terça-feira, 21 de maio de 2013

O diabo outra vez

Há uma série de blogues e comentadores, alguns em grandes jornais italianos (e também neste blogue, nos comentários), que anda exultante com as referências do papa Francisco ao diabo e, agora, com um suposto exorcismo.

O porta-voz do Vaticano já veio dizer que aquilo não era exorcismo nenhum, era apenas uma oração do Papa sobre um portador de deficiência. Ler aqui. Mas já se sabe como é. Quem acredita no diabo, vê-o em todo o lado. É uma explicação fácil. Desresponsabilizante. Que só justifica (e é justificado por) teologias poeirentas. Mas adiante.

Ou existe ou não existe. Mesmo que não exista, não estamos proibidos de usar a palavra em sentido metafórico, como julgo que o Papa faz. Mesmo que não exista, tem grandes efeitos em quem nele acredita. E mesmo que exista - o que é a existência de um ser não-ser? - , não creio. Não se pode crer no negativo. Só creio em "coisas" positivas.

16 comentários:

HD disse...

De facto o papa abençoa sempre os doentes.
Estranho que apesar do Vaticano negar...uma TV 2000 insista nesta tese, apareça um video no you tube colocado por um padre brasileiro que adora exorcismos, a afirmar que é exorcismo...(http://www.youtube.com/watch?feature=player_detailpage&v=Fh9jPzK3Vco)
cheira bastante a manobra oportunista de alguém que quer tirar partido e colocar o Papa num campo que tudo indica ele não desejar...
E depois faz vender bem os media...

Anónimo disse...

Não Jorge. Eu também acho que o "diabo" é uma figura metafórica, mas não é esse o entendimento do actual Papa.

Anónimo disse...

O que se passou ao certo, eu não sei. Só o Papa e restantes intervenientes o sabem, mas algo diferente ali se passou.

Anónimo disse...

Como se não existissem múltiplas e variadas formas de orar pelo outro! Mas não… o que importa agora é vestir uma capa de exorcista ao Irmão Francisco de forma a que a foto fique au point et à l'endroit souhaité pour suas Exas. os coleccionadores de encontros do 5º grau das purgas luciferianas! Pelo andar da coisa, não tarda nada, basta o nosso Irmão Francisco tossir, para logo se erguerem tais trombeteares a anunciar aos 4 cantos da Terra que o Papa teve um arrebatamento místico produzindo abundantes jorros de glossolalia…! E anda depois tanta boa gente por aí a perder tempo a ver novelas quando esta ultrapassa todas elas em enredos humanos! Haja alguma saúde espiritual!

Peter

Anónimo disse...

Se entendemos um exorcismo como um ritual tipificado tal como a Igreja o define e recomenda, neste caso não houve exorcismo nenhum.

Ou então achamos que qualquer prece mais exaltada por um irmão junto de nós e a sua consequente reação um "exorcismo", e portanto todos nós realizamos e somos objeto de frequentes "exorcismos".

Pobre Papa Francisco! Coloca as mãos sobre um doente desconhecido, o doente tem uma reação que ele não poderia ter previsto e cuja explicação ninguém tem ainda, e agora é o que se vê...

E eu também sou das que acham que o Papa se refere ao demónio como metáfora. Agora que ele insiste na palavra e nunca descarta a sua interpretação literal é um facto. É um caso a seguir.

Maria João Brás

Euro2cent disse...

A malta da imprensa anda preocupada que o Papa faça mal ao patrão ...

> Eu também acho que o "diabo" é uma figura metafórica, mas não é esse o entendimento do actual Papa.

Pois, os Papas costumam ser da escola de "o melhor truque do diabo é convencer-vos de que não existe", como disse o camarada Baudelaire, que devia saber.

Anónimo disse...

Porque esse preconceito contra a existência do diabo ? E esse preconceito contra as pessoas que acreditam na existência dele. Jesus (humano) mostrou como se vence o diabo e pelo menos eu sempre aprendi que cada um de nós - estes 'fraquissimos' humanos - tem o poder para lhe dar dez a zero, ainda que com muita luta (será isto também um pensamento retrogado?) acho que se tomam posições muitas vezes não tanto pelo que é sensato e faz sentido mas muito mais para ser do contra - por ex, se pessoas estúpidas e tacanhas acreditam no diabo, e estão sempre a pensar nele, logo eu não acredito.....esqueçam o folclore da forquilha e dos corninhos e das possessões por tudo e por nada. Eu pelo meu lado não me aflijo com o dito , mas seja pelo ensinamento de Cristo, da Igreja e pelo de todos os Papas seja pelo que me diz a vida claro que acredito. E qual é o problema ? Caro Jorge, essa 'mania' 'progressista' muitas vezes misturada com arrogância de superioridade intelectual de achar sempre que tudo eram trevas e ignorância e que todosa aqueles que acreditam no ensinamento da igreja aimda continuam na escuridão (discurso típico de Bento Domingues e Anselmo B) não será um sintoma de orgulho e desprezo pelos outros? No final de contas a verdadeira batalha da vida de cada um é o ser reflexo do amor de Deus para todos os outros e para comigo próprio. Tudo o resto são batalhazinhas de poder e questões de 'caca' (desculpe a expressão) das mulheres padres, da música latim e isto e mais aquilo. Cada um se concentre em seguir Jesus
Jacome

Jorge Pires Ferreira disse...

Jacome

esta questão já foi muito abordada neste blogue. Já disse o que penso sobre isso e julgo mesmo que respondo a cada uma das duas questões e provocações (incluindo sobre a sempre mal citada frase de Baudelaire, Euro2cent) nos vários textos que escrevi. Continuo a defender, sim, que para alguns (intelectuais ou não), o que pode ser diabólico é mesmo acreditar no diabo (ou simplesmente pensar que ele existe), esse figura teologicamente dispensável.

