segunda-feira, 13 de maio de 2013

Fala a todos e não é propriedade de ninguém

Numa palavra, o mistério de Jesus, hoje como sempre, consiste em que ele pode falar de Deus e do ser humano aos grupos mais diversos, empregando para cada um a linguagem mais apropriada e compreensível e fazendo que todos reconheçam a sua autoridade, embora a expressem em termos tão diferentes que se torna impossível qualquer ensaio de síntese. O mistério de Jesus consiste em que foi e continua a ser o objeto que todos contemplam, mas que nunca se converte em propriedade de ninguém, nem sequer dos discípulos.

Etiénne Trocmé

3 comentários:

Helena V. disse...

:-) dei por mim à procura de onde poderia clicar um LIKE!

Fui a um dos livros do Luciano Manicardi. Escreve que "a sabedoria cristã, a sabedoria incarnada por Jesus, o Senhor,apresenta-se não como UM SENTIDO, nem sequer como O SENTIDO, mas como SENTIDO DO SENTIDO, como orientação radical do sentido, de cada sentido, como orientação do humano, como realidade transcultural, não identificada com uma cultura, uma filosofia ou uma sabedoria."
Obrigada, Jorge!

Peter disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Peter disse...

Eu creio que o maior problema reside no espírito de um tempo que se repete, falo do espírito dos novos viticultores que é um tempo que dificilmente se converterá e tende a repetir-se nesse episódio do “matar o filho do dono da vinha” para continuar a se apropriar dela! Mas existe outra vinha onde se mata ainda mais esse “filho”, essa “vinha” que somos nós mesmos, aquela que rejeita os enxertos não permitindo que o Jesus do Evangelho prevaleça sobre aquilo que estabelecemos como uma consciência correcta validada pelas pontes e fronteiras com que delimitamos aquilo que é verdade ou não, (nem o Evangelho aqui escapa também) a partir das regras impostas pelos que se apropriaram da vinha, e por isso, os nossos agires serão sempre inevitavelmente acompanhados por esse espírito de posse que é no fundo o espírito daquilo que há de mais danoso no terreno religioso que se apropriou de Jesus! Não é por acaso que o “Dono da Vinha” a vai dando-oferecendo a outros de fora, desviando até o curso do Espírito Santo dessas terras para outras terras mais aráveis!

Os dois maiores erros da história de Portugal

António Rendas, reitor da Universidade Nova (de partida) e durante dez anos reitor dos reitores portugueses, diz que "expulsar os judeu...