segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

Mensagem e mensageiro

O interesse por Jesus de Nazaré é maior do que pelo anúncio da sua mensagem pela Igreja, devendo, portanto, colocar-se a questão da origem desta situação.

Joaquin Gnilka

2 comentários:

Pedro Gomes disse...

Isto tem os contornos de uma falácia. Porque, no fundo, o conteúdo do anúncio da Igreja, a «mensagem», é precisamente a pessoa de Jesus. E, então, o interesse por Jesus de Nazaré é interesse pelo anúncio da sua mensagem pela Igreja.
Agora, que seja fulcral voltar a olhar (agora e sempre) para a mensagem e para a forma como esta encarna no anúncio da Igreja dos primeiros tempos e de todos os tempos, não se pode negar.

Jorge Pires Ferreira disse...

Caro Pedro. Compreendo o que diz. Mas Jesus é maior do que a mensagem da Igreja. Dizem que este teólogo é um dos preferidos de Bento XVI, nos seus livros sobre Jesus e posso, de facto, relacionar esta mensagem com uma outra de B16


http://tribodejacob.blogspot.pt/2013/02/algumas-coisas-que-aprendi-com-bento_18.html

Há muitos na Igreja que nunca se encontraram com Jesus. Não é este o maior paradoxo?

De qualquer maneira, julgo que os motivos que aponta para se falácia são parecidos com os que fazem Gnilka dizer que há aqui uma situação que precisa de ser refletida.

Lucas 15, a esquerda e a direita

Tem piada o artigo de Inês Teotónio Pereira, "A esquerda que queremos ser", no DN de ontem. "Somos [os da direita] aquele i...