segunda-feira, 4 de março de 2013

Miguel Esteves Cardoso também escreve sobre o Papa Benedito



Miguel Esteves Cardoso no "Público" de 2 de março:

Já não me lembro do proprietário de uma empresa americana que anunciou que se demitia perante um administrador que o avisou: "You can"t do that - you"re the boss".

Em inglês, lido por um português, resign tem mais força: tanto parece resignar-se (ao destino) como voltar a assinar (uma vez para entrar; outra para sair).

Joseph Alouisus Ratzinger, que terá 86 anos no dia 16 de Abril, foi o Papa Benedito XVI que, por vontade própria, deixou de ser, voltando a ser, com todas as responsabilidades e obrigações que acarreta, o bispo de Roma. Foi um bom Papa - todos os Papas desde João XXIII têm sido bons e, julgando pela lentidão necessária às subtis mudanças para melhor da Igreja Católica, até nem foi o menos progressista.

Dizem, erradamente - até os inimigos - que era um intelectual. Não era. Gostava de ler livros com que estava de acordo e era justo na avaliação dos pseudo-inimigos de outrora (os judeus, por exemplo), mas não tinha, nem podia ter, por causa do espírito (muito provavelmente santo, dentro da corrente do catolicismo e da ética católica), uma atitude minimamente céptica ou desconfiada. Atacava o relativismo - com razão para quem defende qualquer religião - sem pensar no relativismo como verdade possível e potente. Ou seja: não sentia a necessidade real de se defender dele.

Demitindo-se, revelou e admitiu a humanidade dos Papas. Continuando a trabalhar encoraja toda a gente.

Adeus, Papa Bento: continuamos a contar consigo.

Sem comentários:

Para quando a primeira cardeal?

É inovação do Papa a nomeação de cardeal de um bispo auxiliar? O Papa Francisco disse no domingo que vai fazer cinco novos cardeais. Um de...