quarta-feira, 22 de maio de 2013

O livro sublinhado de João XXIII


João XXIII - daqui a dias faz 50 anos que ele morreu - foi núncio em Paris até 1953. Dizem que, apreciando o nível cultural do clero francês e não por ironia, um dia afirmou: "Nenhum padre francês se dá por satisfeito enquanto não fizer gemer as prensas com um livro seu".

Na realidade, lia os autores franceses. Mais tarde foi encontrado entre os seus haveres um livro intitulado "Verdadeira e falsa reforma na Igreja", sublinhado e anotado, publicado originariamente em 1950. Autor: Yves Congar, o teólogo mais influente no II Concílio do Vaticano.

4 comentários:

Anónimo disse...

Jorge. Assistimos hoje a um evento selvático e bárbaro. Talvez esteja na hora de se começar a debate o islão a sério e a fundo.

Jorge Pires Ferreira disse...

Refere-se a quê? Aos distúrbios na Suécia? Se calhar não estou a par das notícias...

Jorge Pires Ferreira disse...

Ah, a morte do soldado em Londres.

Jorge Pires Ferreira disse...

Li isto no Público desta sexta-feira:


Para já, apenas um dos dois atacantes
foi identifi cado: Michael Adebolajo,
de 28 anos, o homem que aparece
em vários vídeos do ataque com as
mãos ensanguentadas a explicar a
vingança “olho por olho, dente por
dente” contra o soldado britânico.
Proveniente de uma família católica
nigeriana, Adebolajo cresceu em
Romford, Essex, e converteu-se ao
Islão depois de terminar os estudos
universitários em Sociologia. As razões
para a sua radicalização permaneciam
por esclarecer, tal como
a identidade do outro suspeito, que
se sabe ter 22 anos.

Os dois maiores erros da história de Portugal

António Rendas, reitor da Universidade Nova (de partida) e durante dez anos reitor dos reitores portugueses, diz que "expulsar os judeu...