao espelho!!!...

Anónimo disse...

Mário Soares deu voz ao que sentiu muita gente que assistiu pela televisão. Aquelas palmas pareciam de encomenda e não deveriam ter acontecido naquele local. "O rei vai nu" e Mário Soares simplesmente disse-o, ao contrário de uns poucos que andam por aí a elogiar um fato que não existe. Goste-se ou não de Mário Soares, ele tem razão no que disse. Chega de hipocrisia!

Lucas 15, a esquerda e a direita

Tem piada o artigo de Inês Teotónio Pereira, "A esquerda que queremos ser", no DN de ontem. "Somos [os da direita] aquele i...