quinta-feira, 13 de setembro de 2012

Clara Schumann é um exemplo



O Google, neste 13 de setembro, tem um doodle que lembra que Clara Schumann nasceu há 193 anos e teve oito filhos. Como estudei História da Música, no 10.º e 11.ºs anos (enfim, uma excentricidade que deu bastante cultura geral), sei relativamente bem quem foi Robert Schumann, um grande romântico, principalmente pianista e sinfonista, que até viu ficar paralisado o seu  quarto dedo da mão direita devido à obsessão da perfeição (terá usado um tala ou algo do género para exercitar o dedo preguiçoso).


Conhecia o dedo de Schumann, mas nunca tinha ouvido falar da sua mulher. Clara Schumann ficou na sombra do marido. E só quando ficou viúva emergiu o seu valor. Vale a pena ler a sua biografia (li-a de manhã, na Wikipedia, e dizia, no final, que tinha sido contemplada com um doodle do Google no seu 193.º aniversário; voltei lá agora e a informação desapareceu).

1 comentário:

Anónimo disse...

Também li e gostei.

Para quando a primeira cardeal?

É inovação do Papa a nomeação de cardeal de um bispo auxiliar? O Papa Francisco disse no domingo que vai fazer cinco novos cardeais. Um de...