quinta-feira, 25 de abril de 2013

Santidade versus sabedoria


Inácio de Loiola dizia que
Muita sabedoria unida a uma santidade moderada é preferível a muita santidade com pouca sabedoria.
Teresa de Ávila, que tinha 41 anos quando morreu o fundador dos jesuítas, não sei se conhecendo o dito inaciano, deixou bem claro às suas filhas o critério para escolher um diretor espiritual:
Escolhei um confessor antes sábio que santo.
E comentava ter sofrido muito às mãos de confessores não sábios.

17 comentários:

Anónimo disse...

91-56... que quer isso dizer?
mas a verdade é que lendo alguns comentários neste blog lá me surge, de facto e com outras palavras, "muita santidade com pouca sabedoria"... falar do que não se sabe é um atrevimento típico dos ignorantes certamente santos, ou crendo-se santos, mas ignorantes não obstante.

Jorge Pires Ferreira disse...

Obrigado pelo seu comentário.

Estava escrito

"Inácio de Loiola (91-56) dizia que"

mas já emendei.

O (91-56) era um dado do rascunho que me esqueci de eliminar. Quer dizer que Inácio nasceu em 1491 e morreu em 1556. Também tinha junto a Teresa (15-82), mas este dado eliminei. Os dados serviam-me apenas para saber que idade tinha Teresa quando Inácio morreu.

Peter disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Peter disse...

"Aqueles que aceitam, pela fé, as verdades que estão fora da experiência humana não crêem levianamente, diferente daqueles que, segundo são Pedro, seguem fábulas engenhosas (2 Pe 1, 16).(Santo Tomás de Aquino, Suma Contra os Gentios,)

“Pois as coisas humanas nada mais são que as coisas dos homens, como prata, moedas, sítio e até o próprio pensamento. E quem negará que é pelas coisas divinas que o homem adivinha? Portanto Albicério foi sábio, se, conforme admitimos, a sabedoria é a ciência das coisas humanas e divinas. (Patrística - Santo Agostinho Vol. 24 - Contra os Académicos)

Ai estes malditos transgressores do conformismo (não é Anónimo 8:10 AM), que não nos deixam dormir descansados e nos obrigam a redobradas atenções, feitos guardiões da moral e da sabedoria estabelecida, e por isso andamos por aqui vigilantes, apregoando esganiçadamente as ignorâncias alheias, a ver se pelo menos, nem que seja pelo cansaço, tais progressistas sarracenos deixem uma vez por todas de se atrever a meter o bedelho por entre as nossas mobílias a empestar a naftalinas, onde guardamos avaramente tais tesouros (fábulas engenhosas) engendradas nesse saber supremo que não admite desvios ou algum espírito critico nas suas mentes pintadas num mundo só a preto e branco, reduzindo o ERRO às micoses mentais já gastas por tanto se coçar o cogito embalado nas tradições perdidas pelos desertos da humildade nessas eternas rodas dos Hamster embalados ao ritmo das sombras que os inquietam e dominam! Infelizmente, tal casamento lá vai mantendo o sopro ténue de vida, ainda que nos derradeiros estertores, guardando ainda algumas forças para ir engendrando e dominando essa prol de seres infantilizados e assépticos ao Renovo!

Anónimo disse...

Caro Jorge, convirá vincar que a sabedoria a q se referiria SI Loyola (não conheço este dito dele ) não era de certeza uma sabedoria qualquer, mas sim aquela associada à santidade, pois a outra sabedoria, ou a pretensa sabedoria, quando fria e cheia de si ..........(medo!!!!)
Jacome

Anónimo disse...

Ao anónimo das 11:52 AM: não confunda, como me parece que é hábito seu, o que ou outros dizem para os ofender explicitamente e depois vir-se escusar com o "não sabe o que é ironia?" (ou algo análogo). Ou o senhor é que sofre de micose mental ou, como outros já cá disseram, de diarreia cerebral, ou é apenas mal intencionado. Na realidade, nem se apercebe que o que cita apenas corrobora o que o anónimo das 8:10 AM disse (e é estranho que se tenha sentido visado: acha-se o único comentador neste blog? pela avalanche de palavreado que por cá deixa, talvez se sinta assim, mas olhe que está enganado): uma santidade sem sabedoria não é santidade (como não saber citar as obras de onde saíram dadas citações... "Patrística" antes de "Santo Agostinho" é o quê?; e "vol. 24" depois de "Santo Agostinho" é o quê?), e, do mesmo modo, uma sabedoria sem santidade não existe. É profundamente triste ver que não tem um pingo de amor e caridade no seu coração. Rezarei sempre por si e pela sua conversão ao Jesus dos Evangelhos e não ao de um qualquer vendedor de best-sellers. E já que gosta de citações, olhe, aqui vão algumas:

