quarta-feira, 20 de junho de 2012

Nuno Teotónio Pereira e a liberdade de informação


Na atribuição do «Prémio Árvore da Vida-Padre Manuel Antunes» pode-se destacar o percurso artístico de Nuno Teotónio Pereira, mas não será descabido recordar a sua oposição à ditadura enquanto católico.

Leio em “Entre as brumas da memória. Os católicos portugueses e a ditadura”, de Joana Lopes (ed. Âmbar), na pág. 26, e é só um exemplo :
A existência do Direito à Informação – tanto ou mais do que o seu conteúdo – foi por si só uma pedrada no charco. 
Ficou a dever-se a Nuno e Natália Teotónio Pereira. Eles foram os fundadores, os impulsionadores, os coordenadores durante toda a existência da publicação: dezoito números em seis anos, entre 1963 e 1969. (…) 
Nuno Teotónio Pereira faz questão de mencionar, de entre os primeiros colaboradores do Direito à Informação, António Jorge Martins (então padre) e frei Bento Domingues, bem como as «datilógrafas» que passavam o texto para estêncil: Maria Vitória Pato, Maria da Conceição Neuparth e Ana Vicente.

Imagem retirada da pág. 27 da obra acima referida

Sem comentários:

Lucas 15, a esquerda e a direita

Tem piada o artigo de Inês Teotónio Pereira, "A esquerda que queremos ser", no DN de ontem. "Somos [os da direita] aquele i...