sexta-feira, 19 de abril de 2013

Mais uma tradição quebrada por Francisco. E, desta vez, 4000 pessoas não devem gostar

O Papa Francisco decidiu não dar qualquer prémio aos quatro mil funcionários do Vaticano, como acontece habitualmente sempre que é escolhido um novo sucessor de S. Pedro para a cadeira de Roma. Em vez disso, uma parte da soma prevista para esses prémios será para uma instituição de caridade.

Li no "Público". Desconhecia o costume. E também li, num blogue, alguém que critica o Papa por fazer caridade com dinheiro alheio. Mas será mesmo alheio? Julgo que não. Era uma tradição, não um direito.

4 comentários:

Anónimo disse...

No fim das contas, melhor fazer caridade com "dinheiro alheio" que uma bajulação desnecessária, não é mesmo?
Antes de ser Empresa, há que ser Igreja!

Euro2cent disse...

Julgo que houve um César (um dos do ano dos quatro imperadores, salvo erro) que se deu mal com falhar o pagamento dum prémio semelhante aos pretorianos.

Ocorreu-me ...

Anónimo disse...

Desconhecia tal tradição e até me questiono sobre qual o seu fundamento. Quanto à não distribuição do prémio, nos tempos que correm, a atitude não é má, mas muitos ficarão, certamente, descontentes.

Anónimo disse...

Se o dinheiro da igreja vem do que os Cristãos pagam, e se os que trabalham no vaticano, já não pagam impostos, não vejo o porquê de pagarem porque muda o Santo Padre. Se assim fosse, também os funcionarios publicos (lool) deviam receber de 4 em 4 anos...

Semana dos Seminários

Parece que se dizem agnósticos (ou o mais conhecido deles). Mas a simbologia católica (sim, mais católica do que simplesmente protestante ou...