«Só o sábio é santo; só o santo é sábio». [Hans Küng - Acerca de ser cristão]

«O atrevimento dos pseudo-santos ignorantes do que falam é o testemunho mais visível de que a Igreja não pode ser sem mais uma democracia». [Pedro Casaldáliga - Espiritualidade da libertação]

Talvez pudesse seguir o caminho do anónimo das 11:52 AM e ironizar, a partir destas citações, acerca do que diz, mas não o farei. Sabe? No Evangelho dizem-nos algumas coisas sobre isso. Desse modo apenas citarei a própria Bíblia:

«Não multipliqueis afirmações de altivez, nem deixem sair coisas arrogantes da vossa boca; porque YHWH é o Deus de sabedoria, e por Ele são as obras pesadas com santidade». [1 Samuel]

«Farei [diz YHWH] terminar a arrogância dos atrevidos, e abaterei a soberba dos ignorantes». [Isaías]

«Todo o insensato altivo de coração que ofende o seu irmão é uma abominaçäo a YHWH». [Provérbios]

Mas, por favor, leia e continue a ler os seus livrinhos, e até a Bíblia, sem união profunda de coração com a Igreja de Cristo que ajuda a conhecer o sentido desta última, que continuará, assim, a ser um exemplo consumado do que Paulo diz:

«aprendem sempre, mas nunca chegam ao conhecimento da verdade». [2 Timóteo].

Como disse, rezarei por si do fundo da minha alma de modo a que as teias de aranha mental que, fruto do ódio e ignorância que expressa nos seus comentários, pairam sobre o seu coração sejam sopradas para longe pelo Espírito Santo.

Peter disse...

Anónimo (9:45 AM) resta saber quem anda não percebeu os significados de “ironia” ou “insultos” e a direcção que eles levam, como se existisse algum comentador aqui que tenha sido insultado com esse epitáfio do “ignorante”, aponte-me lá esse outro então.. isto é só uma migalha do que se tem passado por estes lados e olhe que nem é o pior: ” …que lendo alguns comentários neste blog ... falar do que não se sabe é um atrevimento típico dos ignorantes certamente santos, ou crendo-se santos, mas ignorantes não obstante.”…! Ai as dioptrias que estão desfocadas!

E acha mesmo que o que “cito apenas corrobora o que o anónimo das 8:10 AM disse”: ”"... falar do que não se sabe é um atrevimento típico dos ignorantes…”… então, pelo seu raciocínio :"Aqueles que aceitam, pela fé, as verdades que estão fora da experiência humana não crêem levianamente” ou melhor, como parece aqui defender, esses crêem levianamente… Então a Fé que nos faz caminhar e viver a vida cristã que nos leva certamente à santidade, ainda que estejamos longe dela, só pode acontecer a partir do conhecimento intelectual elaborado por mão humana!!!! Boa.. então explique-me lá isto: ” Ora, a fé é o firme fundamento das coisas que se esperam, e a prova das coisas que se não vêem.” (Hb 11,1)… A constatar pela sua indicação, e a do anónimo desse 1º comentário e outros, para se viver pela Fé e ser santo temos se calhar que carregar uma biblioteca às costas a fazer-me lembrar aqui o irmão doutro das bibliotecas repartidas por duas casas! Há-de me explicar porque Francisco de Assis tão Santo teve que ser forçado a aceitar os estudos para os seus irmãos e ser ordenado diácono para poder falar de Deus… pois, desde que começaram a entrar elementos do clero e as suas intelectualidades divinas naquela ordem, foi derrocada total, lá se foi a santa pobreza franciscana em todos os aspectos da vida e das dimensões humanas, salvo alguns períodos, aquele ordem nunca mais se endireitou, parece que até de se dividiu em alguns ramos…!Hoje, é uma sombra da santa Pobreza… duvida!?!