Se tiver tempo, pode seguir a etiqueta

http://tribodejacob.blogspot.pt/search/label/Diabo

e os comentários na maior parte das entradas.

Anónimo disse...

As imagens são bem estranhas, não acha?

Anónimo disse...

Caro Jorge...ser diabolico tanto pode ser acreditar nele como não acreditar nele...bom, no fim é-me indiferente, importante mesmo é se o nosso foco está ou não no bem. Esta conversa não merece muito tempo (como muitas outras acerca destes e outros assuntos, em todo o caso, de parte a parte existem muitas ideias fantasmagóricas e cinematrogáficas que condicionam em demasia, ou mesmo fatalmente, esta temática e às tantas anda-se discutir o folclore da coisa e apartir dele tiram-se conclusões teologicas muito profundas. Eu, humildemente, limito-me a seguir o ensinamento da Igreja e é para mim um assunto ligeiro. Importante mesmo será evitar-se os ares de superioridade intelectual daqueles para quem, venha o que vier, continuarão a afirmar sempre até ao fim dos tempos que na Igreja tudo está mal.Claro que tudo está imperfeito e em caminho e até aceito este negativismo quando a ele está associada a caridade e a misericordia e uma vontade verdadeira pelo bem, pois de facto nada é perfeito, agora quando ele surge com ares de superioridade, mais não é do que um negativismo destrutivo. Engraçado em todo o caso a forma como Francisco fala deste assunto de forma desasombrada e descomplexada.
Jacome

Jorge Pires Ferreira disse...

A quem me pergunta:

"As imagens são bem estranhas, não acha?"



Espero bem que o homem de 44 anos esteja bem. Não duvido que a oração de Francisco possa ter feito bem ao mexicano. Espero bem que sim. E se ele pensa que está possuído e se acha que a oração de alguém poderoso como o Papa o alivia, pois que tenha ficado aliviado.


De facto os exorcismos, que são orações, por vezes curam quem pensa que está possuído. Não percebo, então porque Federico Lombardi veio mentir - tem explicação para esta mentira pública? Por outro lado, convinha simplesmente que, para saber se se trata de uma possessão de um ser sobrenatural, se fizesse o que é normal e que você bem conhece: confirmação independente do caso do "possesso", e capacidade de testar hipótese e explicações alternativas. Mas eu já compreendi: está possuído por um ser sobrenatural quem diz que está possuído se essa afirmação for confirmada por um padre que acredita no diabo. É tudo.

Anónimo disse...

Eu só acho que as imagens são estranhas, muito estranhas. Não percebo nada de demónios nem de exorcismos.

Anónimo disse...

Embora obedeça a um ritual próprio e devidamente estruturado, acredito que um exorcismo tenha acontecido neste caso concreto com o Papa Francisco. O demónio não está a seguir um guião para ver se o ritual é ou não seguido à risca.

Sou evangélico e já assisti a alguns exorcismos, (Poucos, mas que me fazem crer sem dúvida nenhuma na existência de um ser maléfico, que, em termos ontológicos seja o oposto a Deus.

Lembremo-nos que até na natureza existem objectos que são a negação da luz. (Os buracos negros), que, sendo invisíveis, apenas são detectados pela sua influência poderosa no ambiente celeste que os rodeia.

Além disso, Jesus falou deles, (demónios), falou com eles, e deu poder à igreja para os expulsar.

No entanto o modernismo, (método histórico-crítico, a desmitologização.... quer seja católica ou protestante), tem "expurgado" a bíblia dos demónios, ao mesmo tempo que a vai expurgando dos milagres, e até há tentativas para a expurgar da ressurreição. (Quiruga), baseando-se numa selecção escolhida de textos bíblicos, mas, curiosamente ignorando outros...

Cumprimentos

JMC

Peter disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Peter disse...

Como é que nos tempos que correm, ainda existam tantos que continuem a negar o seu próprio mal que nasce e é produzido e só dentro de si mesmos nessa retribuição que acontece entre a própria existência e o extinto que se alimentam mutuamente à mesa dos desejos humanos, atribuindo a um “ser” exterior a causa desse mesmo mal numa espécie de desresponsabilização perante Deus! E depois, o mais absurdo do tema é que toda a sua luta e caminhada são gastas a combater o mal! No entanto, ai de quem tenha a ideia e sugira nem que seja por uns momentos retirar o diabo do horizonte… parece que a vida cristã deixa de ter sentido se não tivermos uma figura com quem combater, como se o combate não fosse com nós mesmos, (Ele bem diz que é o que sai do interior e não o que entra em nós do exterior), esse mal que o nosso próprio coração produz empurrado pelas sugestões que os olhos alcançam do exterior e que são classificadas ao serem filtradas pelo mal que não nos permite nem admite que possamos ver e viver nas escolhas responsáveis e livres! E assim vamos preferindo viver num limbo, onde todos os nossos fantasmas vão sendo afogados nas “varas de porcos” que representam todas as nossas iras em direcção a esse(s) alvo(s) do exterior, mas que no fundo, embora o neguemos, somos nós próprios que persistimos em expor-nos como alvos dos nossos próprios males que produzimos! E depois ainda há quem vá argumentando com as “purgas” naquilo que é tão claro e que já foi definitivamente resolvido na Cruz: “E, despojando os principados e potestades, os expôs publicamente e deles triunfou em si mesmo." (Colossenses 2,15)

Anónimo disse...

Correcção:

..nessa retribuição que acontece entre a própria existência e o instinto...

Peter

Os dois maiores erros da história de Portugal

António Rendas, reitor da Universidade Nova (de partida) e durante dez anos reitor dos reitores portugueses, diz que "expulsar os judeu...