domingo, 24 de março de 2013

Bento Domingues: "Semana das alianças malditas"

Bento Domingues no "Público" de hoje:


Na Igreja Católica, embora sabendo que uma andorinha não faz a Primavera, vive-se um momento de esperança. A facilidade e a rapidez com que simples e breves sinais preanunciaram mudanças indispensáveis mostram até que ponto estávamos e estamos saturados de "Inverno". Dentro e fora da Igreja, a urgência de um outro rumo global só a não deseja quem cresce à custa do afundamento dos outros. A miopia financeira nunca perceberá que não é o império do dinheiro que salvará o mundo.

6 comentários:

Anónimo disse...

Bento, Bento, quem te viu e quem te vê! Mais vale tarde que nunca. Dos perigos da "papolatria" (no próprio dia da eleição papal!) ao entusiasmo pelo Papa Francisco...

Mas assim é que é.

Os últimos serão os primeiros.

Anónimo disse...

Também fico contente com a apreciação q BD faz de Francisco, mas algo diz que esta Franciscomania é condicionada à prossecução de uma agenda que ele não irá de todo levar a cabo. BD acaso não percebeu ainda que Jesus não veio trazer aos homens a revolução política nem o poder mundano - essa foi uma das tentações que o diabo fez a jesus no deserto - por isto a insistência de BD na questão da forma e não do conteúdo, como se a igreja fosse apenas mais um organismo político de poder e não de serviço numa lógica em que os lugares na igreja são direitos, e que tem de existir representatividade democrática (como se isso garantisse e fosse a solução...) Além do mais BD pretende uma revolução na sexualidade e no respeito pela vida não voltadas para a sua sublimação mas sim no sentido da vulgarização e adaptação à carnalidade e aos instintos mais primários fazendo tábua raza do ensinamento da igreja. Em suma a Primavera que propõe a meu ver seria nada mais que um Inverno disfarçado - não será isto o resultado da 3 tentação, tão bem descrita por Bento XVI no seu livro 'Jesus'? A revolução - sempre necessária na Igreja e em cada um de nós - é no coração, ou seja a mensagem de mudança tem antes de mais de ser encarada a apartir da conversão interior, todas as outras já foram tentadas e os resultados na história da humanidade aí estão .
Jacome

Anónimo disse...

Jacome, você é muito complexo.
Apesar de tudo, o grande teólogo da "papolatria" é bem mais singelo... Mas gostei da sua prosa.
Escreva mais. Tem coisas para dizer...

Anónimo disse...

..queria só acrescentar uma coisa, no debate de ideias há uma tentação terrivel f..da p de se passar ao ataque 'ad hominem'. acho que todos devemos fazer um enorme esforço para vencer essa tentação (eu faço e já cheguei a apagar coisas q ia dizer e q me iria arrepender...). também acho que a ideia negativa que passa das pessoas que se degladeiam e largam uma maldadezinha de vez em quando é em todo s caso desporporcionada relativamente ao que somos....é um bocado como nos carros durante a condução em que se nota uma agressividade estupida...e vai-se a ver vai lá dentro uma avozinha incapaz de fazer mal a uma mosca. Esta preocupação deveria ser tida sobretudo em conta com os que como eu 'se fazem de convidados' nesta casa claramente 'progressista'
Jacome

Anónimo disse...

Jacome: admiro o que escreve. não nos abandone.

Anónimo disse...

Estou a ver que não sou o único que aprecia a prosa do Jacome.
Gostei imenso dessa imagem da avozinha que não faz mal a uma mosca mas vai ao volante porque é moderna e encartada e de vez em quando larga o seu impropério...
A sua prosa é deliciosa. Fique por perto a escrever no blogue. Tem o meu voto.

Os dois maiores erros da história de Portugal

António Rendas, reitor da Universidade Nova (de partida) e durante dez anos reitor dos reitores portugueses, diz que "expulsar os judeu...