Está certo quando diz “uma santidade sem sabedoria não é santidade” mas olhe meu caro, há uma diferença muito grande entre SABEDORIA e CONHECIMENTO, e a sabedoria de Deus não tem nada mas mesmo nada a ver com a sabedoria humana que só enche de orgulho e na maior parte das vezes afasta mais de Deus, porque nela se julga já saber e conhecer tudo d’Ele, e como se isso não bastasse há que impingir e até forçar essa ideia pessoal de Deus ao outro que busca e caminha!

Olhe, da outra vez tb me ofereceu a sua oração, naquela história do “zoo dos irmãos macacos” (eu reconheço a sua escrita de irmão orante)… mas agora peço-lhe, não reze só por mim, reze antes por nós dois e não só, porque se estivéssemos completamente convertidos, não andaríamos aqui a discutir Deus, andávamos sim a vivê-Lo totalmente…! Nisso mea culpa, porque me deixa arrastar nestes cozinhados teológicos que só levam o tempero dos que os cozinham! Deus não precisa que o defendam nem que o provem, precisa sim é de ser VIVIDO… quem anda a defender muito Deus é porque não está seguro que esse Deus é mesmo o DEUS…!

Quanto às citações, (como se não tivesse entendido as fontes que deixei, ora, ingenuidades…não precisava de levantar essa poeira!), o caro agora fez-me recordar aqueles miúdos a discutir porque um tem mais berlindes do que o outro… ai Senhor! Mas olhe, lamento mas já passei essa idade-fase dos berlindes meu caro, fiquei cansado das birras de quem anda realmente muito doente e ainda não se deu conta disso como diz e bem Blaise Pascail:

“É uma doença natural do homem acreditar que possui a verdade” (Blaise Pascal)

Anónimo disse...

Peter... o senhor é como as cobras: anda aos zig-zags. Sem mais.

Anónimo disse...

Espere lá... então o anónimo que há dias para falar das pedras apresentou uma lista de mais de 10 citações bíblicas; e já nesta lista de comentários post se pôs a citar Agostinho e Tomás diz que não quer contar berlindes? Olhe: tem uma solução: não se ponha a atirá-los.

Anónimo disse...

Peter: não se dá conta mesmo que a sua exegese a Hb. 11,1 é negada por esse mesmo versículo? Por onde é que tem a sua cabeça? Homem: fale do que sabe.

Anónimo disse...

Peter: o senhor insulta tudo e todos; critica os teólogos chamando-os de ignorantes e estudiosos de pacotilha; acusa de ignorantes os que vão às igrejas com motivos distintos dos seus; etc. e vem para aqui com o síndrome de virgem ofendia? Homem: cresça e compre um espelho para se ver nele!

Anónimo disse...

“zoo dos irmãos macacos” não é da minha prosa. A sua paranóia (agora crê que identifica quem escreve apenas por isto ou aquilo). Homem: cresça e tome anti-alucinogénos.

Anónimo disse...

“É uma doença natural do homem acreditar que possui a verdade” (Pascal).

"Medeci cura teipsum" (Jesus)

Anónimo disse...

Essa dos macacos também não é minha. E estou de acordo com o anónimo das 11:21 AM: "cresça e tome anti-alucinogénos".

Anónimo disse...

Claro que a sabedoria de Deus não é a sabedoria do homem: esta (a sua, anónimo Peter) é emproada e orgulhosa e crê que o saber e conhecimento dos demais é desnecessário; a de Deus é humilde e está sempre disposta a crescer em união com a dos demais.

Anónimo disse...

"Deus não precisa que o defendam nem que o provem, precisa sim é de ser VIVIDO". Claro! A questão é: que Deus? O Deus que eu sinto e faço à medida do meu ego ou que eu conheço através de todas as minhas faculdades?

Cada frase sua é um tordo na mira de quem tem um pouco de inteligência.

Peter disse...

Hiiiiihiii…! Abriram-lhes a porta… e foram 5 de uma vez em roldão por ai abaixo pelas vielas da palavra irada… isto já ferve por aqui e ainda vamos no inicio do dia, vá Peter, vamos acolher-nos noutro lado mais silencioso:

“Prefiro o silêncio de Buda à tagarelice dos teólogos ...” Leonardo Boff

Os dois maiores erros da história de Portugal

António Rendas, reitor da Universidade Nova (de partida) e durante dez anos reitor dos reitores portugueses, diz que "expulsar os judeu...